Como fazer um casamento gastando pouco

Noivas que deram festas com orçamentos a partir de R$ 12 mil dão as dicas para quem quer cerimônias bonitas e baratas

Fabiana Schiavon, especial para o iG São Paulo |

Noivos desde 2008, Thais Suzuki e Dalton Uehara decidiram em janeiro deste ano que casariam ainda em 2011. Como tinham acabado de fazer a reforma do apartamento, o desafio era armar uma festa com a verba curta. E o apoio veio na hora certa. “Meus amigos sabiam da minha situação, se propuseram a me ajudar e fazer o casamento como uma forma de presente”, conta Thais. Mas há muitas maneiras de tornar um casamento mais barato, sem deixar de ser bonito, bem servido e elegante.

Danilo Siqueira
Dalton e Thais: envolvimento dos amigos e opções inteligentes tornaram o casamento econômico, sem perder a elegância


No caso de Thais, os itens que mais pesam no orçamento da maioria dos noivos foram todos oferecidos ao casal como presentes. Uma amiga fez a assessoria do casamento. Outra, confeiteira, ficou a cargo do bolo e dos doces. Foto e vídeo foram assinados por amigos que trabalham na área. Thais fez a própria decoração, com ajuda de uma amiga da assessora.

Outra boa ideia foi fazer a festa fora de buffet. A deles foi em uma livraria – segundo Thais, uma grande sacada para economizar. “Fazer festa em restaurante sempre é mais barato do que fazer em buffet, porque eu não paguei o valor de aluguel do local, só o que seria servido”, explica. A noiva teve o cuidado de marcar a igreja com alguma antecedência e, em cinco meses, estava tudo pronto. Resultado: R$ 15 mil para uma festa de 60 convidados.

Leia também: Mini weddings: casamentos para menos de 100 são mais econômicos

A blogueira Fernanda Floret, autora do badalado Vestida de Noiva , vê muitas festas como a de Thais em blogs americanos. “A própria família e amigos se envolvem com a organização do casamento. Aquela tia que cozinha bem faz o bolo, amigas ajudam na decoração, lembrancinhas são feitas pela avó prendada. Além de economizar, as pessoas se sentem envolvidas e prestigiadas por ajudar no dia mais feliz do casal”, conta.

Cortar “gorduras”

A consultora de diagnóstico corporativo Tatiana Vergueiro Corovtchenco planejou uma festa para mais de 300 pessoas. Começou a organizar tudo em janeiro e a festa será no mesmo ano, no próximo dia 11. A primeira providência do casal foi perguntar aos amigos recém-casados do que eles mais se arrependiam. “Escutamos bastante, por exemplo, que o mais chato é ficar atrás da mesa de bolo tirando fotos. E só para decorar esse espaço, a média de gasto é de mil reais”, alerta Tatiana.

De família judia, Tatiana também pensou em poupar os custos da sinagoga. Reservou logo a data de um salão, onde faria também a cerimônia com o rabino. Pagou o aluguel para segurar a data e aguardou um dinheiro que receberia de uma venda para preparar o resto da festa. A verba chegou só em julho, mas valeu a pena. Ela negociou à vista tudo que pôde e com isso os valores caíram em média 30%. A conta final ficou em R$ 30 mil. A fórmula mágica? Não cair em modismos e eliminar as “gorduras” desnecessárias.

Por onde começar

Elenir Bernal Pedra de Lima Souza, especialista em finanças e criadora do blog Case Gastando Pouco , sugere aos casais partir do estudo do orçamento. “Deve-se sentar e verificar em detalhes o valor que se tem disponível, listando todas as despesas que se pretende ter com o casamento”, explica.

Ela recomenda fazer uma planilha de controle para acompanhar os gastos. Para economizar, a palavra-chave é pesquisa. Vale rodar a internet, em sites especializados e fóruns, e contar com indicação de amigos que já casaram. E, para fazer a verba render, também é preciso botar a mão na massa. Para seu casamento, Elenir fez até o próprio arranjo do cabelo. Com toda essa dedicação, uma festa que chegaria facilmente aos R$ 40 mil foi feita com metade do orçamento.

