Tamanho do texto

Como foco em levar o aluno à exaustão, a aula pode queimar até 500 calorias em apenas 30 minutos, dependendo do condicionamento físico da pessoa

Os treinos HIIT , treino intervalado de alta intensidade , estão cada vez mais populares por serem rápidos e promoverem grandes resultados. Recentemente, mais uma modalidade do “high intensity interval training” chegou ao Brasil, o GRIT, e essa aula promete levar os alunos ao limite.

É quase impossível não sair completamente suada de uma aula de GRIT, já que o objetivo dessa modalidade de HIIT, treino intervalado de alta intensidade, é justamente levar os alunos à exaustão, como explica Letícia Klimas, da Bio Ritmo
Shutterstock
É quase impossível não sair completamente suada de uma aula de GRIT, já que o objetivo dessa modalidade de HIIT, treino intervalado de alta intensidade, é justamente levar os alunos à exaustão, como explica Letícia Klimas, da Bio Ritmo

Com foco na perda de gordura, o GRIT pode resultar na queima de até 500 calorias em apenas 30 minutos, dependendo do condicionamento físico e da dedicação de cada aluno. Mas não para por aí, já que estudos indicam que a aula também contribui para a construção de massa muscular.

O recomendado é a pessoa fazer entre duas a três aulas deste treino intervaldo por semana, e a cada quinze dias o treino muda, passando pelo “Strenght”, com foco em força e que utiliza barras e anilhas, pelo “Cardio”, para agilidade e velocidade e realizado sem equipamentos, e pelo “Plyo”, focado em movimentos explosivos e que usa step e anilhas.

Idealizado pelos profissionais da Les Mills, gigante do mundo fitness, a aula busca levar os alunos ao limite, como explica Letícia Klimas, professora da rede de academias Bio Ritmo. “A ideia do treino é, sim, levar os alunos à exaustão, para que eles possam atingir a zona HIIT de treino e, assim, melhorar a capacidade respiratória, muscular e psicológica.”

É quase impossível não sair suado da aula, e, de acordo com Letícia, esse tipo de treino também faz o cérebro se adaptar a altas intensidades e suportar melhor os momentos de maior estímulo. Com a rotina, em apenas duas semanas o aluno já deve sentir melhora, porém isso não quer dizer que a aula fica mais fácil. “O que acontece é que ele suporta melhor esse tipo de estímulo.”

Como é uma aula de GRIT

Ter um profissional que te motiva ao longo do treino GRIT é essencial para completar a aula, que leva o aluno à exaustão
Shutterstock
Ter um profissional que te motiva ao longo do treino GRIT é essencial para completar a aula, que leva o aluno à exaustão

A convite da rede de academias Bio Ritmo, eu, repórter do Delas , fui testar uma aula de GRIT. A verdade é que eu só sabia que se tratava de um treino intervalado. Sabia que iria suar, mas não imaginava que suaria tanto.

Atualmente, faço musculação e corro ao menos três vezes por semana. Aos 26 anos, sinto que meu condicionamento está em uma de suas melhores fases. Entretanto, ao final dos 30 minutos de um treino “Plyo”, estava completamente “acabada”.

Em alguns momentos, após já ter feitos exercícios com step e com anilhas, eu realmente achei que não conseguiria mais seguir em frente e me manter na prancha abdominal, um dos últimos exercícios. É por esse motivo que sem um bom profissional ao seu lado, que está lá, entre outros motivos, para motivar os alunos, não dá para completar esse treino.

A vontade era de apenas parar, mas aí a professora também se colocou na posição de prancha e foi junto comigo terminar o exercício. Não tinha como desistir, mas até agora não sei como completei. No final de tudo, aquele sentimento bom de “consegui” – somado aos benefícios da endorfina, é claro.

O GRIT, assim como outros treino HIIT, porém, tem o objetivo de ser uma atividade para todas as pessoas, de todos os condicionamentos físicos. Mas como isso é possível?

