Nova campanha da Lacoste é criticada por falta de artistas periféricos
Reprodução/Lacoste Brasil
Nova campanha da Lacoste é criticada por falta de artistas periféricos


Em nova campanha publicitária, a Lacoste convidou os artistas Jão e João Guilherme, a modelo Pretta Mesmo e a empresária Helena Bordon. A marca promove o clássico em união com o moderno e com toques de brasilidade. Mas a campanha gerou críticas por parte de movimentos do funk e do rap, que exaltam a marca em letras de músicas. 


Segundo artistas e ativistas de movimentos periféricos, a marca não respeitou os artistas que exaltam as marcas em letras de músicas. "A única marca que não toma conhecimento da grandeza dos artistas de favela, é a Lacoste. A Tommy patrocina o MC Hariel, a Adidas patrocina um monte de artista, a Nike também e por aí vai", disse o diretor de clipes Lucas Zetre, em publicação no Twitter. 


Em entrevista para o UOL Economia, o diretor do Data Popular, Renato Meirelles, disse que marcas de grife não gostam de clientes mais pobres e diversas já buscaram orientações de como desvencilhar a imagem de artistas periféricos. “Boa parte das marcas tem vergonha de seus clientes mais pobres. São marcas que historicamente foram posicionadas para a elite e o consumidor que compra exclusividade pode não estar muito feliz com essa democratização do consumo”, diz Renato, sem citar quais marcas. 

Diversas marcas de grife no funk e hip hop são citadas. Nomes como Nike, Adidas, Red Bull, Lacost, Red Label e Chandon são citadas nas letras de rappers e funkeiros, ganhando publicidade gratuita. Uma das críticas é chamar o ator João Guilherme, que é branco, para a propaganda. 

Você viu?




Veja outras críticas à marca:





    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários