Mensagens de celular deixam a comunicação mais fácil, mas também geram aborrecimentos e confusões. Saiba evitá-los

Se a referência forem as regras de etiqueta de alguns anos atrás, nunca fomos tão sociáveis e ativos nos relacionamentos e ao mesmo tempo tão mal educados, aponta consultora de etiqueta
Thinkstock/Getty Images
Se a referência forem as regras de etiqueta de alguns anos atrás, nunca fomos tão sociáveis e ativos nos relacionamentos e ao mesmo tempo tão mal educados, aponta consultora de etiqueta

Metade dos usuários de smartphones acredita que a vida social seria muito pior sem eles, apontou uma recente pesquisa feita pela Intel – fabricante mundial de microprocessadores. De fato, a proliferação de aplicativos de envio de mensagens deixou a comunicação mais fácil, rápida e informal. O problema é quando essa facilidade em sair por aí disparando ideias gera confusão e aborrecimento.

“Estes aplicativos permitem que os usuários sejam cada vez mais rápidos e ativos nas suas interações, o que é fantástico. Mas, junto com essas possibilidades, os riscos de interações malsucedidas e com prejuízos à imagem pessoal aumentaram na proporção das facilidades que promoveram”, aponta a consultora de imagem e etiqueta profissional Lícia Egger.

Para ela, se usarmos como referência as regras de etiqueta de alguns anos atrás, nunca fomos tão antenados, sociáveis e ativos nos nossos relacionamentos e ao mesmo tempo tão mal educados. Segundo essas regras de etiqueta, aponta ela, passamos o dia cometendo gafes.

“Muitas das regras de sociabilidade da vida presencial, antes da era da mobilidade, não dão conta de atender às necessidades desses novos tempos. Hoje estamos vivendo um momento de adaptação entre o que é ser educado e o que pode ser adaptado”.

Faça o teste e descubra se você é uma pessoa educada

No quesito falta de noção, Lícia conta que já viu de tudo: o pai de uma noiva, no altar, mandar torpedo para um amigo, pessoas mexendo no celular em enterros, na hora das orações e com o caixão baixando ao solo e presidentes de empresa digitando enquanto seus diretores estão falando, ou o contrário.

“De modo geral, situações especiais familiares e das empresas não são adequadas para enviar torpedos”, aponta a especialista.

Veja a seguir as orientações da consultora para não errar na hora de mandar mensagens pelo celular:

Educação

É extremamente indelicado ler ou mandar mensagens pelo celular quando se está interagindo com uma ou mais pessoas em situações sociais ou profissionais. Da mesma forma, ficar trocando mensagens à mesa, durante uma refeição acompanhada de outras pessoas, é muito indelicado, ainda que sejam familiares ou amigos íntimos.

Mandar mensagens pelo celular quando na companhia de amigos é uma gafe sim
Thinkstock/Getty Images
Mandar mensagens pelo celular quando na companhia de amigos é uma gafe sim

Caso seja impossível, avise que precisa enviar uma mensagem, digite o mais rápido possível e guarde o aparelho. “É preciso lembrar que não somos multitarefas e que precisamos prestar atenção ao que as pessoas estão falando”, diz Lícia.

Mensagem ou e-mail?

Torpedos, aplicativos de mensagens e chats diferem do e-mail porque devem, necessariamente, ser resumidos. Mesmo assim, é preciso deixar claro o que se quer comunicar. Abreviar palavras ou não prestar atenção ao que foi escrito é um risco para a imagem de quem escreve. Precisa escrever mais? Esqueça a mensagem e mande um e-mail.

Autocompletar

Ao escrever uma mensagem é bom lembrar os cuidados com o que se escreve e como se escreve. Correção e precisão no uso e no significado das palavras são fundamentais. Portanto, o mais prudente a fazer é desativar a função que permite ao aparelho completar automaticamente a palavra após a digitação das primeiras letras. O recurso, apesar de prático, pode ser um perigo para quem digita com pressa e não costuma reler com atenção o que escreveu antes de enviar a mensagem. Isso porque o software por vezes escolhe palavras totalmente fora de contexto, mudando o sentido da frase e gerando situações embaraçosas, tanto para quem envia quanto para quem recebe a mensagem.

Cabeça fria

Está furioso com alguém? Jamais ceda à tentação de enviar uma mensagem para o alvo da ira quando está com a cabeça quente. Por mais que você julgue correto dizer o que está sentindo, tenha em mente que pode se arrepender amargamente do que escreveu e enviou sem pensar.

“Muitas vezes as pessoas escrevem corretamente, são objetivas, mas fazem uso dessas ferramentas em momentos de forte emoção. Em geral, o resultado é arrependimento, mágoa e desgastes nos relacionamentos”, diz Lícia.

Smile para o chefe não

Chefe é chefe e deve ser tratado como tal. A formalidade é sempre boa e passa, em geral, bem longe, por exemplo, dos emoticons – caracteres tipográficos ou imagens animadas que traduzem expressões faciais ou o estado de espírito de quem os envia.

Por outro lado, abreviações como: hj, hs, abs, cel e fone, entre outras, não são ruins, pois reduzem o tempo empregado no texto da mensagem e agilizam a troca de informações.

Alertas

Em reuniões ou na presença de clientes, se for possível, o correto é sempre deixar o smartphone no modo de vibração. Caso não seja possível o melhor é reduzir ao máximo o volume dos alertas de mensagem. O uso de alertas customizados é sempre um risco se a escolha não for acertada. Os toques padrão de modo geral, são os mais adequados para todas as situações.

Um longo ou vários curtos?

Concentrar a mensagem toda em apenas um envio facilita a leitura e evita que quem recebe seja importunado por diversos alertas seguidos. Se precisar dividir o texto, limite-se a, no máximo, três envios. Se precisar escrever mais, mande um e-mail.

No cinema: luz do celular incomoda e tira a atenção de quem está assistindo ao filme
Thinkstock/Getty Images
No cinema: luz do celular incomoda e tira a atenção de quem está assistindo ao filme

No cinema ou no teatro

Usar o celular no cinema, teatro ou em palestras é e sempre será uma gafe. Se a troca de mensagens for inadiável, tente diminuir o brilho da tela e proteger o celular para a luz não incomodar quem esta ao redor.

Na madrugada

Você é do tipo que usa o torpedo como recurso para contatar alguém sempre que fica constrangido de ligar em horários impróprios? Ao menos que o receptor da mensagem tenha autorizado o contato tarde da noite ou cedo da manhã, você está sendo indelicado.

“Isso funciona para os muito íntimos, ou em casos muito urgentes. Caso contrário é uma grande gafe”, diz Lícia.

Olho no olho

Assuntos graves ou de grande importância não devem ser discutidos pelo telefone. Mensagem então, nem pensar. Nesses casos, orienta Lícia, o melhor é encontrar com a pessoa para discutir o assunto.

Resposta imediata

Não é muito educado deixar uma mensagem sem resposta. Em algumas circunstâncias, entretanto, não é necessário que se responda um torpedo. Por exemplo: se você está esperando alguém que está atrasado para um encontro e a pessoa avisa isso por mensagem, um “Ok” dá conta de avisar que você recebeu a informação. Mensagens como “estou chegando” não precisam de resposta.

Símbolos e sinais gráficos

O cuidado para não parecer grosseiro deve se estender também ao uso de símbolos, tais como interrogações repetidas (?????), exclamações (!!!!!) ou palavras em maiúscula (POR QUÊ?). “O que se coloca graficamente tem significados que vão além do que está registrado”, explica Lícia.

Veja abaixo alguns deslizes da etiqueta do dia a dia:


Leia mais sobre comportamento

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.