Tamanho do texto

Dora Figueiredo quer mostrar que é possível ser magra e ter um discurso de aceitação corporal positivo, sem se apropriar da luta de outras mulheres

Cada vez mais mulheres estão defendendo movimentos sobre aceitação do próprio corpo e positividade corporal. Ao mesmo tempo, muitas outras ainda não conseguem se sentir bem naturalmente e sofrem pressão para alcançar um  padrão de beleza  . Defendendo essa ideia, a influenciadora Dora Figueiredo fez uma crítica àquelas que se apropriam do discurso de aceitação, mas têm um corpo "dentro do padrão". 

Leia também: 5 corpos e mulheres diferentes, mas a mesma pressão estética, como suportar?

A influenciadora digital Dora Figueiredo acredita que é possível ser magra e ter discurso de aceitação corporal positivo
Reprodução/Instagram/dorafigueiredo_
A influenciadora digital Dora Figueiredo acredita que é possível ser magra e ter discurso de aceitação corporal positivo






No "stories" do Instagram, a influenciadora publicou uma série de imagens falando sobre as mulheres magras que fazem poses para parecer que têm "gordurinhas" e reproduzem frases sobre como é importante se amar. "Muito fácil ser natural quando você é privilegiada e cheia dos procedimentos [estéticos]", escreve Dora Figueiredo na publicação. 

Na mesma série de fotos, ela ainda lista os procedimentos e cosméticos que é adepta: "Sobrancelha feita, extensão de cílios, corretivo na olheira, pele boa porque uso produtos bons e caros, silicone. Isso porque ainda não tenho: preenchimento na boca, preenchimento na olheira, cirurgia no nariz e procedimentos dermatológicos 'mil'". 

Dora Figueiredo publicou uma série no Instagram falando sobre mulheres magras que usam discursos de aceitação
Reprodução/Instagram/dorafigueiredo_
Dora Figueiredo publicou uma série no Instagram falando sobre mulheres magras que usam discursos de aceitação


A influenciadora digital criticou que algumas mulheres magras fazem poses para parecer que têm
Reprodução/Instagram/dorafigueiredo_
A influenciadora digital criticou que algumas mulheres magras fazem poses para parecer que têm "gordurinhas"

"Vamos prestar atenção pra quem realmente está ajudando e pra quem só está usando o discurso pra ganhar dinheiro. O 'natural fake' tá na moda, muito fácil ser 'good vibe' quando você é branca, rica, magra, lisa...", continua. "Só queria falar que às vezes a gente acha que falando uma coisa está ajudando, quando na verdade só faz com que as pessoas realmente marginalizadas e oprimidas se sintam pior, ok?" 

Apesar das críticas, a ideia de Dora é mostrar que, sim, é possível que uma pessoa magra possa falar sobre aceitação corporal . Porém, a ideia principal é a necessidade de falar de uma forma inclusiva e que não diminua outras pessoas ou faça com que as mulheres gordas ou com características diferentes das suas se sintam ainda piores sobre suas formas. "Tem como a gente ajudar a luta sem se apropriar dela. Vamos se amar, mas respeitando as 'minas' que realmente sofrem", finaliza. 

Leia também: Ashley Graham lança campanha sem retoques para empoderar mulheres

Qual influenciadora pode falar sobre isso? 

Por causa dos "stories", Dora viralizou nas redes sociais, e as imagens passaram a circular em outras plataformas, como o Twitter. Assim, ela fez outros vídeos explicando o objetivo em abrir esse debate. "Eu sou uma mulher magra e é por isso que eu estou viralizando", desabafa. "Não estou tentando roubar protagonismo nenhum e por isso fiz uma lista de mulheres incríveis pra indicar". 

Dora fez a seleção pensando em quem poderia falar melhor sobre o assunto. Se você quer saber mais sobre quem ela indicou, o Delas explica abaixo: 

1. Luiza Junqueira

Luiza Junqueira é responsável pelo canal
Reprodução/Instagram/luizajunquerida
Luiza Junqueira é responsável pelo canal "Tá, Querida", que lançou a corrente de autoaceitação "tour pelo corpo"


Dona do canal "Tá Querida", Luiza Junqueira é a cabeça por trás da "tour pelo corpo", que incentivou diversos youtubers a mostrarem o que consideram "defeitos" em seus corpos e acabou encorajando outras pessoas a se amarem assim como são. 

No canal, ela faz vídeos sobre assuntos desde autoestima, empoderamento, aceitação, gordofobia, machismo e outros preconceitos, até tutoriais com dicas para uma alimentação mais saudável e equilibrada, cabelo e maquiagem. "Eu tento te mostrar que tá tudo bem você ser do jeitinho que você é!", diz o resumo sobre Luiza no Youtube. 

2. Maíra Medeiros

Maíra Medeiros fala sobre empoderamento feminino, aceitação e muitos outros assuntos no canal
Reprodução/Instagram/mairamedeiros_
Maíra Medeiros fala sobre empoderamento feminino, aceitação e muitos outros assuntos no canal "Nunca Te Pedi Nada"


Maíra Medeiros é a responsável pelo canal "Nunca Te Pedi Nada", no Youtube. Com vídeos divertidos sobre temas diversos, ela conta histórias de sua vida e fala bastante sobre feminismo e empoderamento. "Aqui você vai encontrar: histórias, 'Girl Power', coisas estranhas e muito amor", resume Maíra em suas redes sociais. 

3. Mirian Bottan

Em seu canal no Youtube, Mirian Bottan compartilha suas experiências com transtornos alimentares e comida
Reprodução/Instagram/mbottan
Em seu canal no Youtube, Mirian Bottan compartilha suas experiências com transtornos alimentares e comida


Mirian Bottan compartilha suas experiência com transtornos alimentares, comida, bioquímica humana, além de reflexões sobre imagem e autoestima no Instagram — e, mais recentemente, em vídeos no Youtube também.

"Convivi diariamente com a bulimia por 15 anos e agora, em processo de recuperação, decidi falar sobre como consegui (e consigo a cada dia) vencer a compulsão alimentar e a paranoia com a comida e o corpo, pois percebi que falar sobre isso nos faz mais fortes", resume em seu perfil. 

4. Alexandra Gurgel

Alexandra Gurgel criou o canal
Reprodução/Instagram/alexandrismos
Alexandra Gurgel criou o canal "Alexandrismos" para falar sobre sobre amor próprio, autoestima e outros assuntos


A jornalista Alexandra Gurgel decidiu criar o canal "Alexandrismos" para falar sobre positividade corporal, amor próprio, autoestima, cabelo, saúde mental, relacionamentos e muitos outros assuntos importantes que existem por aí. 

A mensagem positiva que a influenciadora quer passar em todos os vídeos é em relação a ser quem você é, independentemente do seu formato de corpo, cor da pele, crença ou gênero— e ela faz isso com muito bom humor. "Afinal de contas, se amar, se aceitar e gostar de quem você é, é uma prerrogativa para viver em sociedade!", escreve na rede social. 

5. Luci Gonçalves

Luci Gonçalves levanta debates sobre a realidade de ser uma mulher, negra e LGBT em vídeos publicados no Youtube
Reprodução/Instagram/lucigoncalvesa
Luci Gonçalves levanta debates sobre a realidade de ser uma mulher, negra e LGBT em vídeos publicados no Youtube

O repertório de Luci Golçalves no Youtube é bastante diverso. Ela dá dicas de moda, beleza e alimentáção — sempre com sugestões de roupas, produtos e alimentos com preços acessíveis e inclusivos —, mas também levanta debates sobre a realidade de ser uma mulher, negra e LGBT, relatando o "estilo de vida do subúrbio", como ela mesma define. 

6. Gabi de Oliveira 

Gabi de Oliveira trata de questões étnico-raciais no canal
Reprodução/Instagram/gabidepretas
Gabi de Oliveira trata de questões étnico-raciais no canal "DePretas", mas também dá dicas de maquiagem e beleza


No canal "DePretas", Gabi de Oliveira trata de assuntos bastante importantes e urgentes, como colorismo, autoestima da mulher negra, costas raciais, estereótipos, apropriação cultural, solidão da mulher negra e assim vai. A youtuber também ama falar de maquiagem, cabelo, viagens e cuidados com a pele, ou seja, muitas opções de assunto para todos os gostos.  

E se você quer conhecer mais algumas mulheres empoderadas que podem servir de exemplo de amor próprio, veja essa matéria aqui  e escolha qual influenciadora seguir — ou ainda melhor: siga todas elas para um 'feed' cheio de autoestima!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas