Uma alimentação adequada é importante para manter o pleno funcionamento do corpo e pode ajudar até a evitar doenças. Nesse contexto, os alimentos anti-inflamatórios exercem um papel fundamental e colaboram para reduzir problemas de saúde e melhorar o sistema imunológico.

Leia também: 71 melhores alimentos saudáveis que você encontra nos supermercados

Os berries, conhecidos também como frutas vermelhas, são uma alternativa contra as inflamações
shutterstock
Os berries, conhecidos também como frutas vermelhas, são uma alternativa contra as inflamações


Com ajuda da nutricionista Elisabete Rocha, do Centro Terapêutico Equilybrium, elaboramos uma lista com 10 alimentos anti-inflamatórios e seus benefícios. A nutricionista avisa que, para funcionarem da maneira correta, os produtos devem fazer parte da dieta do dia a dia, uma vez que "o uso esporádico não fará o efeito desejado".

Alimentos com ação anti-inflamatória

Pensando no seu consumo, os produtos apresentados pela nutricionista têm em comum a facilidade de serem incluídos nas refeições diárias. Há opções que podem ser feitas em forma de sucos, chás e vitaminas. Outras podem integrar as receitas por meio do tempero ou até nos chocolates. Veja a lista:

1. Gengibre

O gengibre é um aliado no combate a doenças como diabetes e obesidade. Ele pode ser usado de diversas formas
Shutterstock
O gengibre é um aliado no combate a doenças como diabetes e obesidade. Ele pode ser usado de diversas formas


O gengibre é muito usado para combater diabetes e obesidade. Elisabete explica que ele possui um composto conhecido como gingerol, que é responsável pelo efeito anti-inflamatório. "Essa substância que confere o sabor picante a essa especiaria. Pode ser usado na forma de chás e em sucos, como tempero", conta a nutricionista.

2. Cúrcuma

Segundo a nutricionista, a cúrcuma age como uma barreira, cujo objetivo é impedir a ação dos agentes inflamatórios
Shutterstock
Segundo a nutricionista, a cúrcuma age como uma barreira, cujo objetivo é impedir a ação dos agentes inflamatórios


O tempero atua, principalmente, no combate às doenças cardíacas, diabetes e até câncer. A cúrcuma age como uma barreira, bloqueando a inflamação e, assim como o gengibre, pode ser usada fresca ou em pó.

3. Uva

Uma substância chamada resveratrol, presente na casca e sementes da fruta, tem forte ação anti-inflamatória
Shutterstock
Uma substância chamada resveratrol, presente na casca e sementes da fruta, tem forte ação anti-inflamatória


Encontrada, principalmente, na casca e nas sementes das uvas vermelhas,  uma substância chamada resveratrol é a responsável pela ação anti-inflamatória da fruta. "Além de prevenção de diabetes e auxílio no emagrecimento, ela ainda tem ação protetora contra a radiação ultravioleta", afirma Elisabete.

4. Cacau

O cacau tem em sua composição os polifenóis, propriedades que ajudam a combater a inflamação
Shutterstock
O cacau tem em sua composição os polifenóis, propriedades que ajudam a combater a inflamação


O cacau ajuda a melhorar a saúde cardiovascular e tem ação anticarcinogênica. Os polifenóis são as substâncias presentes no alimento encarregadas de combater inflamações.

Você viu?

Leia também: Estudo lista 10 alimentos perigosos e nós te ajudamos a encontrar substituições

5. Frutas vermelhas

Berries, ou simplesmente frutas vermelhas, são ricas em antioxidantes e vitamina C, atuando ainda contra a inflamação
Shutterstock
Berries, ou simplesmente frutas vermelhas, são ricas em antioxidantes e vitamina C, atuando ainda contra a inflamação


As berries, conhecidas também como frutas silvestres ou frutas vermelhas, são ricas em antioxidantes, vitamina C, protocianidina e flavonoides, que são importantes propriedades anti-inflamatórias.

6. Peixes

Peixes de águas frias e profundas, como é o caso do salmão, são fontes de ômega 3, que ajuda a reduzir riscos de doenças
Shutterstock
Peixes de águas frias e profundas, como é o caso do salmão, são fontes de ômega 3, que ajuda a reduzir riscos de doenças


Peixes como salmão, atum, arenque, sardinha e cavalinha, que são de água fria e profunda, são ótimos meios de conseguir ômega 3, um componente famoso por auxiliar no emagrecimento e melhorar a saúde cardiovascular.

7. Azeite extra virgem

Os azeites extra virgens possuem ação anti-inflamatórias semelhantes aos remédios, garante a nutricionista
Shutterstock
Os azeites extra virgens possuem ação anti-inflamatórias semelhantes aos remédios, garante a nutricionista


As propriedades desse tipo de azeite são tão boas que podem trazer os mesmos benefícios que um remédio. "O azeite extra virgem tem uma substância que inibe a atividade de enzimas envolvidas em inflamações da mesma maneira que alguns medicamentos anti-inflamatórios atuam", esclarece a especialista.

8. Abacate

Comum em vitaminas e pratos da culinária mexicana, abacate também ajuda a diminuir o colesterol
Shutterstock
Comum em vitaminas e pratos da culinária mexicana, abacate também ajuda a diminuir o colesterol


Muito usada para fazer vitaminas, a fruta tem beta-silosterol, uma substância anti-inflamatória que também colabora com a redução dos níveis de colesterol.

9. Linhaça rica

A linhaça é rica em ômega 3 e fibras, além de ajudar a ter hormônios regulados, sendo uma boa opção contra inflamações
shutterstock
A linhaça é rica em ômega 3 e fibras, além de ajudar a ter hormônios regulados, sendo uma boa opção contra inflamações


Tal como os peixes, a linhaça rica é fonte de ômega 3 e também ajuda a regular hormônios. "Possui alto teor de fibras, contribuindo para a saúde intestinal, cardíaca e controle do peso", diz Elisabete.

10. Alho

Importante aliado do sistema imunológico, o alho possui em seus componentes uma substância anti-inflamatória
shutterstock
Importante aliado do sistema imunológico, o alho possui em seus componentes uma substância anti-inflamatória


Fechando nossa lista, a alicina, composto biotivo presente no alho, tem ação anti-inflamatória. Além disso, o tempero melhora o sistema imunológico e ainda protege a saúde cardiovascular.

Leia também: Água com limão emagrece? 10 mentiras sobre as dietas para você não se iludir

Para que os alimentos anti-inflamatórios consigam proteger seu organismo, é importante investir em uma reeducação alimentar. "Excesso de alimentos de alto índice glicêmico, pobres em fibra e ricos em gordura trans, leva à excessiva produção de mediadores pró-inflamatórios, aumentando a incidência de doenças crônicas", afirma Elisabete. " Uma dieta onde se descasca mais e se desembala menos parece ser o segredo para um sistema imune ativo", completa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários