Uma aula que promete fortalecer músculos importantes do nosso corpo e gerar gasto calórico ao mesmo tempo, favorecendo a definição muscular , seria um sonho? Quase isso, mas saiba que, apesar de já existir algo assim nas academias pelo Brasil, a chamada CXWORX exige bastante esforço físico dos alunos e comprometimento.

Leia também: Com reeducação alimentar, mulher perde 40kg e vibra: "Antes, eu era invisível"

undefined
Shutterstock
Corpo fica mais definido com o fortalecimento e gasto calórico promovido pela CXWORX, principalmente o abdômen

De acordo com Guilherme Pontes, professor de CXWORX na Bio Ritmo, o objetivo da aula que vem conquistando muita gente pelo mundo é fortalecer o core, o “centro do nosso corpo”. “São todos os músculos estabilizadores (que não geram movimento), os músculos que nos ajudam a nos movimentar e o que chamamos de alças musculares, composto de músculos que conectam os membros inferiores aos membros superiores através de transferência de força.”

Fortalecer estes músculos, segundo o profissional de Educação Física, é importante para termos um corpo mais preparado para atividades do dia a dia. “Um core forte e bem preparado também nos ajuda a prevenir lesões e nos prepara melhor para prática de esportes, seja como amador ou como um atleta de alta performance. O fortalecimento do core reflete diretamente no desempenho de qualquer prática esportiva ou atividade diária, pois o core é que faz transferência de força para os membros, melhorando o desempenho.”

E para quem busca resultados além dos retornos na saúde do corpo, com uma preocupação também estética, a aula ainda gera gasto calórico, já que os músculos utilizam energia para trabalhar. “E quanto mais forte os músculos, mais eles precisam de energia para trabalhar, aumentando assim a queima das calorias. Não é verdade que apenas atividades aeróbicas queimam calorias”, garante o profissional de Educação Física.

Ao gastar calorias, a pessoa diminui o percentual de gordura do corpo, com isso, os músculos entram em evidência. O corpo fica consequentemente mais definido, principalmente o abdômen, mas, como afirma Pontes, os glúteos também ficam torneados e ombros e costas definidos após a CXWORX.

Apenas não estava preparada

undefined
Shutterstock
Quem não é fã de prancha, assim como eu, já pode se preparar para enfrentar um sequência daquelas na aula

A convite da rede de academias Bio Ritmo, eu, repórter que assina esta reportagem, fui testar uma aula de CXWORX. Antes do treino de 30 minutos, eu imaginava que se tratava de uma aula focada no fortalecimento do abdômen e da lombar cujo o ritmo dos movimentos era dado por músicas que são tocadas – e realmente é isso, mas vai além, e para isso eu acredito que não estava preparada.

Sendo assim, vale lembrar que sempre que você for iniciar ou testar uma atividade física nova ou uma aula é importante saber bem do que se trata para saber se você pode ou vai conseguir participar da sequência de exercícios físicos.

Atualmente, eu mantenho treinos de musculação e corrida ao menos quatro vezes por semana, mas confesso que acabei faltando na academia nos dias que antecederam a CXWORX por conta de problemas do dia a dia, talvez um grande erro por conta daquelas famosas dores do dia seguinte.

Como eu já tenho o costume de trabalhar o abdômen e a lombar, até porque eu corro e é importante para isso, os exercícios focados nestes dois pontos eu consegui fazer com certa tranquilidade, mas já aviso que eles são intensos sim. Quem não é fã de prancha, assim como eu, já pode se preparar para enfrentar um sequência daquelas.

Mas, além das músicas em que trabalhamos o abdômen e a lombar, tinha também algumas reservadas para os glúteos, coxas e até a parte mais superior do tronco, queimando bem o ombro. E para isso eu não estava preparada mesmo. Se nas pernas eu consigo lidar bem, o ombro é meu ponto fraco. Depois de algumas horas que saí da aula, eu ainda sentia “pegar”.