Rosa Gargioni
Tatiana Leskow perdeu o emprego antes do casamento. Ajustou as contas e fez a própria decoracao
Preparada para surpresas

A psicóloga Tatiana Leskow foi surpreendida logo que marcou o casamento. Um mês depois de tudo acertado, ela ficou desempregada. “A gente teve nove meses para planejar tudo, mas perdi o emprego e pensamos em gastar no máximo R$ 8 mil. Acabamos gastando R$ 12 mil”, conta. Como recomenda Elenir, Tatiana pesquisou muito para conseguir os melhores preços. Chegou a contratar uma assessoria, mas o fornecedor deu o cano e ela teve de fazer tudo sozinha. “Tirei algumas formalidades, que até deixam o casamento maçante, e coloquei muito a mão na massa”.

Ela mesma fez a decoração . Passou esses meses coletando garrafinhas de vidro que iriam enfeitar as mesas. Arrumou o local com a ajuda das amigas. “Apostamos na simplicidade e riqueza de detalhes. As pessoas ficaram impressionadas com o resultado”, conta. Para o vestido, Tatiana apostou em uma estilista nova e pagou mais barato pelo modelo. A festa foi na chácara da empresa de um amigo. “Fui atrás de um chef para fazer um buffet estilo finger foods, peguei uma autorização para que o próprio pastor fizesse o civil e dispensei o juiz”, conta.

Mas o que cortar?

Antes de decidir onde economizar é importante avaliar a importância da festa para os noivos. “É preciso saber priorizar. Uma boa festa sempre tem boa comida, boa bebida e boa música , então estes itens são importantes. No resto é possível poupar”, recomenda Fernanda Floret. Ela reforça a ideia de não cair em modismos que só encarecem a festa, como banner de entrada, carro personalizado ou mil lembrancinhas diferentes. O convite não precisar ser tão elaborado. Dá para fazer em casa ou escolher modelos mais simples.

Danilo Siqueira
Escolher um lugar que já tem uma decoração bonita, como Thais e Dalton, diminui os custos finais
Como a decoração é um dos elementos mais caros, escolher um local bonito e já mobiliado diminui bastante os custos. A lista de convidados também é uma variável importante na equação da economia. “Os gastos estão diretamente ligados ao número de convidados na festa. Hoje em dia muitos casais têm escolhido convidar realmente só amigos e familiares íntimos, aqueles que frequentam a sua casa”, conta Fernanda. A noiva Tatiana Corovtchenco, por exemplo, usou um critério de corte interessante: chamou apenas os amigos que ela viu há pelo menos seis meses.

A editora do site Casando Sem Grana , Sammia Ferreira, sugere focar os investimentos no que vai ficar depois da festa. “ Foto e vídeo são investimento. Podem ser mais caros por conta do equipamento, mas serão a recordação da festa”, diz.

E aproveite sua própria habilidade, a de amigos e de parentes para empregar materiais recicláveis e produzir a decoração e os convites. “Estou montando tudo na mão: convites, lembrancinhas, decoração. Minhas amigas que acompanham o blog já estão me dando coisas, como almofadas e outros objetos”. O objetivo de Sammia seria gastar R$ 6 mil em seu casamento, marcado para janeiro de 2012. Ela admite que deve chegar perto dos R$ 10 mil. Embora a quantia represente quase o dobro da ideia original, ainda é um orçamento invejável para todo mundo que ainda está às voltas com as contas depois de dizer o “sim”.

Leia também
Noivas conseguem diminuir custo da festa pela metade
Vale a pena contratar um assessor?

Leia tudo sobre: casamentogastarorçamentovalorplanejamentocasar gastando pouco

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG