Uma estudante de Santos, litoral de São Paulo, relata ter sido estuprada em um encontro marcado por um aplicativo de relacionamentos. Segundo o G1, a jovem estava conversando com uma mulher há uma semana e as duas teriam combinado de se encontrar no apartamento da suspeita. Por mensagem, a vítima revelou que era a primeira vez que ela estava saindo com alguém que não conhecia pessoalmente.

Jovem relata ter sofrido estupro em encontro marcado por aplicativo
Pexels
Jovem relata ter sofrido estupro em encontro marcado por aplicativo

Antes do encontro, a jovem diz que questionou algumas vezes se elas estariam sozinhas na casa. "Não tem ninguém, por isso eu tô aqui. O apartamento é de temporada. Como estava sozinha, vim pra cá. Vou te mandar o endereço", a suspeita teria respondido em uma ocasião. 

No dia marcado, a estudante relata que se encontrou com a mulher com quem estava conversando e elas ingeriram bebida alcoólica. Após um tempo, a dona do apartamento teria dito que o namorado dela estava no quarto e adorava ver mulheres fazendo sexo. A jovem conta que se recusou, mas o homem saiu do quarto e a agarrou pela nuca, para forçá-la a beijar a outra mulher. A vítima conta ainda que o homem e a mulher arrancaram a roupa dela. O suspeito ainda teria mordido diversas partes do corpo dela e cometido o estupro.

 Denúncia

O advogado da vítima, Adriano Neves Lopes, registrou o boletim de ocorrência e entregou prints das mensagens como prova e também as roupas íntimas de sua cliente. "Ela fala que, possivelmente, a blusa e o sutiã têm o sêmen dele e podem provar que houve o crime", disse em entrevista ao G1. "Ela tem marcas de mordidas nos seios, na região das coxas, na região lombar. A mão dela está inchada, o que configura lesão de defesa", ele continuou. 

De acordo com a versão da jovem, a violência só parou quando ela recebeu uma ligação no celular. Era a mãe dela avisando que estava na rua para buscá-la. Após a vítima deixar o apartamento, a suspeita teria entrado em contato mais uma vez para saber se a estudante havia contado o que havia acontecido. 

A jovem relatou a violência pela qual teria passado para um amigo, que por sua vez contou os fatos a um parente da vítima. Então a estudante foi levada ao Pronto-Socorro da Santa Casa de Santos, onde foi medicada. Segundo o advogado, ela está tomando um coquetel para prevenir doenças sexualmente transmissíveis, tomou uma pílula do dia seguinte e está fazendo acompanhamento psicológico, porque apresenta sinais de estresse pós-traumático. A investigação segue em sigilo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários