Tamanho do texto

Existem pontos positivos e negativos de praticar atividade física exposta ao sol, por isso, é importante ficar atenta a quais são os benefícios e malefícios

Com esse calorzão que está fazendo, tem muita gente que quer aproveitar o bom tempo para fazer exercícios ao ar livre, mas acaba desistindo por se sentir mais fadigado. Praticar atividade física em um local aberto pode trazer muitos benefícios, porém requer alguns cuidados para não tornar isso algo prejudicial para a saúde.

Leia também: Aquecimento: confira 3 exercícios que dão mais disposição e preparam o corpo

Antes de fazer exercícios ao ar livre é preciso tomar alguns cuidados como escolher o melhor horário para isso
shutterstock
Antes de fazer exercícios ao ar livre é preciso tomar alguns cuidados como escolher o melhor horário para isso


O professor de educação física da Anhanguera, unidade de Santo André, Rafael Ertner Castro, afirma que o verão é a época do ano que requer mais cuidado na hora de praticar uma atividade física – principalmente nos dias mais quentes. Isso porque, a unidade relativa do ar fica menor e se torna mais difícil fazer os exercícios ao ar livre .

“A umidade relativa do ar diminui principalmente no período entre 10h e 16h e isso pode acarretar em aumento da sudorese (transpiração), numa tentativa do organismo equilibrar a temperatura e a umidade da pele, além de ocasionar muita sede ao indivíduo que está praticando exercícios nessas circunstâncias”, explica o especialista.

Além disso, ele diz que o calor também pode ocasionar a sensação de que está mais difícil para respirar, ainda mais quando se está em movimento, pois o ar atmosférico está mais quente que o habitual e isso leva a um cansaço precoce. O professor explica que tudo isso acontece por dois motivos:

  • Primeiro porque a captação do oxigênio pelas vias aéreas se torna mais difícil pelo fato do ar estar mais quente, trazendo aquela sensação de que falta o ar durante o exercício;
  • Segundo porque durante o exercício físico, o corpo produz calor , porém a temperatura externa também está alta. Isso faz com que aumente a perda de líquidos através da transpiração, numa tentativa do organismo de equilibrar a temperatura corporal para evitar a hipertermia, o que faz com que o gasto energético também aumente.

Por outro lado, Rafael também ressalta que há benefícios em se exercitar ao ar livre. “Ficamos expostos à incidência dos raios solares, que é essencial na sintetização de vitamina D. Além disso, é muito mais agradável fazermos exercícios em ambientes arborizados, pois além de nos proporcionar um local mais fresco para nos exercitarmos, os sons da natureza diminuem o estresse e melhoram os níveis de concentração.”

Leia também: Frio combina com exercício, sim! Aproveite o clima para potencializar o treino

Outro fator positivo citado pelo profissional é a questão da socialização. Ao ar livre, é possível fazer várias atividades em grupo que vão desde caminhar com um amigo até praticar jogos desportivos em grandes grupos de pessoas. Também tem profissionais que oferecem aulas de danças e similares em locais abertos e isso é um incentivo para se exercitar.

Qual a melhor forma de fazer exercícios ao ar livre?

Há muitos benefícios de fazer exercícios físicos ao ar livre, mas é preciso se manter muito hidratado e com roupas leves
shutterstock
Há muitos benefícios de fazer exercícios físicos ao ar livre, mas é preciso se manter muito hidratado e com roupas leves


A melhor forma é balancear os benefícios e malefícios de fazer exercícios ao ar livre é tomar alguns cuidados antes e durante a atividade física  para não ter nenhum mal estar. A primeira dica de Rafael é escolher um bom horário do dia para praticar os exercícios.

“Os momentos mais indicados são o começo da manhã, o final da tarde e o início da noite. Nesses períodos, além de a umidade relativa do ar estar maior, a temperatura também está mais amena, gerando mais conforto durante a prática de exercícios físicos”, explica.

Leia também: 4 mitos sobre se exercitar ao ar livre que você precisa superar

Também é extremamente importante se manter hidratado antes, durante e depois de suar a camisa. “A principal forma de se reidratar é com água, em torno de 200 ml a cada 20 minutos durante o exercício. Porém, o uso de isotônicos também pode ser usado como estratégia – especialmente se a intensidade do exercício for mais alta. Além dessas opções, a água de coco também é excelente após a prática de exercícios físicos”, fala o professor.

A hidratação é importante porque é normal suar mais nos dias mais quentes. Segundo Rafael, o suor é um mecanismo de regulação da temperatura corporal, ou seja, quanto mais quente está o dia, maior será a transpiração. “Quando o indivíduo faz exercícios físicos no calor, ele irá transpirar em excesso para que a temperatura corporal diminua e, consequentemente, ele perderá água e sais minerais.”

Beber água está entre os hábitos saudáveis que a pessoa que querem fazer exercícios ao ar livre devem adotar
shutterstock
Beber água está entre os hábitos saudáveis que a pessoa que querem fazer exercícios ao ar livre devem adotar

Por isso, é um mito achar que a transpiração é um sinal de que você está queimando mais calorias. O que o corpo está perdendo através da transpiração são os líquidos corporais e isso faz com que o peso corporal diminua. “No entanto, ao se reidratar, o peso corporal volta ao normal. Se transpirar em excesso fosse sinal de grande queima calórica, bastaria as pessoas fazerem sauna para emagrecer”, alerta o profissional.

Para evitar a transpiração em excesso, é preciso evitar a prática de exercícios em horários em que o sol está mais quente, geralmente das 10h às 17h. Outra dica é apostar em roupas leves que permitam a transpiração, pois elas ajudam a resfriar a temperatura corporal. “Algo que deve ser levado em consideração, pois pode ser prejudicial à saúde, é que a prática de exercícios sem camiseta deve ser evitada", continua o profissional.

Leia também: Saiba por que praticar ioga em uma sala a 40ªC pode ser bom para o seu corpo

Rafael explica que ficar sem camisa durante a atividade física faz com que a transpiração aumente de forma exagerada e isso é potencializado ao fazer exercícios ao ar livre em dias que estão muito quentes.

“Em casos mais extremos, isso pode ocasionar tonturas, dor de cabeça, náuseas e taquicardias por conta da perda de sais minerais”, alerta o professor que acrescenta que, tomando todos os cuidados necessários, é possível aproveitar o clima quente para fazer exercícios ao ar livre .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.