Tamanho do texto

"Eu era dálmata, girafa, vaca. Me viam como suja e as pessoas pensavam que se falasse comigo as minhas marcas iam pular nelas", diz Yulianna Yussef

Yulianna Yussef é uma influcienciadora digital de 25 anos. A polonesa tem 101 mil seguidores no Instagram e seu feed é repleto de fotos nas quais aparece plena, no frio de seu país ou curtindo dias em Miami, nos Estados Unidos, sem medo de esconder as manchas de nascença. 

Yulianna Yussef não tem vergonha em exibir suas manchas de nascença aos 101 mil seguidores no Instagram
Reprodução/Instagram/@yulianna.yussef
Yulianna Yussef não tem vergonha em exibir suas manchas de nascença aos 101 mil seguidores no Instagram

Leia também: Melasma - entenda tudo sobre a mancha de pele comum em mulheres

Entretanto, nem sempre foi assim. As manchas de nascença que se espalham por todo o corpo, principalmente costas e barriga, já foram um problema para Yulianna e já a fizeram ser vítima de muito bullying. "Eu era dálmata, girafa, vaca. Me viam como suja e as pessoas pensavam que se falasse comigo as minhas marcas iam pular nelas", diz.

Nas redes sociais e em uma entrevista ao jornal britânico Mirror lá dá detalhes do que já passou até aprender a conviver com as marcas e como fez para superar o bullying e o preconceito das pessoas. 

"Sair com você é como sair com um macaco"

Yuilianna encarou muitos olhares tortos e situações complicadas até se aceitar com as manchas de nascença
Reprodução/Instagram/@yulianna.yussef
Yuilianna encarou muitos olhares tortos e situações complicadas até se aceitar com as manchas de nascença

Yulianna possui nevo melanocítico congênito. Com isso, as células melanócitas que deveriam se espalhar por toda a pele sofrem uma mutação e acabam se acumulando em alguams regiões, gerando as manchas. 

Ao jornal, ela fala que passou sofrer com a presença das marcas de nascença  na infância, por volta de 8 anos. Foi nessa época que começou a notar olhares estranhos e que os pais de outras crianças não deixavam que os filhos brincassem com ela. "Pensavam que era algo contagioso", lembra à publicação. 

Com o passar dos anos, o bullying ficou ainda mais intenso. "Uma amiga uma vez me disse: 'Oh meu Deus, sair com você é como sair com um macaco. Sei que foram apenas palavras e até uma piada. Não fiquei brava com ela, mas depois disso fiquei o verão inteiro em casa e saia apenas por uma ou duas horas quando já estava escuro", conta Yulianna. 

Leia também: “Me chamavam de dálmata”, diz jovem com manchas pelo corpo que se tornou modelo

Também na adolescência, fase que já é repleta de medos e insegurança, a polonesa diz que tinha medo de não encontrar um namorado e se perguntava o que havia feito para merecer isso. 

Hora de dar um basta no bullying por causa das manchas de nascença

Depois de aceitar as manchas de nascença e superar o bullying, Yulianna diz que passou a se amar e se sentir bonita
Reprodução/Instagram/@yulianna.yussef
Depois de aceitar as manchas de nascença e superar o bullying, Yulianna diz que passou a se amar e se sentir bonita

Com o amadurecimento, Yulianna afirma que viu que era hora de dizer "basta". "Estava tão cansada de me esconder e ter medo das pessoas, da reação e das ações delas. Eu me odiava por essa fraqueza e por sentir pena de mim. Aí entendi que ninguém iria me ajudar, só eu mesma".

Ela ainda fala que nesse processo notou que a grande maioria das pessoas podiam ter alguma reação por não saber o que eram as marcas de nascença, que não se tratava de uma doença. 

Isso deu a ideia de criar o Instagram para postar fotos e falar abertamente sobre as manchas na pele .  "Estou feliz por ter feito isso", afirma. Lá ela fala dos detalhes da condição e também dos problemas que encara, como a coceira, que muitas vezes incomoda bastante, e os pelos nas manchas, os quais ela não pode retirar. 

Ela ainda se prepara para uma nova palestra que vai fazer em Londres sobre o nevo e como superou todo o preconceito por causa das manchas de nascença . "Quero ser feliz, saudável, me sentir bonita, confiante e sexy na minha propria pele e vivo isso agora. Mas foi um longo caminho até aqui". 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas