Tamanho do texto

Pesquisa aponta que 44% das paulistanas colocam o transporte coletivo como o local mais perigoso quando se trata de assédio; o medo começa antes mesmo de embarcar: pontos de ônibus foram citados por 4% das mulheres

Em um país onde 22 milhões de mulheres registraram ter sido vítimas de algum tipo de assédio nos últimos 12 meses, o medo é um sentimento conhecido, quase familiar. No caso das paulistanas, para a maioria, essa sensação fica ainda mais intensa quando estão se deslocando para o trabalho, casa ou escola. O assédio no transporte público é temido por mais de quatro em cada dez mulheres.

Leia também: Medo de assédio afeta a rotina de 53% das jovens brasileiras, diz pesquisa

Pesquisa mostra que 38% das mulheres entrevistadas já sofreram assédio no transporte público
shutterstock
Pesquisa mostra que 38% das mulheres entrevistadas já sofreram assédio no transporte público

A informação é da pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência e a Rede Nossa São Paulo, divulgada nesta terça-feira (12). O levantamento mostra que 44% das entrevistadas acredita que o assédio no transporte público é maior do que na rua, em bares e casas noturnas ou no trabalho.

Ainda segundo o estudo, 38% das mulheres afirmaram já ter sofrido assédio dentro do transporte coletivo, o que aponta um aumento de 13 pontos percentuais em relação ao ano passado, quando a pesquisa também foi realizada.

No entanto, outros locais também não parecem seguros para elas. 23% das entrevistadas respondeu que a rua é o lugar mais perigoso, enquanto 11% indicou as baladas e bares como locais com maior chance de risco.

O medo ainda pode começar antes mesmo de entrar no transporte, já que 4% colocou os pontos de ônibus como a opção mais insegura. 4% também foi o percentual de mulheres que afirmaram ser no ambiente familiar e quando utilizam o transporte particular, como Uber, Táxi, Cabify, EasyTaxi e 99. 3% apontou o trabalho como arriscado e 6% não soube responder ou não respondeu.

Leia também: Entenda por que as mulheres demoram para contar que foram vítimas de assédio

Caso de assédio no transporte público chamou atenção

Após caso de assédio no transporte público em 2017, lei te importunação sexual prevê de um a cinco anos de prisão
shutterstock
Após caso de assédio no transporte público em 2017, lei te importunação sexual prevê de um a cinco anos de prisão

Em setembro de 2017, uma mulher foi vítima de assédio dentro de um ônibus na Avenida Paulista, e o caso chocou o país. Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, ejaculou em uma mulher dentro do veículo.

Ele chegou a ser preso e depois foi liberado porque o delegado havia entendido que o homem não teria ameaçado ou forçado a vítima, o que, segundo sua conclusão, não configurava o ato como estupro.

Dois dias depois ele foi  pego novamente , após atacar uma nova mulher dentro de um ônibus na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na região do Jardim Paulista, em São Paulo, e finalmente foi preso.

A repercussão do caso de assédio no transporte público chegou ao Congresso Nacional que colocou em vigor a lei de importunação sexual, que prevê de um a cinco anos de prisão para quem pratica uma ação como essa - e que antes saía ileso da delegacia.