De fazer sexo em lugares exóticos até buscar prazer pela dor, fetiches povoam o imaginário de muitos, mas alguns fatores acerca das práticas podem classificá-las como patologias; saiba mais sobre o assunto

Apesar de muitos torcerem o nariz para qualquer prática “incomum” relacionada ao sexo –  como o uso de chicotes, algemas, gosto por partes específicas do corpo, fantasias ou até mesmo a busca do prazer pela dor –, ter fetiches não é algo tão incomum assim. Um estudo recente  publicado pelo “The Journal of Sex Medicine” afirma que, entre as mais de mil pessoas consultadas, 45,6% delas têm interesse em algum tipo de fetiche.

Ter um fetiche é algo patológico? Segundo psicólogo, alguns comportamentos podem sim se tornar patológicos
Shutterstock
Ter um fetiche é algo patológico? Segundo psicólogo, alguns comportamentos podem sim se tornar patológicos

De acordo com o psicólogo Oswaldo Rodrigues Jr., o conceito de fetiche é bastante antigo e vem da palavra “feitiço”. Há pelo menos quatro séculos, o conceito remetia à ideia de amuletos possivelmente encantados por bruxas como forma de afastar o mau-olhado. Hoje, a noção de fetiches segue parcialmente ligada a objetos. “O que se chama de fetiche é normalmente um objeto que auxilia ou serve de intermediário ou participante do processo de desejo, excitação e sensação de prazer em um contato sexual”, afirma o psicólogo. 

Ele explica, porém, que fetiches podem ter formatos diferentes; além da atração por objetos específicos que estejam ou não em contato com o corpo (como lingeries), preferências sexuais relacionadas à aparência (cor de cabelos, vestimenta etc.) e hábitos que atuem como métodos para se chegar ao prazer (como a dor funciona para algumas pessoas) também fazem parte do fetichismo.

Saudável ou patológico?

O mesmo estudo citado também fez um levantamento sobre as fantasias sexuais encontradas mais frequentemente. De acordo com ele, a atração por objetos comuns fica em primeiro lugar, o que se relaciona com a definição dada por Rodrigues. Em segundo lugar, porém, vem o chamado frotteurismo, que consiste em esfregar as próprias genitais em uma pessoa sem que ela dê consentimento para isso.

Leia também: Vontade de fazer muito sexo o tempo todo é um transtorno? Psicólogo explica

Práticas como esta levantam uma questão: até que ponto os fetiches deixam de ser preferências sexuais que atuam no caminho para o prazer e se tornam prejudiciais tanto para quem os pratica quanto para as pessoas ao redor? De acordo com Rodrigues, os fetiches constituem um grupo de parafilias (comportamentos sexuais incomuns com relação à maioria da população) e, a partir do momento que saem do controle, tornam-se transtornos parafílicos. “A pessoa com transtorno tem essa preferência e normalmente não sabe obter prazer além dessas formas”, afirma o profissional.

Em razão da inabilidade em se satisfazer de formas convencionais, Rodrigues explica que as práticas se tornam algo patológico a partir do momento em que a pessoa concretiza os fetiches sem que haja consentimento de quem está participando da experiência. “A pessoa acaba procurando formas ilícitas de se satisfazer. São, na maioria, homens e estão cometendo um crime, já que estão invadindo a privacidade alheia e causando danos para outra pessoa”, afirma.

Para ilustrar, o psicólogo cita os inúmeros casos de homens que são pegos masturbando-se no metrô e, por vezes, desrespeitam o espaço de mulheres encostando nelas sem consentimento. “Quando se impõe algo a outra pessoa sem perguntar, sem se importar com o que ela sente, pode ser legalmente uma invasão de privacidade e até mesmo um estupro”, enfatiza ele. 

Leia também: Conheça a fantasia sexual que envolve se melecar inteiro

Consentimento é a chave

 Assim como no sadomasoquismo os parceiros devem estabelecer até “palavras de segurança” para que possam indicar quando não estiverem mais confortáveis com a situação, outras práticas também devem ser combinadas. Rodrigues dá o exemplo de pessoas que têm fetiche em “espiar” por baixo das roupas da mulher e de mulheres que gostam de ser observadas. Segundo ele, não há nada de errado em pessoas assim atuarem de comum acordo após combinarem tudo entre si.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.