Tamanho do texto

Pesquisa revela que mulheres brasileiras ainda sofrem dificuldades na carreira por conta da possibilidade de engravidar e ter de cuidar dos filhos

Quase metade das mulheres brasileiras já sentiram que foram rejeitadas para uma vaga de emprego porque são mães ou estavam grávidas . O dado foi revelado por uma pesquisa sobre maternidade que ouviu a opinião de mil mulheres a partir dos 18 anos de diferentes classes sociais e regiões do Brasil.

Leia também: A licença está acabando? Confira dicas de como voltar ao trabalho

Estudo mostra também que 37% das mulheres brasileiras já sentiram que não foram promovidas por conta da maternidade
Pixabay
Estudo mostra também que 37% das mulheres brasileiras já sentiram que não foram promovidas por conta da maternidade

O estudo, feito pela empresa especializada em pesquisa digital “MindMiners”, mostra também que 37% das mulheres já sentiram que não foram promovidas por conta da maternidade , ao mesmo tempo em que 38% já notaram uma pressão vinda dos empregadores para não engravidar e 46% sabe que é mal vista no trabalho quando precisa de um tempo fora para cuidar de alguma questão relacionado ao(s) filho(s).

Ambiente de trabalho

Mais da metade das mulheres ouvidas na pesquisa relatou trabalhar em um local onde não há espaço limpo e privativo para mães que precisam amamentar. Já em relação às licenças maternidades, quando o assunto é o tempo destinado para as mães, 44% concordam que a empresa oferece tempo suficiente. O resultado é um pouco diferente quando o tempo para os pais é questionado: 50% discorda que a licença oferecida pela empresa é suficiente.

Leia também: Mãe decide seguir gravidez até o fim mesmo sabendo que bebê só viveria minutos

O estudo revelou ainda que 8% das mulheres não desfrutaram da licença maternidade por medo de perder o emprego assim que voltarem ao trabalho. E o pior, 10% foram demitidas por algum motivo diretamente relacionado à gravidez, enquanto 20% tiveram de escutar comentários desagradáveis de colegas e 20% foram desencorajadas a agendar consultas médicas durante o horário de trabalho durante a gestação.

Leia também: "Foi algo inexplicável", diz mãe ao ver filho com deficiência andando de skate

Sobre a pesquisa

O objetivo do estudo “Mulheres e a Maternidade” era identificar os sentimentos, sonhos e desafios relacionados à ser mãe no país, levando em consideração a opinião de mulheres brasileiras, sejam elas mães ou não.  Além de relacionar as questões ligadas ao trabalho, a pesquisa também avaliou as principais motivações das mulheres para decidir ter ou não um filho e os hábitos de consumo das mães.

    Leia tudo sobre: Gravidez