Tamanho do texto

A empresária chegou a pesar 95 kg e, após tentativas frustradas de perder peso, buscou ajuda profissional para emagrecer e não engordar nunca mais

A empresária Ana Mamakin, de 35 anos, era uma criança magra até os oito, quando começou a comer compulsivamente. Por conta da alimentação errada, a curitibana acumulou  gordura corporal , principalmente na região do abdômen. Já no início da adolescência tudo mudou. Emagreceu bastante e assim seguiu por alguns anos. Era o início da sua luta com o efeito sanfona.

Ana Mamakin chegou a  95 kg e, por muito tempo, tentou emagrecer com diversas dietas, mas sofreu com o efeito sanfona
Arquivo pessoal
Ana Mamakin chegou a 95 kg e, por muito tempo, tentou emagrecer com diversas dietas, mas sofreu com o efeito sanfona

Foi aos 15 que Ana teve o seu primeiro ganho de peso considerável. Nessa época, ela estava sofrendo com acne e espinhas em todo o rosto. Após passar por exames, foi diagnosticada com ovários policísticos e, por conta disso, precisou fazer tratamento para tratar o distúrbio hormonal. Sua pele melhorou, mas, em contrapartida, seu corpo desandou e passou a sofrer com o efeito sanfona .

“Ganhei muito peso. Fiquei extremamente inchada e me sentia muito mal. Comecei a fazer as dietas da moda. Emagrecia e engordava o tempo todo. Eu alternava períodos em que ficava praticamente sem comer com momentos de muita compulsão. Consumia sanduíches, salgadinhos, lanches, pizzas e etc”, conta em entrevista ao Delas .

Em 2001, chegou a pesar 85 kg durante um intercâmbio nos Estados Unidos. Mas, ainda na viagem, conseguiu eliminar 15 kg. Quando retornou ao Brasil, passou a tomar remédios na tentativa de controlar o peso. “Tomei todos os tipos e sofri com o efeito rebote que eles causam. Depois que casei e abri minha própria empresa, o peso disparou e chegou a 95 kg”, diz.

Nos anos seguintes, a empresária sofreu com o sobrepeso. Além disso, conta que não tinha força de vontade e não conseguia  persistir nos exercícios físicos e nas dietas - fazer uma reeducação alimentar não foi possível nessa época. “Tentei muitas e muitas vezes. Fui à nutricionista, contratei personal, fiz tratamentos estéticos e tomei muitos remédios para emagrecer”, expõe.

Como emagrecer de vez e acabar com o efeito sanfona

A empresária sofreu com o efeito sanfona por muito tempo e, com a ajuda de um balão intragástrico, conseguiu emagrecer
Arquivo pessoal
A empresária sofreu com o efeito sanfona por muito tempo e, com a ajuda de um balão intragástrico, conseguiu emagrecer

Ana chegou ao fundo do poço, como ela mesma descreve, quando precisou comprar uma calça jeans e não encontrou nenhuma peça que lhe servisse. Ela também já estava cansada de se esconder e dos medicamentos para perder peso. Conforme relata, eles já não resolviam mais e só a engordavam. Precisava se livrar do efeito sanfona.

Decidida a mudar, resolveu procurar algumas opções e, com as buscas, já estava pensando em fazer uma cirurgia bariátrica. No entanto, após passar por uma consulta com um especialista em obesidade para saber quais alternativas seriam viáveis, o profissional lhe recomendou um tratamento de seis meses com um balão intragástrico.

O procedimento aconteceu em 2011 e consiste, conforme explica Eduardo Grecco, gastrocirurgião e endoscopista do Instituto EndoVitta, em colocar um balão de silicone no estômago que é preenchido com água ou ar para ajudar a reduzir o apetite. O paciente precisa seguir uma dieta específica no começo, sendo os primeiros dias com apenas líquidos.

Quatro meses depois, Ana já havia eliminado 29 kg. Em um ano, o total de peso perdido chegou a 40 kg. “Precisei me conscientizar que a reeducação alimentar era minha única opção. Segui à risca as recomendações médicas. Comia apenas o que tinha no cardápio sugerido pela nutricionista. Às vezes que tentei furar, passei muito mal do estômago”, relata.

Durante o tratamento com o balão, Ana não fez atividades físicas – e emagreceu apenas com as mudanças que foram feitas na fase da reeducação alimentar . No entanto, essa não é uma prática recomenda pela empresária. Isso porque, se tivesse praticado exercícios, a flacidez da pele poderia ter sido evitada.

Após a perda de peso, é necessário mantê-la para evitar o efeito sanfona. Para isso, a empresária faz acompanhamento com nutricionista e médico do esporte. “Sigo o cardápio proposto e pratico muito esporte. Vou à academia seis vezes na semana e faço pole fitness de duas a quatro vezes na semana. O espelho é meu guia. Só me peso nas consultas”, ressalta.

Antes de colocar o balão, Ana fez uma avaliação física que detectou que ela estava com 45% de gordura corporal . “Logos após o procedimento, meu peso caiu drasticamente. Cheguei a pesar 55 kg, mas meu percentual de gordura ainda era alto: 30%. Agora, após quase três anos de musculação e dieta, peso 62 kg e apenas 16% disso é gordura”, aponta.

Depois de ter passado por diferentes estilos de alimentação, como low carb, dieta paleolítica e dieta intuitiva, hoje já não deixa de consumir o que tem vontade. “Posso me permitir comer alimentos que não fazem parte da minha dieta. Mesmo tendo intolerância à lactose e ao glúten, como chocolate, pizza e batata frita. Mas tem dia certo. Faço uma refeição livre por semana”, explica.

Paixão por atividades físicas e os resultados conquistados

Após vencer o efeito sanfona e conquistar o corpo desejado, Ana passou a amar os exercícios físicos, assim como seu marido
Arquivo pessoal
Após vencer o efeito sanfona e conquistar o corpo desejado, Ana passou a amar os exercícios físicos, assim como seu marido

Em seu perfil do Instagram, a empresária compartilha detalhes de sua história e diversas imagens em que aparece na academia e se exercitando.

O amor pelos exercícios físicos, no entanto, aconteceu anos após estar magra e se livrar do excesso de gordura corporal. O que contribuiu para isso foi seu marido ter enfrentado uma depressão profunda e, por conta disso, quase morrer.

O médico disse que a única coisa que poderia salvá-lo desse quadro depressivo era fazer atividades físicas, uma vez que os medicamentos tarja preta já não faziam mais efeito.

“Eu resolvi acompanhá-lo e tivemos outra reviravolta. Hoje, ele já não toma mais nenhum remédio. Foi incrível o que essa mudança de hábitos fez por nós. Somos mais dispostos, alegres e parecemos até mais jovens”, conta.

Ana ainda conta que muita gente lhe pergunta se ela fez cirurgia plástica após emagrecer, eliminar gordura corporal e, finalmente, se livrar do efeito sanfona. “Ainda não fiz nenhuma intervenção. Tenho flacidez, afinal, foram 40 kg eliminados. Mas a musculação aliada à dieta e tratamentos estéticos já estão me trazendo resultados incríveis”, garante.

Em uma publicação feita na rede social, ela comenta sobre os benefícios que sente em ter disciplina, dedicação e cuidados com a alimentação, aprendidos na reeducação alimentar. A prática de exercícios também mudou sua vida. “Mudar pode ser assustador, mas não podemos permitir que o medo nos impeça de progredir”, ressalta.

Por fim, após vencer o efeito sanfona , Ana afirma que bateu suas  metas de emagrecimento e estabelece seu novo objetivo: ser a melhor versão de si mesma e evoluir sempre com disciplina, constância e paciência. “Grandes mudanças não acontecem da noite para o dia, mas, definitivamente, só ocorrem com garra, persistência e dedicação”, aponta.