“É mais fácil arrumar outro namorado que uma boa colocação profissional”, justifica Jackeline Batista, 35 anos

Elaine Vilela, empresária, 39 anos. “Fiquei noiva três vezes e a aliança foi me causando um pavor”
Edu Cesar / Fotoarena
Elaine Vilela, empresária, 39 anos. “Fiquei noiva três vezes e a aliança foi me causando um pavor”
Casar, ter filhos, cuidar do marido. Durante décadas este foi o único sonho possível para a maioria das mulheres. Mas agora elas podem escolher o que querem. E as mulheres que apostam na carreira e são bem-sucedidas parecem depender menos da felicidade romântica. “É mais fácil arrumar outro namorado que uma boa colocação profissional”, justifica Jackeline Batista, 35 anos, que atua na área de Comércio Exterior e é taxativa: “Meu trabalho é prioridade na minha vida”.

Leia também:
- Mudei de profissão para ganhar mais dinheiro

Para a empresária Elaine Vilela, 39 anos, o segredo é administrar o tempo conciliando trabalho e vida amorosa. “Amo minha carreira, mas isso não atrapalha a minha vida. Namoro há cinco anos e procuro ser flexível”, diz. Porém, quando o trabalho aperta não dá para dar aquela ‘escapadinha’. “Nem sempre consigo ver meu namorado com a freqüência que gostaria”, confessa Elaine.

Teste: Você está na profissão certa?

De acordo com Maria Cristina Pinto Gattai, professora do Departamento de Psicologia Social da PUC/SP, uma pesquisa realizada com 89.075 pessoas demonstrou que a participação das mulheres em cargos de chefia (presidência ou diretoria executiva) passou de 10,39% no período de 1996/1997 para 21,43% em 2009/2010. “Esses dados indicam que a busca pelo sucesso profissional têm aumentado”, analisa. E isso, segundo Maria Cristina, se deve ao aumento do grau de escolaridade feminino, além de sua inserção em profissões que antes eram exercidas somente por homens como, por exemplo, a construção civil.
Filhos? Nem pensar!

Leia: Elas saíram da pobreza e construíram impérios

De olho em promoções, cargos importantes, salários elevados, viagens e comando, casamento e maternidade acabam sendo deixados de lado. “Não quero ter filhos porque não tenho tempo disponível”, afirma Elaine. Essa é a mesma justificativa de Jackeline, que sempre esteve determinada a dedicar-se à profissão. “Minha mãe cobra um neto, mas eu não quero. O mundo está muito complicado e ter um filho é uma loteria. Posso sentir falta mais tarde de ter alguém para compartilhar, mas nada garante que não iria arrumar um problema”, comenta sem rodeios.

A psicóloga clínica Miriam Izabel alerta que tal decisão pode pesar ao longo dos anos. “A necessidade de ter alguém e ser cuidada pode dar lugar ao desejo de ser aplaudida, reconhecida, exaltada. Porém, numa determinada hora isso acaba e o vazio se instala de forma bastante acentuada”, alerta Miriam. Por isso, ao abrir mão dos padrões convencionais – família, marido, filhos – a mulher precisa estar bem determinada do que o futuro lhe reserva. “Há pessoas com um nível tão grande de resistência que podem acreditar serem imunes à necessidade de amor e calor humano”, diz a psicóloga.

Trabalho + marido + gravidez = felicidade?
Se para algumas mulheres é incompatível conciliar uma carreira bem sucedida com casamento e filhos, para a securitária Cícera Érica Araruna de Moraes Lourenço, 33 anos, este é o seu grande desafio. Ela, que atua como coordenadora em uma grande seguradora do País, é casada há oito meses e está curtindo o início da gravidez. E não concorda que é preciso escolher um ou outro. “Sempre quis ser reconhecida em meu trabalho, mas nunca pensei em abrir mão do casamento e da maternidade. Tudo isso me completa”, avalia.

Ela concorda que não é fácil encontrar um homem que entenda e aceite as conquistas femininas. “A mulher independente assusta os homens. Por isso, sempre busquei alguém que respeitasse minha carreira”, afirma. Cícera ganha mais que o marido e, mesmo quando chega em casa, após um dia corrido de trabalho, se surgir algum ‘pepino’ precisa se pendurar ao telefone e dar as coordenadas. “Ele não fica incomodado, porque sempre conversamos sobre isso. Não dá para viver sob pressão”, afirma.

Afinal, Cícera ainda arruma tempo para estudar. “Estou fazendo quatro cursos online de especialização”, conta. Para ela, todo este esforço traz resultados para toda a família. “O fato de o meu salário ser maior não cria nenhum mal-estar entre nós. Estamos casados e uma parceria de amor não tem divisões. A carteira é uma só”, dá o recado.

Se ela ganha mais, quem paga a conta?
O casamento pede união e o namoro pede romantismo. “Se ele me convida para sair, ele paga a conta”, defende Elaine. Para ela, o fato de ser bem-sucedida profissionalmente não significa ter de arcar com as despesas. “Se eu mostrar que posso tudo o tempo todo, perde a graça”, completa a empresária.

Mas, a melhor forma de evitar dissabores amorosos é escolher bem o seu parceiro. “A mulher bem sucedida torna-se mais exigente nos seus relacionamentos principalmente pelo fato de ter conquistado sua independência financeira”, afirma a professora Maria Cristina. E deve manter sempre o radar ligado. “O homem precisa ter a mesma característica empreendedora e ter as mesmas ambições”, diz Elaine.

Para a empresária, é fundamental que seu parceiro tenha condições de levá-la para jantar em um bom restaurante. “Se estou com alguém, cobro determinação. Não posso conviver com um homem acomodado”, afirma Jackeline. A única coisa que os homens devem evitar é tentar prender essas mulheres com uma aliança. “Hoje estou namorando e feliz. Mas já fui noiva. Só de pensar em buffet, vestido e afins, surtei. A aliança só durou três meses no meu dedo”, diverte-se Jackeline.

O mesmo aconteceu com Elaine. “Fiquei noiva três vezes e a aliança foi me causando um pavor”, conta aos risos. Segundo ela, só de pensar nessa situação de rotina, ela já se apavora. “É muito gostoso beijar, namorar, receber carinho. Por isso, não concordo que pelo trabalho vale a pena se isolar. É preciso de um pouquinho de cada, independentemente do que seja a prioridade, para ser feliz”, finaliza a empresária.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.