Tamanho do texto

Pesquisa mostra que quase metade dos homens que mandam nudes sem autorização sabem que as imagens podem ser ameaçadoras para mulheres

Imagine que você esteja abrindo o aplicativo do WhatsApp para checar suas conversas, quando, entre as mensagens de “bom dia” da sua tia e os recados sobre a próxima reunião do grupo do trabalho, você se depara com fotos de pênis.

Leia também: “Não manda nudes!” Mulheres dão respostas geniais ao receber fotos de pênis

Receber fotos de pênis sem autorização pode causar medo e soar como ameaça, segundo quem já passou por isso
shutterstock
Receber fotos de pênis sem autorização pode causar medo e soar como ameaça, segundo quem já passou por isso

E o pior: fotos de pênis de uma pessoa que não tem sua autorização para fazer isso. “Sem pensar, abri um vídeo que um rapaz que tinha conhecido em um aplicativo de relacionamentos havia me mandado. Era um clipe dele se masturbando enquanto dava prazer a si mesmo com um brinquedo sexual. Eu rapidamente bloqueei a tela, mas me senti horrorizada e violada”, conta a jornalista Rosie Gizauskas ao The Sun .

Apesar de parecer assustador, para dizer o mínimo, esse tipo de situação tem se tornado cada vez mais comum, ainda mais em troca de mensagens vindas de aplicativos de namoro. Na verdade, esse comportamento parecem "fazer parte” do flerte, para alguns homens, tamanha recorrência.

No ano passado, uma pesquisa da YouGov, empresa britânica de pesquisa de mercado baseada na internet, descobriu que 53% das mulheres da geração milênio, ou seja, as nascidas entre os anos 1980 e 1990, já receberam pelo menos uma imagem explícita desse tipo. O pior é que 78% delas não tinham consentido em receber esse conteúdo.

A mesma pesquisa também revelou que mais de um quarto dos homens desta mesma geração admitiu o envio de uma foto do pênis para uma mulher, e 24% deles o fizeram sem pedir permissão.

"Alguns homens são realmente ingênuos e não entendem que essas imagens, especialmente as enviadas sem consentimento, são realmente revoltantes para as mulheres", analisa a psicóloga comportamental Jo Hemmings ao The Sun . Mas esses são minoria.

“Eles acreditam que, enviando, eles receberão algo de volta. Embora não haja problemas em enviar essas imagens consensualmente, é uma situação diferente quando uma mulher está falando com um homem que ela não conhece”

Segundo Jo, em alguns casos, o envio de nudes não solicitados é uma demonstração de domínio e agressão. "É feito para chocar e silenciar as mulheres”, afirma.

O que é ainda mais preocupante é o fato de que quase metade dos homens que admitiram o envio de fotos íntimas sabia que as mulheres poderiam considerá-los “angustiantes”. Além disso, 44% disseram que estavam plenamente conscientes de que as mulheres se sentiriam “ameaçadas” com o nude .

Leia também: Artista faz exposição com nudes não solicitadas em forma de protesto

Fotos de pênis e a ameaça silenciosa

Pesquisa mostra que 44% dos homens que enviam fotos de pênis sem permissão sabem que as mulheres podem se sentir ameaçadas
shutterstock
Pesquisa mostra que 44% dos homens que enviam fotos de pênis sem permissão sabem que as mulheres podem se sentir ameaçadas

A jornalista conta que quando recebeu o vídeo ficou enojada por achar que o homem com quem quase aceitou sair achasse que aquela atitude era aceitável. Porém, com medo de bloquear o rapaz e irritá-lo, achando que ele poderia tentar encontrá-la em outras plataformas de redes sociais, ela decidiu enviar uma mensagem dizendo que eu não gostou do vídeo e simplesmente o ignorou.

“No entanto, no dia seguinte eu acordei com outra foto, desta vez dele deitado na cama, nu, com uma ereção, dizendo que estava se sentindo sozinho”, conta. Ela não respondeu, mas, naquele dia, ele enviou outras cinco mensagens pedindo para que ela o encontrasse.

“Cada vez que meu telefone tocava, eu me sentia mais desconfortável e, naquela noite, enviei uma mensagem novamente para dizer que realmente não estava interessada e pedi que me deixasse em paz, ao que ele respondeu com outro vídeo obsceno dele se masturbando e usando um vibrador”, lembra.

Por fim, ele acabou bloqueando Rosie, mas ainda assim ela se sentia em perigo, a ponto de ficar sem dormir por alguns dias. Os dois haviam comentado que moravam próximos, e ela tinha medo que ele pudesse, de alguma maneira, encontrá-la pessoalmente.

Apesar de ter denunciado o caso ao Hinge, o aplicativo de paquera onde o conheceu, recebeu como resposta que a empresa  “levou o abuso muito a sério e lamenta que ela tenha tido uma experiência menos que excepcional”. Contudo, nada foi mencionado sobre se ele seria banido.

Emmie Harrison, de 25 anos, também contou ao jornal que recebeu fotos sem sua autorização. Quando ela não respondeu, seu agressor ameaçou estuprá-la. Mesmo bloqueando o homem do aplicativo de relacionamento , onde o havia conhecido, ele continuou ameaçando-a em outras redes sociais.

