Tamanho do texto

Ter fantasias sexuais é bastante comum tanto para homens quanto para mulheres; assinale as que você já testou ou tem vontade de experiemtnar

Apesar de tópicos relacionados ao sexo ainda serem considerados tabu e de discussões sobre eles serem constantemente reprimidas, as pessoas estão, sim, experimentando novas práticas sexuais e buscando satisfazer as próprias fantasias sexuais. De acordo com  um estudo publicado recentemente pelo “The Journal of Sex Medicine”, 45,6% das mais de mil pessoas entrevistadas têm algum interesse em fetiches.

Leia também: Comuns ou excêntricos? Veja os fetiches sexuais que mexem com o imaginário

E você, é adepto dos fetiches?
Shutterstock
E você, é adepto dos fetiches?

De acordo com o psicólogo Oswaldo Rodrigues Jr., especializado em questões relacionadas a sexualidade, os fetiches consistem em objetos ou preferências sexuais que servem como um “caminho” para que as pessoas cheguem ao prazer. Apesar de fantasias sexuais como o BDSM (bondage e disciplina, dominação e submissão) terem se popularizado com a fama da saga “Cinquenta Tons de Cinza”, o psicólogo afirma que o conceito é antigo e vem da palavra “feitiço”, remetendo à ideia de um amuleto. Confira dez dessas práticas na enquete abaixo e indique quais delas você já testou ou tem vontade de testar:


Fetiche ou distúrbio?

Certo, muita gente se interessa por fantasias sexuais, mas até que ponto esse tipo de coisa é saudável? Alguns fetiches, como o frotteurismo – que consiste em esfregar as genitais em uma pessoa sem que ela dê consentimento para isso – levantam essa questão, e o psicólogo tem a resposta. Segundo Rodrigues,  os fetiches se tornam problemáticos em duas situações. Em primeiro lugar, eles podem se transformar em patologias a partir do momento que a pessoa não é mais capaz de obter prazer de outra forma que não seja utilizando aquela fantasia sexual.

A inabilidade de se satisfazer com outras práticas faz com que ela fique obcecada com o fetiche em questão e até busque formas ilícitas para se satisfazer. Mesmo sendo fruto de uma patologia, qualquer prática sexual exige o consenso, e todo ato que invade a privacidade alheia está errado. “Quando se impõe algo a outra pessoa sem se importar com o que ela sente, pode ser legalmente uma invasão de privacidade e até mesmo um estupro”, afirma.

Isso significa que os  fetiches que envolvem observar pessoas fazendo sexo e outras práticas do mesmo estilo são, necessariamente, crimes? Segundo o psicólogo, há formas de realizar esse tipo de fantasia sexual sem invadir a privacidade alheia. Ele afirma que  não há problema em, por exemplo, reunir pessoas que são adeptas do mesmo fetiche e, com o consenso de todas, realizá-lo.