Leia também: Treino HIIT é para mim? Saiba se você vai se dar bem na modalidade

O pós-aula também é bem “curioso”. São 30 minutos sem parar, mas diferentemente de treinos HIIT com a mesma duração, eu não saí de lá esgotada. Ao trabalhar o core, eu senti mais necessidade de força do que fôlego em si, e talvez por isso eu tenha saído de lá sem estar muito suada ou com a respiração ofegante.

Ao entrar no carro para ir embora, porém, senti que não foi tão “fácil” assim. Ombros, abdômen e coxas tremiam levemente sem parar. Foi possível sentir os reflexos do treino mesmo após o término da aula. Algo que eu, particularmente, acho bom.

Ah, e antes que eu me esqueça, vale a pena avisar que é importante ter ritmo e coordenação motora para acompanhar a aula. Os movimentos que os alunos fazem seguem o ritmo das músicas que estão sendo tocadas. Mas, além disso, também existem alguns movimentos com Rubber Band (aquele elástico com apoio para as mãos) e anilha, e aí tem de manter o foco para não se perder completamente. 

Nos dois dias seguintes, a surpresa: para quem estava imaginando que sentiria dor nos ombros por eles terem sido bastante estimulados na aula, nenhuma dificuldade para movimentar o braço, mas no abdômen... Confesso que em cada risada, espirro ou tosse que eu dei me "lembrei" da CXWORX pelas dores que eu senti – algo normal ao iniciar uma atividade nova. Sendo assim, não se empolgue se for testar uma aula dessas. Vai com calma, confia.

Mas qualquer pessoa pode fazer a CXWORX?


A CXWORX é uma aula de treinamento do core de 30 minutos pré-coreografada, como já foi dito anteriormente. Pontes conta que a empresa responsável pela criação da atividade, chamada Les Mills, localiza-se na Nova Zelândia – mas as ideias criadas lá se espalham pelo mundo todo.

“A cada três meses, é lançado um novo mix, com novas músicas e novas coreografias, desafiando cada vez mais os participantes. Os professores no Brasil recebem esses mixes e, com eles, podem variar as músicas, deixando os treinos mais fortes ou menos intensos, de acordo com cada turma. A estrutura da aula é sempre e mesma: são seis músicas com sequências de exercícios diferentes e testados para gerar resultados eficientes.

O professor afirma que, independentemente do nível de condicionamento da pessoa, é possível, sim, fazer a CXWORX. Mas um aluno iniciante precisa focar nas alternativas e níveis mais leves de intensidade oferecidos pelo professor. No meu caso, a pessoa responsável pela aula que testei até recomendou eu pegar mais leve, mas, como achei que conseguiria aguentar, investi em uma anilha maior, mais pesada. O resultado foram dores mais intensas no dia seguinte do que eu provavelmente sentiria caso tivesse ouvido o profissional.

Leia também: Muay thai é o "segredo" de Mariana Rios; conheça os benefícios da atividade

“Uma aula de CXWORX é repleta de movimentos intensos que podem ser feitos de maneira ‘alternativa’. O exercício não perde o foco e o objetivo, é eficiente, porém menos intenso. Por exemplo: uma prancha que apoiamos a ponta dos pés no chão pode ser feita com o apoio dos joelhos”, explica Pontes.

Mas há contraindicações: gestantes e pessoas com crise de dores nas articulações e, principalmente, na coluna não devem fazer a aula, já que ela gera fadiga no centro de força do corpo. Além disso, não é recomendado praticar atividades como suportar grandes cargas (agachamentos) ou exercícios que necessitam estabilização através do abdômen logo após a aula.

Se você é daquelas que não suporta os treinos de musculação, mas precisa fortalecer os músculos do core, esta pode ser uma boa alternativa, já que, além de rápida, a aula CXWORX é também muito dinâmica com todas as trocas de música. Além disso, como a gente precisa seguir o ritmo das melodias, fica mais fácil de controlar os movimentos e respiração, algo que às vezes passa despercebido na musculação. Só não dá para se esquecer dos outros músculos do corpo, aí não tem jeito mesmo, é continuar com um treino para estes pontos do corpo na musculação ou encontrar outra aula que possa fortalecê-los igualmente.

    Veja Também

      Mostrar mais