Tamanho do texto

O clipe de "Ain't Your Mama", lançado por J.Lo, está cheio de mensagens para homens e empoderamento para mulheres

Trabalhar o dia inteiro e quando chegar em casa ter de fazer comida, faxina e lavar roupa enquanto ele está jogando vídeogame? Segundo Jennifer Lopez, isso não está certo e essa é a mensagem que a cantora passa com a letra de "Ain't Your Mama", ou, "Não sou sua mãe", em português. 

A música 'Ain't Your Mama' de J.Lo traz muitas mensagens empoderadoras
Reprodução YouTube
A música 'Ain't Your Mama' de J.Lo traz muitas mensagens empoderadoras

O clipe da música, lançado recentemente, reforçou ainda mais as mensagens de empoderamento. O Delas  fez uma análise do vídeo e de tudo que é transmitido por ele, veja a seguir. 

Os acontecimentos iniciais

No diálogo inicial, J. Lo está em uma discussão ao telefone. "Sério?! Estou cansada, trabalhei o dia todo. Não, eu não posso. Você deveria", afirma, dando a ideia de que alguém cobrava dela algo que poderia fazer sozinho. 

Ela então desliga e sai da cabine telefônica e encara uma chuva torrencial para voltar ao trabalho de âncora de TV, poucos minutos antes de entrar no ar. 

via GIPHY

Manifesto empoderador

Enquanto funcionários preparam a entrada ao vivo da âncora, a voz de uma mulher ao fundo transmite uma mensagem empoderadora. "Direitos humanos são direitos das mulheres e direitos das mulheres são direitos humanos, de uma vez por todas. É nossa hora de termos nossos direitos resguardados e igualados nos Estados Unidos da América. Isso não é uma simples reforma, isso realmente é uma revolução!". 

Atitudes tomadas

Ao ler o papel que recebeu de um homem, J.Lo demonstra estar saturada de pessoas dando ordens e se desfaz dele, ignorando o roteiro que apresentaria. Ela inicia um discurso: "Não preciso dizer que as coisas estão ruins, todo mundo sabe disso. Temos um grande problema, mulheres. Mas antes, temos de nos rebelar. Pegue uma cadeira para você, abra a porta, coloque a cabeça para fora e grite!". 

via GIPHY

Letra e encenação

A partir daí inicia-se a música de fato. Com frases como "não vou ficar cozinhando o dia todo, não sou sua mãe. Não vou lavar suas roupas, não sou sua mãe", "quando foi que ficou tão acomodado? Eu sou boa demais para isso" e "pare de me dar nos nervos... vamos ter que mudar algumas coisas por aqui" sendo cantadas, J.Lo se caracteriza como mulheres de diferentes épocas para mostrar o que elas vêm sofrendo há muito tempo. 

via GIPHY

A dona de casa de 1960 impede que o marido coma a carne e joga tudo na cabeça dele. A secretária, da mesma época, prende a gravata do homem que olhava para seus seios na máquina de escrever.

via GIPHY

A operária de fábrica da década de 70 destrói produtos para se rebelar contra ordens.

via GIPHY

A funcionária de um escritório em 1980 começa a mostrar que está li e também é capaz, depois de ser impedida de entrar em uma reunião. 

via GIPHY

Após uma ordem de "levantem da cadeira e gritem", as mulheres de hoje em dia se juntam em uma dança final, para deixar claro que não vão mais aceitar ordens. 

via GIPHY

Assista ao clipe. 


Polêmica e repercussão 

A música foi lançada no início de abril e recebeu críticas por ter a produção de Dr. Luke, acusado de abusar física e psicologicamente da cantora Kesha. Na época, J.Lo disse não saber do envolvimento dele no caso. 

Agora com o lançamento do clipe, o cenário é diferente e ela recebeu muitos elogios. Um deles de Hillary Cliton: "JLo, obrigada por isso. As mulheres são muito mais do que os papeis que já foram atribuídos. -H".