Pesquisa mostra que jeito de falar parecido aumenta em até quatro vezes a chance de um relacionamento dar certo

O estudo foi recentemente publicado no jornal Psychological Science
Getty Images
O estudo foi recentemente publicado no jornal Psychological Science
Na próxima vez que for a um primeiro encontro, não se preocupe com critérios como interesses comuns e química. O que realmente importa, segundo uma nova pesquisa, é se os estilos de linguagem entre os pretendentes são compatíveis. E como aumentar as chances disso? Bom, nesse caso é como a química: ou está lá, ou não está.

Testes do Delas:
Seu estilo de comunicação é eficiênte?
Como você escolhe seu par?


Para analisar o estilo de linguagem das pessoas, os pesquisadores analisaram o uso de pronomes como “eu”, “dele”, “deles”; artigos como “um” ou “o”; preposições como “dentro” e “embaixo”; e advérbios como “muito” e “pouco”.

As pessoas geralmente não prestam atenção nesses termos, mas se a comunicação estiver em sincronia com a de outra pessoa, é possível que saiam muitas faíscas, como disse o autor da pesquisa, James Pennebaker, da Universidade do Texas. Ele e seus colegas avaliaram o estilo de linguagem de 40 homens e 40 mulheres que fizeram “speed dating”. E eles tendiam a selecionar os parceiros com linguagem semelhante à sua.

Em um segundo estudo, a equipe de Pennebaker observou as mensagens de texto enviadas por 86 casais e descobriu que a compatibilidade da linguagem importa ali também. Os participantes tinham em media 19 anos, estavam juntos há pelo menos seis meses e viviam, na maioria dos casos, em cidades diferentes. “Formam um ótimo grupo de estudos porque têm relacionamentos instáveis”, diz o autor do levantamento. “Descobrimos que se as mensagens eram altamente compatíveis, maior seria a chance de o casal estar junto nos próximos três meses”, completa. Aqueles com a maior compatibilidade têm até 50% mais chance de dar certo.

Alguns experts em relacionamentos dizem que, quando as pessoas se sentem atraídas por outra, começam a falar como ela. Outros acreditam que é alguém falar como você que desperta a atração. Talvez seja um pouco de cada, segundo Pennebaker. Ele acha que prestar atenção no pretendente também contribui.

Jeffrey Hancock, professor de comunicação da Universidade de Cornell, diz que a pesquisa ajuda a reduzir o nervosismo do primeiro encontro, porque não é possível dar instruções para combinar o estilo de linguagem com o de outra pessoa. Nesse caso, o melhor conselho é o “seja você mesmo”.
Também é importante ser compreensivo com você mesmo. “Se você interagir da mesma forma que outra pessoa, se sairá bem. Se não der, não é sua culpa”, diz Hancock. Ele também acha que prestar atenção no outro conta pontos e que o estilo de linguagem vem naturalmente.

O novo estudo mostra que “as palavras que usamos na interação diária estão relacionadas com o sucesso dos relacionamentos, se eles progridem do encontro casual para um a vivência romântica e como serão resolvidos os conflitos”, segundo Rachel Simmons, doutora em psicologia no Hospital Presbiteriano de Nova York. No seu próprio estudo, ela descobriu que os casais que usam mais os termos “eu” e “nós” resolvem problemas melhor que aqueles que usam palavras como “você”. Ela também acredita que a compatibilidade de linguagem funciona em duas vias. “Quanto mais uma pessoa combina com sua fala e padrões de comportamento, mais você gosta dela. E quanto mais você gosta dela, mais combina com seu comportamento e fala”, diz. 

Leia também:
Quando começa a traição?
Meu sexo é normal? Perguntas respondidas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.