Tamanho do texto

Estudo aplicou testes em mais de cinco mil crianças e concluiu que aquelas cujas mães beberam durante a amamentação tinham menos habilidades de percepção, atenção e motoras do que aquelas cujas mães não tinham bebido

Não é nenhuma novidade que beber e fumar durante a gravidez e em época de amamentação pode ser prejudicial para o bebê. Entretanto, um novo estudo decidiu medir como o consumo de álcool e cigarros nesse dois momentos afetam as habilidades cognitivas, isto é, de percepção, atenção e motoras, dos bebês - inclusive no longo prazo.

Prejuízos causados por conta do consumo de álcool da mãe durante amamentação seriam perceptíveis aos seis anos
shutterstock
Prejuízos causados por conta do consumo de álcool da mãe durante amamentação seriam perceptíveis aos seis anos


A pesquisa, realizada pela Universidade de Macquarie, na Austrália, e publicada pelo periódico especializado em pediatria “Pediatrics”, avaliou e acompanhou 5.107 crianças desde 2004 - elas eram examinadas a cada dois anos até completarem 11 anos de idade. Suas mães também foram entrevistadas sobre seus hábitos de consumo de álcool e cigarro  durante a gestação e a amamentação dos filhos. Houve, ainda, um grupo de controle de mães e crianças que não passaram pelo momento da amamentação, por algum motivo - mulheres que não podiam amamentar, casos de filhos adotivos, etc.

Nas avaliações das crianças, eram aplicados testes pelos cientistas que mediam seu vocabulário, raciocínio não cognitivo, habilidades de leitura e com números, e outros processos motores e de percepção. Com isso, elas eram “pontuadas” segundo seu desempenho nesses testes e os resultados eram comparados entre crianças de mesma faixa etária.

Conclusões do consumo de álcool e cigarros na amamentação

Além do consumo de álcool, estudo analisou os efeitos de fumar na amamentação, mas não teve resultados conclusivos
shutterstock
Além do consumo de álcool, estudo analisou os efeitos de fumar na amamentação, mas não teve resultados conclusivos


Segundo a pesquisa, os efeitos disso foram perceptíveis principalmente quando as crianças chegavam nos seis anos, momento em que começa o processo de alfabetização. Quanto mais álcool as mães haviam consumido durante a amamentação, piores eram as habilidades cognitivas das crianças nessa idade. Os resultados independiam dos hábitos de bebida da mãe antes de engravidar, do sexo da criança, idade da mãe, peso de nascimento e tempo de amamentação.

Com relação ao fumo, entretanto, o estudo não conseguiu obter resultados conclusivos, mas os pesquisadores reforçam que já existem evidências suficientes sobre os  malefícios do cigarro para a saúde do bebê, ainda que não impacte suas habilidades cognitivas diretamente.

Apesar de a Organização Mundial da Saúde recomendar evitar o consumo de álcool e drogas durante a amamentação, levantamentos distindos, entrevistando mulheres de diversos países, mostraram que de 12 a 83% das mães já beberam ou bebem durante a amamentação. Bem como sete a 16% admitiram já ter fumado ou fumar cigarro no mesmo período.

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.