Tamanho do texto

Mais de 60% dos leitores do Delas acreditam que as crianças não devem ter contato com bonecos com representações reais das genitálias; para psicóloga, naturalizar o corpo humano é importante para o desenvolvimento

Brinquedos para crianças podem ser mais polêmicos do que se imagina. Na última semana, o pai norte-americano  Raynell Miller compartilhou em seu perfil do Facebook um relato sobre a surpresa que sentiu ao receber em casa dois bonecos que havia comprado de presente para a sua filha. Tudo pelo fato dos brinquedos terem genitálias realistas.

Pai compra brinquedos para crianças com genitálias realistas, mas impede filha de brincar por considerar inadequado
Reprodução/Facebook
Pai compra brinquedos para crianças com genitálias realistas, mas impede filha de brincar por considerar inadequado

Raynell ficou chocado com as representações realistas de pênis e vagina e com a possibilidade da filha brincar com os bonecos. Para ele, a filha não deveria ter contato com bonecos como esses. “Onde o mundo vai parar fazendo brinquedos para crianças com genitálias realistas?” escreve o pai. Diante do relato do pai, uma série de pessoas manifestação sua opinião e os bonecos com genitálias realistas dividiu a opinião de pais e educadores.

A polêmica foi tanta que o Delas fez uma enquete para saber a opinião dos nossos leitores e leitoras. Nós perguntamos “Você acha que as crianças devem brincar com bonecos com genitálias realistas?” e recebemos mais de 4 mil respostas. Para mais de 60% das pessoas, as crianças não devem ter contato com esse tipo de brinquedo. Enquanto isso, 33% acreditam que não há problema algum.

Para ir além, conversamos com uma profissional que tem conhecimento sobre desenvolvimento infantil para entender se as representações realistas podem ou não ser um problema para as crianças.

Para Deborah Moss, neuropsicóloga e mestre em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela USP, o pênis e a vagina são como qualquer outro órgão do corpo humano e, por isso, devem ser representados sem problema algum. ”Acredito que a presença de órgãos genitais nos bonecos é algo que não teria de ser questionado”, fala.

Uma das principais preocupações dos pais em relação aos bonecos são o contato e o conhecimento da genitália do sexo oposto. Para muitas pessoas, os órgãos estão associados à sexualidade, o que julgam ser um tema inapropriado para determinadas idades. No entanto, Deborah tranquiliza os responsáveis e fala sobre a necessidade de naturalizar essa representação realista. “Estamos falando de corpo humano e não de gênero e nem sexualidade ”, diz.

Brinquedos para crianças e as diferenças entre meninas e meninos

Brinquedos para crianças podem ser porta de entrada para conversar com sobre as diferenças entre meninas e meninos
Pexels
Brinquedos para crianças podem ser porta de entrada para conversar com sobre as diferenças entre meninas e meninos

Os bonecos realistas abrem a chance de  conversar com os filhos sobre as diferenças entre meninas e meninos, o que, segundo Deborah, é importante para o desenvolvimento deles. A psicóloga explica que quando as crianças são muito pequenas elas ainda são se deram conta das diferenças, pois estão em uma fase muito voltadas para si. Porém, conforme vão crescendo, começam a ter contato com o outro e perceber que ele é diferente.

“O outro se difere porque tem o cabelo, a cor do olho, o tamanho e os órgãos sexuais diferentes”, fala. Quando começam a perceber as diferenças entre meninas e meninos, os questionamentos, que são inerentes ao desenvolvimento e a percepção do outro, começam. Segundo Deborah, é o deslocamento de si. “É o momento em que conseguem olhar à volta e o mundo fica muito mais amplo”, comenta.

E como saber quando é a hora de falar sobre isso com as crianças? “A conversa precisa ser espontânea, vindo da criança. É ela que traz essa conversa e esse tema quando apresenta questionamentos em relação ao seu corpo e sobre a percepção do corpo do outro”, fala Deborah.

Conforme os questionamentos forem surgindo, a psicóloga orienta os pais adaptarem a abordagem de acordo com a faixa etária e a capacidade de apropriação da criança. A profissional finaliza dizendo que o fato de o boneco ser menino ou menina vai ao encontro das diferenças entre homens e mulheres na realidade do corpo. Desse modo, para ela, esses brinquedos para crianças com pênis e vagina podem, sim, ser positivos para o processo de aprendizagem e reconhecimento do outro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas