Tamanho do texto

Norte-americana Kayla Edwards, de 27 anos, conseguiu realizar o sonho de ser mãe após cirurgia e de três tentativas de transferência de embriões

Women's Health

Casal
Reprodução/Facebook
Kayla Edwards é um caso raro de mulher sem útero que conseguiu engravidar após transplante

A medicina e seus avanços estão cada vez mais beneficiando a reprodução humana. Dessa vez, uma mulher sem útero que conseguiu engravidar após passar por um transplante raro.

Leia também: Mãe de cinco faz transplante de útero para ajudar desconhecida a engravidar

Kayla Edwards, de 27 anos, descobriu aos 16 anos que era uma mulher sem útero por ter nascido sem um sistema reprodutivo e, por isso, não poderia conceber um bebê, segundo relatou o canal norte-americano WFAA.

Em 2017, contudo, a vida da mulher começou a mudar. Após um ano de espera por uma doadora, ela passou por um  transplante raro e recebeu um novo útero no hospital Baylor University Medical Center, no Texas (EUA).

Três meses depois da cirurgia, os médicos fizeram a transferência de embriões, mas não tiveram sucesso. Depois de mais duas tentativas, o quarto transplante finalmente deu certo e Kayla conseguiu engravidar.

Gravidez após transplante de útero ainda é algo raro

imagem de ultrassom
Reprodução/Facebook
Ultrassom de Kayla Edwards


De acordo com a clínica médica, só duas mulheres, até o momento, deram à luz crianças após serem submetidas a transplantes uterinos . Há cinco casos, incluindo Kayla, que resultaram em gravidez após o transplante.

Leia também: Mãe com transplante de útero feito por robôs tem parto saudável e médico celebra

Kayla nasceu com uma rara malformação congênita conhecida como Síndrome de Rokitansky, ou MRKH (Mayer Rokitansky Küster Hauser). Trata-se de uma condição na qual órgão do aparelho reprodutor como o útero estão subdesenvolvidos ou completamente ausentes.

Leia também: "Meu filho é um milagre": jovem dá à luz após ter amostras do ovário congeladas

Vale ressaltar que uma mulher sem útero terá ovários em funcionamento normal e os sinais normais da puberdade. Contudo, não terá menstruações nem poderá engravidar. Segundo a WFAA, acredita-se que esta condição afeta um em cada 4.500 nascimentos femininos em todo o mundo.

    Leia tudo sobre: gravidez