Tamanho do texto

Para especialista no assunto, dar início a uma meta é mais importante do que se preocupar com o tempo que ainda há para concluir determinada tarefa

Todo final de ano é a mesma coisa: começamos a relembrar as promessas que fizemos, avaliar o que foi cumprido ou não e criar uma nova lista de coisas a se fazer. O problema é que nem sempre 365 dias parecem ser suficientes para fazer tudo o que planejamos. Os anos estão passando cada vez mais rápidos para algumas pessoas, e muitos desejos acabam ficando lá para trás. Faltando menos de dois meses para chegarmos a 2018, ainda há como realizar algumas metas?

Leia também: De onde vêm as principais superstições de Ano Novo do Brasil e América Latina?

Voltar para a academia, iniciar uma atividade física e emagrecer são algumas das metas de ano novo mais tradicionais
Pixabay
Voltar para a academia, iniciar uma atividade física e emagrecer são algumas das metas de ano novo mais tradicionais

Para a empresária e coach Lilian Bertin, com certeza. Não pense que o ano está acabando, mas, sim, que você ainda tem ao menos um mês inteiro para realizar o que deseja. “Minha sugestão é que você relacione as metas possíveis – no sentido de prazo, recurso e viabilidade. Feito isso, para realizar tudo, você vai precisar de muita dedicação extra, pois se as atitudes que tomou até agora não foram suficientes, a mudança ou a intensidade serão necessárias”, explica em entrevista ao Delas .

Um ponto importante que Lilian levanta é que nem sempre uma meta possível é fácil de ser realizada. Emagrecer, organizar a casa, viajar ou trocar de carro, por exemplo, exigem foco e dedicação. “Seja o que for, imagine como se não houvesse outro ano... Que coisas seriam importantes para você? E comece a fazer!”

Programar-se é importante

Apesar da dica de não se prender a inícios e fins de anos para iniciar uma tarefa, a coach Lilian conta que programar-se e criar uma lista de afazeres é, sim, importante. “‘Para quem não sabe onde quer chegar, qualquer lugar serve’. A importância da programação é o roteiro, mas roteiro sem ação é a pior forma de procrastinação. Lista de tarefas engavetadas é nula”, alerta a empresária.

Não precisa ser algo muito longo, já que a gente sabe que a correria do dia a dia atrapalha muito às vezes, mas pense naquelas coisas que são essenciais para você e registre em um papel.

Leia também: Você segue sua intuição? Entenda a importância de confiar no próprio instinto

Além de anotar tudo o que você deseja alcançar, deixe estas metas ao alcance dos olhos, para nunca se esquecer
Pixabay
Além de anotar tudo o que você deseja alcançar, deixe estas metas ao alcance dos olhos, para nunca se esquecer

E não basta fazer a lista, já que ela também tem de estar sempre por perto de você para não ser esquecida. Lilian aconselha que você escolha bem o lugar onde vai deixar o papel com cada meta, para que fique ao alcance da visão e você possa vê-lo ao menos na hora que acorda e na hora que vai dormir. “O seu cérebro vai captar essas imagens e, de alguma forma, esses planos começam a criar vida em seu dia a dia. Sabe aquele jargão ‘quem não é visto não é lembrado’?”

Devo abandonar a meta?

No meio do caminho, pode haver dúvidas se a meta deve ser ou não realmente realizada. Mas Lilian explica que só há um forma de uma meta não dar certo, e essa forma é desistir antes mesmo de chegar ao fim. Se está difícil de alcançar o que deseja, você talvez esteja indo pelo caminho errado, mas não desista apenas porque está complicado. Vale a pena fazer uma avaliação de tudo o que já foi feito para mudar o que é preciso e alcançar, de vez, o que você busca.

Quando o assunto é obstáculo no meio do caminho, Lilian gosta de lembrar de uma frase que veio de um autor desconhecido: "obstáculos na nossa vida são o Universo nos perguntando se realmente estamos preparados para o que idealizamos”. Para a empresária e coach, os obstáculos nos fortalecem. Aprenda com os erros e não os repita para obter o sucesso desejado.

Leia também: Mensagem de mãe para filha dizendo o que não fazer vale para todas as mulheres

“O que pode acontecer também no decorrer de uma meta a ser alcançada é você perceber que aquilo não faz mais sentido para você. Nesse caso, sendo uma decisão consciente, é diferente de ‘abandonar’ o sonho ou a meta. Nós podemos mudar de ideia, só não podemos usar o tempo longo a ser percorrido como desculpa para não realizá-la”, explica a especialista.

O que ainda dá para fazer?

Doar sangue, ajudar alguém e fazer a diferença para uma pessoa são metas que podem, sim, ser realizadas até o fim do ano
Photopin
Doar sangue, ajudar alguém e fazer a diferença para uma pessoa são metas que podem, sim, ser realizadas até o fim do ano

Estamos na metade de novembro e restam 46 dias do ano de 2017. Apesar de parecer pouco tempo, ainda existem muitas oportunidades para realizar o que deseja, garante a empresária Lilian.

“Se você também está sendo acometido da síndrome da escassez, achando que o ano já acabou, convido você a fazer uma análise: imagine o que é um mês para alguém que está há mais de 1 ano sem ver a família; imagine o que é uma semana para quem esta aguardando um diagnóstico; imagine o que é um segundo para um médico prestar um socorro de emergência e salvar uma vida. Se você é uma pessoa abençoada e não está em nenhuma dessas situações, então você tem muito tempo até o fim do ano e poderá realizar muitas coisas, o importante é fazer!”

Além de um tempo em que realizações ainda podem ser alcançadas, este período também é importante para a gente se fortalecer para o próximo ano, que chegará com inúmeros desafios. A coach aconselha enumerar todas as coisas que realizamos este ano, escrever realmente tudo o que foi alcançado e, depois, olhar para a lista.

Leia também: Generosidade pode ser o verdadeiro caminho para a felicidade, aponta estudo

“Tenha orgulho das metas que realizou, sinta seu poder. Ao sentir essa energia, se comprometa com pelo menos três coisas que vai, agora, se empenhar em realizar. A sensação da conquista fará que você inicie um novo ciclo, um novo ano muito mais fortalecido. Eu te convido a tentar. ‘Bora’ lá?”