No dia seguinte, percebi que quem havia exagerado um pouco também fui eu mesma. A aula é, sim, muito intensa, mas os exercícios podem ser adaptados às necessidades de cada aluno. Se não dá para fazer um agachamento seguido de um salto, por exemplo, o próprio professor avisa que é possível só fazer o agachamento, mas aí cabe ao aluno respeitar o próprio limite. 

Essa, inclusive, é a ideia que precisa ser levada para a aula pelo aluno: chegar ao próprio limite, não ao limite do professor ou de um colega.

Na tentativa de fazer o maior número de repetições, eu, que nunca havia feito um treino GRIT, acabei deixando a forma de execução dos exercícios de lado e forcei demais a lombar. O resultado veio no dia seguinte, com um pouco de dor. Nada demais, mas algo que não teria aconteceria caso eu tivesse sido mais paciente e prestado mais atenção aos movimentos.

Leia também: CXWORX: conheça a aula para definir os músculos do core

Dois dias depois, a convite da Cia Athletica, fui testar outra aula GRIT. Neste caso, a professora combinou um treino “Strenght” com um treino “Cardio”, e a aula foi realizada com a ajuda de barras na hora de executar agachamento. Como eu tenho um probleminha na cervical, é possível fazer sem peso ou barra, é só alertar ao profissional responsável.

Com maior consciência de como seria a aula, já fui mais preparada para evitar me machucar. Ao invés de apenas me empolgar com a música que é tocada durante todo o treino e com as motivações da professora, fiquei também atenta aos movimentos que deveriam ser feitos em cada exercício. Quando entendia o movimento certo, reproduzia, tomando cuidado para não forçar nada.

Neste dia, foram apenas 15 minutos de treino porque já cheguei na metade da aula, mas ainda assim deu para sentir o resultado dos agachamentos no dia seguinte – desta vez, uma dorzinha normal, que acontecesse mesmo depois de estímulos que o corpo não está acostumado.

Passadas as experiências, é certo que esse treino HIIT é ideal para quem busca ou precisa perder peso, já que não tem como não gastar energia. Por outro lado, é preciso gostar muito de treino com alta intensidade, já que quem prefere algo mais calmo, em que é possível se concentrar melhor nos movimentos e no corpo, pode não se adaptar tão bem à atividade. 

Observações dos especialistas sobre o GRIT

Caso o aluno tenha algum problema ou limitação, é essencial respeitar esse limite e alertar o professor da aula GRIT
Shutterstock
Caso o aluno tenha algum problema ou limitação, é essencial respeitar esse limite e alertar o professor da aula GRIT

Entre os cuidados que devem ser tomados ao realizar o treino GRIT está observar as opções de baixa intensidade dos exercícios e fazer realmente somente o que conseguir, experimentando o treino, como indica a profissional de educação física Letícia Klimas. “Depois, tentar aumentar a quantidade de repetições de cada um, assim como a velocidade e os pesos.”

A professora Marina Hohmann, da Cia Athletica, também alerta para a necessidade de respeitar os próprios limites na hora de realizar a aula. O que ela faz para evitar que seus alunos se machuquem é conversar um pouco com eles antes do treino, para saber quais as limitações de cada um, e aí ao longo da aula ela vai avisando como é possível adaptar.

Mas a pessoa também deve saber que o GRIT foi idealizado para realmente tirar cada um da própria “zona de conforto”. Segundo Letícia, é até por isso que a sequência de exercícios muda a cada quinze dias, para que o aluno passe pela adaptação ao treino e, depois, receba um novo estímulo. E em todas os treinos o aluno é levado à exaustão.

“Esse treino intervalado é para quem gosta de treinos curtos, intensos e que tragam resultados muito rápidos. O GRIT deixa o corpo mais rápido, mais forte, mais flexível e diminui muito a taxa de gordura”, explica Letícia. Mas vale lembrar, como alerta Marina, que apesar desse treino ajudar na construção de massa muscular ele não substitui a musculação ou outro treino de fortalecimento muscular.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.