"Ele também enviou fotos de pênis e mensagens me insultando, dizendo que eu ia morrer e que ele iria me atacar e ter certeza de que ninguém mais poderia descobrir", lembra ela.

“Mesmo eu tendo o bloqueado em todas as plataformas, nós já havíamos dito que estávamos na mesma universidade e tínhamos amigos em comum. Depois disso eu passei muito tempo apavorada pensando que ele pudesse estar na próxima esquina ou acabar na mesma festa que eu estava indo”, conta.

"Eu nunca o vi, mas também não disse aos meus amigos ou para a polícia sobre o que estava acontecendo, porque tinha certeza que eles diriam que eu estava exagerando. Em vez disso, me acostumei a viver com um nó na garganta de medo.”  

A psicóloga conta que na maioria das vezes as mulheres relutam em relatar suas experiências, geralmente por sentirem culpa ou vergonha. “Elas se preocupam com o fato de, inadvertidamente, terem encorajado esse comportamento de alguma forma, o que é muito raro, ou nunca, o caso”, explica ela.

"Muitas mulheres também se sentem envergonhadas, enquanto outras querem apenas esquecer a situação o mais rápido possível. Sem contar que denunciar, além de envolver qualquer investigação adicional, também prolonga o desconforto da vítima."

Estamos seguras?

Receber fotos de pênis sem consentimento não é exclusividade de quem está trocando mensagens com conhecidos
shutterstock
Receber fotos de pênis sem consentimento não é exclusividade de quem está trocando mensagens com conhecidos

Bom, mas aí você deve estar pensando: "Se eu tomar cuidado com quem me relaciono, principalmente em aplicativos de paquera, não terei que lidar com essa situação, certo?". Errado.

Engana-se quem pensa que as fotos intimidantes só podem ser enviadas por pessoas com quem você entrou em contato. Na Europa, um termo conhecido como “cyber-flashing” prova que não é muito difícil de se estar vulnerável a passar por casos como o de Rosie e Emmie.

O flash cibernético, em tradução livre, é um crime que envolve o envio de imagens obscenas para estranhos através do AirDrop - dispositivo de compartilhamento de arquivos desenvolvido pela Apple -, ou por meio do Bluetooth.

Os primeiros relatos de cyber-flashing surgiram em 2015, quando Lorraine Crighton-Smith recebeu duas imagens não solicitadas do pênis de um homem enquanto estava em um trem em Londres.

"Meu nome no AirDrop é Lorraine, então eles sabiam que estavam enviando para uma mulher", disse ela na época. "Mas eu também estava preocupada com quem mais poderia ter sido o destinatário - poderia ter sido uma criança ou alguém mais vulnerável do que eu.”

Para evitar casos assim, a Polícia Britânica de Transporte sugere que você verifique as configurações do seu dispositivo antes de entrar no trem. “Para ajudar a proteger sua privacidade enquanto viaja na rede ferroviária, aconselhamos as pessoas a rever suas configurações do AirDrop para que só recebam mensagens de pessoas em sua lista de contatos.”

Mas, mesmo assim, o problema continua crescendo. No ano passado, a jornalista Sophie Gallagher revelou que foram enviadas 120 imagens diferentes dos órgãos genitais de um homem via AirDrop enquanto estava no metrô.

No mês passado, um passageiro de um voo da British Airways tentou enviar algumas fotos para uma mulher chamada Kate O'Sullivan enquanto viajava com sua filha de seis anos.

De acordo com o vice-chefe de polícia Paul Mills, o Conselho Nacional de Polícia (NPCC) do Reino Unido é quem cuida de episódios de perseguição e assédio. A recomendação é que se uma pessoa receber tal material, deve tentar informar ao remetente que o considera ofensivo e tomar medidas para limitar o contato.

Mas, em vez de educar homens para que eles parem com atitudes como essa, Paul acredita que as mulheres devem se precaver. “Enquanto isso, as mulheres também devem tomar medidas cautelares sensatas para reduzir a probabilidade de isso acontecer, como lembrar que nomes de usuários para seus dispositivos com conotações claramente sexuais, provocativos ou controversos podem atrair o tipo errado de atenção”, declarou Paul.

Esse tipo de pensamento parece só piorar a situação. Segundo a diretora de direitos das meninas e jovens da Plan International UK Lucy Russell, é perigoso colocar a culpa nas mulheres, dizendo que elas devem se atentar aos seus perfis em sites de namoro ou dispositivos.

“O problema é dos assediadores”, explica ela sobre os homens que mandam nudes sem autorização do destinatário. "Nós não deveríamos estar ensinando as mulheres e meninas que elas têm que mudar. Devemos, ao invés disso, focar nossa atenção em abordar o comportamento dos homens."

O ideal é que haja consciência por parte dos homens para que eles saibam que enviar conteúdos eróticos sem consentimento é uma atitude agressiva, amedrontadora e, por isso, errada.

Leia também: Chantageada por nude? Entenda o que é sexting e como agir nessa situação

No Brasil, enviar nudes de si mesmo não é crime, no entanto, vale conversar com um advogado, caso você se sinta constrangida por ter recebido fotos de pênis sem ter pedido. Trocar imagens pode ser legal quando há um diálogo entre o casal e ambos estejam de acordo, caso contrário, é melhor investir em memes e GIFs na hora da paquera.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.