Em passagem pelo Brasil, Roman Krznaric, um dos fundadores da School of Life, recomenda abandonar o “eu” e assumir o “nós”

Você já se perguntou, no meio da sua jornada de trabalho, “o que eu estou fazendo aqui”? Bem, você não é único. Há uma epidemia de insatisfação com o trabalho se espalhando pelo mundo e ela já chegou ao Brasil. É o que afirma Roman Krznaric, filósofo australiano e um dos fundadores da School of Life, espaço dedicado a cursos focados em informação para qualidade de vida. Roman está no Brasil representando a escola em duas palestras. No último domingo, falou ao público que lotou o Teatro Augusta, em São Paulo. Amanhã estará no Rio, no Teatro Tom Jobim.

“As pessoas estão questionando qual o seu propósito de vida e, assim, repensando o significado do trabalho”, diz Roman, que também é autor de “Como Encontrar o Trabalho da sua Vida” (Editora Objetiva) e está no Brasil para lançar seu segundo título, “Sobre a Arte de Viver” (Editora Zahar).

Roman Krznaric durante palestra em São Paulo: trabalho e felicidade podem andar juntos. Mas é preciso correr riscos
Dália Gabanyi
Roman Krznaric durante palestra em São Paulo: trabalho e felicidade podem andar juntos. Mas é preciso correr riscos


Converse com um estranho todos os dias pelo resto da sua vida. A curiosidade por alguém que não conhece é uma das formas mais poderosas de abrir a mente

O materialismo já não é mais suficiente. “É uma escada sem fim. Ganhamos dinheiro, compramos, a nossa felicidade cresce um pouco e rapidamente cai. Logo, esse ciclo se repete sistematicamente”.

Se nos últimos 20 anos a carga horária aumentou significativamente, o dia de alguém que está insatisfeito no emprego será tomado de frustrações. “O problema é que as pessoas têm uma ideia muito errada do que lhes traz felicidade no trabalho. Elas tendem a pensar que ganhar mais dinheiro e galgar posições mais altas fará com que sejam mais felizes”, Roman observa.

Faça o teste: está na hora de mudar de emprego?

Mas o que realmente importa, explica o filósofo, é a qualidade das relações, autonomia, liberdade e respeito. “Essas coisas são essenciais no ambiente de trabalho. Você pode ganhar mais dinheiro, mas se sentir que ninguém lhe nota, se não tiver amigos no trabalho, você será infeliz.”

"Fluir" é a palavra-chave para se ter mais prazer na vida profissional. Ao estar presente, desfrutando os momentos, as horas passarão sem você perceber. Mas não é fácil atingir este estado. Muitas vezes, para chegar lá é preciso enfrentar desafios e sair da zona de conforto. “Temos que enlouquecer de vez em quando”, recomenda.

Roman deixou um emprego como professor de universidade para virar jardineiro. Foi quando percebeu que sentia falta de reconhecimento
Kate Raworth
Roman deixou um emprego como professor de universidade para virar jardineiro. Foi quando percebeu que sentia falta de reconhecimento

De joelhos na terra

Não existe emprego perfeito à sua espera lá fora. É tolice achar que acontecerá um milagre. Arriscar-se vale mais a pena, mas não é garantia de sucesso imediato. A história do australiano é prova disso.

Deixar a cadeira de professor universitário para se tornar jardineiro foi bastante libertador (ele também se aventurou como jornalista, carpinteiro e técnico de tênis). Enlouquecido com a burocracia da universidade, Roman pensou que o contato com a terra traria paz para sua vida. No entanto, as coisas não saíram como ele imaginava.

“Achava muito estranho que as pessoas passavam reto por mim quando me viam de joelhos mexendo na terra. Era como se eu fosse uma árvore ou uma pedra. Então percebi que precisava do respeito das pessoas ou me sentiria sem valor. Mas não sabia disso até passar pela experiência”, recorda.

Os pedestres que o ignoraram não souberam se colocar no lugar do jardineiro. Esse é o princípio básico da empatia, um dos conceitos que ele defende para atingir a felicidade no trabalho.

“Para ser um líder, tem que se colocar no lugar dos trabalhadores. Para ter um bom time, é preciso que um entenda o outro. Se não houver cooperação, não funciona. Competição não é suficiente. A cooperação não só faz as pessoas aprenderem a trabalhar juntas, mas também traz criatividade e inovação”, pontua.

Sair de si

No século 21, o individualismo ficou para trás. Roman propõe uma nova ordem mundial: a “outrospecção”, ou a capacidade de sairmos de nós mesmos, em oposição ao mergulho em si mêsmo definido pela introspecção. “Ficamos obcecados para olhar para dentro, para descobrir o que queremos de nossas vidas. Quando na verdade devemos descobrir quem somos a partir do contato com outras pessoas”, diz.

Não importa mais deixar uma marca na história, o que realmente faz a diferença é trabalhar por uma “causa que transcenda” o indivíduo para o coletivo. “Temos que trabalhar por algo maior, pois só para si mesmo não é suficiente. Tudo bem no curto prazo, mas em longo prazo não trará felicidade”.

Para ele, o mundo corporativo começa a entender a importância da cooperação. “O homem era visto como individualista em sua natureza. Sim, nós somos isso. Mas também somos criaturas empáticas, os neurocientistas já comprovaram isso”. 98% das pessoas têm habilidade para criar empatia e colocar-se no lugar de outra pessoa, a fim de entender os pensamentos, sentimentos e experiências do outro.

É a empatia que faz as relações darem certo em casa, no trabalho ou em qualquer lugar. O sentimento é tema do próximo livro do filósofo, com lançamento previsto para o início do ano que vem na Europa. “É a cola social que une tudo”, acredita Roman. Contudo, para o filósofo, vivemos em uma era de déficit de empatia. Um dos fatores para isso é a tecnologia, capaz de tornar as relações mais enfraquecidas e as amizades mais superficiais.

É por isso que Roman luta para a criação do Museu da Empatia, um lugar totalmente experimental para mudar esta cultura. Lá, as pessoas sairão de seus casulos para descobrir o outro e a si mesmos. Perguntado se tinha um conselho prático, Roman recomenda que as pessoas abandonem o “eu” e assumam o “nós”, tanto na vida pessoal quanto na profissional. “Converse com um estranho todos os dias pelo resto da sua vida. A curiosidade por alguém que não conhece é uma das formas mais poderosas de abrir a mente.”

Leia também
10 comportamentos insuportáveis no trabalho
Como a internet pode ajudar você a arrumar emprego


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.