Tamanho do texto

70% dos participantes disseram que sentiram mais prazer durante o treino e 80% afirmaram que sentiram uma melhor recuperação no pós-treino

Women's Health

Estudo parece quebrar o esteriótipo de usuários de maconha. De acordo com uma pesquisa publicada no Frontiers in Public Health, as pessoas que fumam maconha são mais propensas a fazer exercícios físicos com mais frequência.

maconha arrow-options
Thinkstock
Compostos da maconha podem inibir a dor e outros podem estimular as atividades físicas

Leia também: Anvisa aprova registro de medicamentos à base de maconha no Brasil

A pesquisa

Os pesquisadores entrevistaram 600 usuários adultos que fumam maconha e vivem em estados dos Estados Unidos onde o uso da planta é legal. São eles: Colorado, Califórnia, Nevada, Oregon e Washington.

As questões eram sobre o uso de cannabis e exercícios. Entre as questão, se ao usar maconha, eles sentiam que seus treinos eram afetados e como achavam que isso influenciava a motivação e a recuperação do exercício.

Leia também: Vibrador inteligente revela que maconha dá orgasmos mais intensos

Resultados

Segundo os resultados, mais de 50% dos usuários de cannabis disseram que a erva os motivam a se exercitar. Cerca de 80% dos entrevistados também afirmaram que fumam antes ou depois de se exercitar. Além disso, 70% relataram que o uso de maconha aumentava seu prazer durante os treinos, enquanto quase 80% sentiam que a erva melhorava sua recuperação pós treino. Porém, apenas cerca de 35% consideraram que ela realmente melhorava seu desempenho nos exercícios.

Leia também: 7,7% dos brasileiros usaram maconha pelo menos uma vez, diz levantamento

Maconha pode aumentar a vontade de se exercitar?

“Há um estereótipo de que o uso de cannabis leva as pessoas a serem preguiçosas e não ativas fisicamente, mas esses dados sugerem que esse não é o caso”, escreveu a autora sênior Angela Bryan, professora do Departamento de Psicologia e Neurociência e Instituto de Ciência Cognitiva, em uma declaração.

Segundo a coautora do estudo Arielle Gillman, ex-aluna de doutorado na Universidade do Colorado, “há evidências que sugerem que certos canabinoides amortecem a percepção da dor, e também sabemos que os receptores ligados à cannabis no cérebro são muito semelhantes aos receptores que são ativados naturalmente durante a atividade física.”

Leia também: 5 dicas para ter pique e não matar o treino de amanhã

No entanto, os resultados do novo estudo são limitantes por serem autoavaliações de voluntários selecionados e que vivem em estados onde a maconha é legalizada. “Os estados que legalizaram a cannabis também são aqueles notoriamente mais ativos fisicamente”, afirma a co-autora em um comunicado.