Tamanho do texto

Segundo pesquisa, 78% das mulheres já passaram por uma situação de assédio. Entre os homens, 24% admitiram praticaram algum ato de assédio

O carnaval é uma festa cultural na qual a principal regra é se divertir. Esse feriado é considerado por muitos a época ideal para os solteiros, pois a paquera rola solta. O grande problema é que muitos homens confundem as coisas e acham que se uma mulher está na folia, ela necessariamente quer algo a mais e o assédio sexual , infelizmente, se tornou algo corriqueiro. 

Pesquisa mostra que 78% das jovens brasileiras já sofreram assédio
Divulgação/Instituto Avon e Data Popular
Pesquisa mostra que 78% das jovens brasileiras já sofreram assédio


O Instituto Avon, em parceria com o instituto de pesquisa Data Popular, realizou uma pesquisa sobre a ligação dos jovens com a violência doméstica. Participaram 2 mil mulheres e homens de 16 a 24 anos de cinco regiões do país, e os números mostraram que o preconceito e o machismo impulsionam o assédio sexual.

O resultado indica que 78% das jovens brasileiras já foram assediadas, receberam cantadas ofensivas, violentas e desrespeitosas ou foram abordadas de maneira agressiva em festas ou em locais públicos. Também mostra que 44% das entrevistadas já foram assediadas ou tiveram o corpo tocado por um homem sem consentimento em festas, e 30% alegaram já foram beijadas à força.

A reposta dos homens pode ser preocupante. “Para 80% dos entrevistados, uma mulher ficar bêbada em uma festa é considerada uma atitude incorreta. Já para 68%, é errado que ela tenha relações sexuais no primeiro encontro”, afirma Lírio Cipriani diretor executivo do Instituto Avon.

Abuso no carnaval

O pior que os dados refletem, sim, uma realidade. No último sábado (18/02), a atriz Carolina Froes foi abusada e agredida em um bloco de carnaval , na cidade de São Paulo. Em uma postagem no Facebook, ela conta que estava na multidão e um homem a puxou com força e tirou a parte de cima da roupa dela.

Leia mais: Pai faz apelo na web para filha poder usar jogo online sem ser assediada

Imediatamente, Carolina começou a reagir e gritar pedindo ajuda, porém as pessoas apenas abriram um espaço e assistiram à situação. Enquanto ria, o agressor agarrou o pescoço da atriz e a jogou no chão. “Caí. Sem blusa e sem ajuda. Foi quando machuquei meu braço. Levantei ainda mais nervosa, gritando mais alto e preparada pra machucá-lo mais”, relata na postagem.

Carolina Froes foi agredida em um bloco de carnaval
Reprodução/Facebook
Carolina Froes foi agredida em um bloco de carnaval


Algumas pessoas a seguraram e o homem foi embora rindo. Ela conta que ficou sem forças e não acreditava que as pessoas não fizeram nada. “Meu braço vai desinchar, os hematomas vão sumir. Os arranhões na pele do agressor também. Mas eu nunca vou esquecer”, afirma.

Leia mais: Saiba como procurar ajuda em caso violência contra a mulher

Dando a cara a tapa

A atriz relatou tudo nas redes sociais para encorajar outras mulheres
Reprodução/Facebook
A atriz relatou tudo nas redes sociais para encorajar outras mulheres

O relato tem como objetivo encorajar as mulheres a denunciarem qualquer tipo de abuso, pois ir a um bloco se divertir não a classifica como uma pessoa promíscua.

“O que aconteceu comigo no sábado não é carnaval. O que aconteceu comigo no sábado é abuso, é assédio, é agressão, é violência. É criminoso e doentio. O carnaval continua. Eu continuo no carnaval. Eu continuo na rua e na vida. Essa é a minha resposta”, desabafa Carolina na postagem.

Você nunca deve ficar calada! Em caso de assédio denuncie , ligue na Central de Atendimento à Mulher no número 180 e denuncie, ou vá à delegacia mais próxima. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.