Tamanho do texto

Tem corredor que não gosta daquele treino mais leve e relaxado, sem ficar na neura do tempo ou dos km percorridos, mas esse treino ajuda - e muito

Runner's

Eu não previ que aquela corrida seria um fracasso. Mas foi. Eu estava sem motivação. O inverno no Oregon, Estados Unidos, tem esse efeito nas pessoas. Basicamente, chuviscou por sete meses seguidos. E não era como a chuva. Era como se as nuvens estivessem cuspindo agressivamente em você, todos os dias, durante semanas. E aquela tarde prometia mais uma corrida gelada.

Leia também: 7 maneiras de melhorar seus resultados na corrida

mulher correndo arrow-options
shutterstock
Corrida leve, aliada ao descanso adequado, pode ser a chave para você melhorar seus resultados

Comecei me sentindo lento e, no decorrer do percurso, me esforcei para não ficar tão pesado. Minhas pernas estavam rígidas desde a manhã e pareciam borracha quando terminei de correr. Eu mencionei que estava com pouca motivação? Bem, eu também estava úmido. Isso é outra coisa sobre o inverno aqui. Você está sempre úmido. Não molhado. Apenas úmido.

Eu tenho treinado por mais de uma década, e a pergunta que eu mais ouvi na vida é: “Você é realmente de Nova Jersey? Porque não parece”. E o segundo questionamento que mais ouço é “Como começo a correr?”

É uma pergunta simples – e sim, complicada também. Porque ela poderia ser traduzida em “Como correr de modo que eu tenha vontade de repetir mais vezes depois?”. E isso é apenas outra maneira de falar “Como posso correr sem odiar fazer isso?”. Felizmente, perguntas simples merecem respostas. E a resposta para todas as anteriores é leve. Literalmente, leve. Corrida leve . O que é diferente de corrida lenta. É apenas leve (sim, a linguagem é importante).

Corrida leve: o que é?

É apenas a sua corrida normal, de todos os dias, em ambientes externos. Não é um tempo run, um longão ou uma corrida de velocidade. Leve não tem pace e nem distância. Leve tem que ser o seu esforço, como algo individual.

E o propósito de um corrida leve é… ser fácil! Você a completa para se recuperar de um treino mais difícil. Ou para desenvolver o hábito de correr com frequência e para construir força e resistência. Você a faz para recuperar um pouco da paz e alegria que pode ter perdido durante o dia, para aliviar o estresse ou a ansiedade. A faz porque ela te transforma em um corredor melhor. Como alguém não poderia querer um treino que tem tudo isso?

A corrida leve não é um sinal de fraqueza. Mas é muito difícil corredores optarem por ela. Fomos ensinados que a corrida tem que ser intensa e que o fácil não funciona. E condicionados a começar os treinos em ritmos muito fortes, o que acaba levando a problemas. E quando todas as corridas terminam com a gente se sentindo fracassado, simplesmente desistimos do esporte.

Várias vezes olhamos para os números como os únicos pontos de referência para o sucesso. Quão rápido eu fui? Quão longe? Em quanto tempo? Não me entenda mal. Eu amo números. Mas a verdadeira razão pela qual eu pude correr todo esse tempo e ainda amar a prática é porque eu meço o sucesso de uma corrida de todas as formas possíveis.

Leia também: O que é o treino 80/20 e como ele pode melhorar seu desempenho nas corridas

Como gostar da corrida leve?

A corrida leve é aquele tipo de treino que você completará mais do que qualquer outro, então é onde você tem mais chances de se sentir realizado. Que tal uma corrida leve depois de um dia cansativo no trabalho? Ou uma rota nova durante o percurso fácil? Cada uma dessas opções podem ser bem sucedidas, e nenhuma delas depende dos números no relógio. É comum sabotarmos nossa corrida leve quando colocamos metas para ela. O ritmo que parece fácil um dia pode não ser tão fácil em outro. Por isso, todos os objetivos da corrida leve devem ser flexíveis.

Poucas pessoas entendem isso, mas a corrida leve ajuda a melhorar o desempenho nas corridas mais difíceis. Como você está se sentindo? Como se sente? Como foi para você? Essas são as perguntas mais importantes que você pode fazer a si mesmo antes, durante e depois de seus treinos. Às vezes, podemos esquecer que o longão depende, em primeiro lugar, da recuperação. E na corrida fácil é quando você pode aumentar seu condicionamento e ainda se recuperar para o próximo esforço.

Isso é extremamente importante durante o treino para maratona, quando a sua quilometragem aumenta muito, e sua motivação pode diminuir. À medida que o volume de treinos cresce, é fácil se sentir pressionado. Mas de 70% a 80% por cento de sua quilometragem deve ser feita sem grandes esforços, facilmente.

Quanto à minha luta contra aquele dia úmido? Bem, eu fiquei me sentindo lento e pesado. Terminei a corrida, olhei para o relógio. Fui mais lendo do que imaginava. A distância foi menor que o planejado. E, mesmo assim, eu sorri. Eu sabia o que deveria fazer. Sabia o propósito daquela corrida leve. Eu não corri devagar, apesar de levar uma eternidade para terminar. Eu não corri muito. Eu fiz uma corrida leve. E acertei! E percebi: nem sempre é fácil terminar uma corrida… mas é sempre bom terminar uma corrida fácil.

Leia também: 5 exercícios para melhorar desempenho e ganhar velocidade nas corridas

Qualidade acima de quantidade

O treinador Jerry Schumacher uma vez me deu alguns conselhos poderosos: uma das melhores maneiras de medir a melhora em sua forma física é ver se você consegue correr mais rápido nos dias fáceis. Mas ele enfatizou que dias fáceis de alta qualidade não devem acontecer às custas da recuperação. Se você não está se recuperando, está correndo demais. Ou seja, não defina distâncias ou ritmos mínimos para a sua corrida fácil . Às vezes, uma corrida mais curta a um ritmo mais relaxado é o que você precisa para alcançar o objetivo. E, às vezes, descansar é melhor ainda.

Além disso, pesquisas confirmam os benefícios da corrida leve. Um estudo publicado no Journal of Strength and Conditioning Research descobriu que o desempenho de corredores melhorou quando eles incorporaram corridas de ritmo muito relaxado. Comparado com os cinco meses em que focaram apenas nos treinos de alta intensidade – quase no limiar do lactato.