Tamanho do texto

Objetivo é acabar com o bullying praticado contra crianças LGBT na escola

Uma escola primária de Glasgow, uma cidade da Escócia, vai instalar banheiros unissex, que poderão ser usados tanto por meninos quanto por meninas , em seus prédios. O objetivo é ajudar os pequenos que ainda estão confusos em relação ao próprio gênero. As obras devem começar nos próximos meses.

Pais passaram a relatar preocupação sobre os filhos usarem os mesmos banheiros que crianças de outro sexo
Shutterstock
Pais passaram a relatar preocupação sobre os filhos usarem os mesmos banheiros que crianças de outro sexo

A medida, entretanto, irritou alguns pais de alunos, que passaram a relatar preocupação sobre os filhos usarem os mesmos  banheiros que crianças de outro sexo. O conselheiro escocês Malcom Balfour afirmou ao jornal “Metro” que países escandinavos já fazem isso em suas escolas, e com sucesso, mas essa é a primeira vez de um centro educacional de Glasgow.

Leia também: Como organizar os brinquedos das crianças? Veja 7 ideias

“Eu acredito que isso ensina às crianças que o gênero não é importante. Uma menina que se sente presa em um corpo de menino e um menino que se sente preso em um corpo de menina pode se sentir envergonhado de frequentar o sanitário errado”, explicou Malcom. Entretanto, ele disse entender que as meninas amadurecem mais rapidamente que os meninos, fazendo com que elas precisem de privacidade. “Os pais sentem que deveriam ter sido consultados antes.”

Oposição

Segundo os pais que são contra a medida de inclusão, algumas religiões não permitem o compartilhamento dos sanitários. Outro morador também pediu provas de que o uso por ambos os sexos reduz o bullying praticado contra crianças LGBT.

Mesmo sem apresentar um estudo indicando os benefícios, os chefes do conselho de Glasgow garantem que, além de ser uma ação social efetiva contra o bullying, a medida também incentivam a limpeza dos locais e são financeiramente mais vantajosos.

Leia também: Mãe de oito compartilha detalhes da maternidade sete anos após dar à luz

“O bullying é reduzido, o comportamento dos alunos é melhorado, não há mais pixações ou bombas de papel encharcado nos tetos”, disse David McEwan, gerente de serviços para educação da Câmara Municipal de Glasgow. “Também atende o grupo LGBT porque, se há crianças, mesmo que no ensino primário, que estão confusas em relação ao gênero e pensam ‘voou neste ou aquele banheiro?’, bem, isso não importa (já que elas poderão usar qualquer sanitário).”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.