Tamanho do texto

Dos 32 tons, apenas quatro atendem mulheres de pele negra escura; nas redes, usuárias reclamaram e marca respondeu que o problema era o filtro usado nas fotos de divulgação que não permitia ver as cores reais das bases

Recentemente, a marca BeautyBlender, responsável pela criação e lançamento da famosa esponja rosa em formato de gota, depois copiada por outras empresas, usada para espalhar bases e corretivos, foi criticada pela falta de maquiagem para pele negra em sua coleção de base .

A falta de maquiagem para pele negra na coleção gerou revolta entre as consumidoras da marca
Reprodução
A falta de maquiagem para pele negra na coleção gerou revolta entre as consumidoras da marca


A BeautyBlender, que é vegana e tem toda uma política de inclusão em suas campanhas, foi criticada quando, ao lançar sua primeira coleção de bases, mulheres repararam na falta de tons e maquiagem para pele negra e morena em geral. A empresa também foi criticada pelo valor que está cobrando por cada vidrinho: US$ 40 (pouco mais de R$ 150).

Com 32 tons na coleção, apenas quatro aparentam ser de fato para peles negras. Nas redes sociais da marca, muitas mulheres denunciaram o problema: “Das 32 cores, menos da metade é para mulheres de cor e só quatro são para peles escuras”, escreveu uma usuária.

“Onde estão as cores escuras? Vocês têm muitas tonalidades para pessoas de peles claras, e para quem tem pele escura também ama maquiagem ?  A linha deveria ser para que todas pudessem usar e amar. Se uma marca tem 50 tons de bege, principalmente hoje em dia, quando algumas labels estão lançando mais de 40 tons para todos os tipos de pele, só fica parecendo que vocês não se importante com pessoas de pele mais escura o mesmo tanto que se importam mais com pessoas de pele clara”, argumentou outra.

Uma terceira ainda colocou: “vocês sabiam que pessoas negras de pele escura mas com diferentes subtons existem? E elas não conseguem encontrar uma opção entre só esses quatro tons. É por isso que todo o mundo está reclamando”.

Resposta da marca à falta de maquiagem para pele negra

Marca justificou que filtro da foto era razão por trás de suposta falta de maquiagem para pele negra
Reprodução
Marca justificou que filtro da foto era razão por trás de suposta falta de maquiagem para pele negra


Diante da avalanche de críticas, a  BeautyBlender chegou a dizer que o filtro usado em suas fotos de divulgação impediu que as consumidoras conseguissem ver a real variedade de tons na coleção, mas mesmo depois de mudar o filtro, as críticas persistiram - já que não era esse o problema.

À revista “Cosmopolitan”, a marca divulgou um comunicado sobre a falta de maquiagem para pele negra na coleção: “Das nossas 32 cores, metade delas (16) foram formuladas para uma variedade de tons de pele que vai do oliva ao marrom. Nós verdadeiramente queremos que todos encontrem o tom perfeito e nossa fundadora, Rea Ann Silva, além de latina, é uma maquiadora profissional que trabalha majoritariamente com mulheres negras, então ela é uma especialista em variedade de cores”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.