Tamanho do texto

Além de mostrar quais ácidos não são indicados durante o verão, especialista diz quais são os ingredientes que podem ser usados em dias mais quentes

Não é nenhuma novidade que a pele também sofre com as mudanças climáticas das estações do ano. No inverno, por exemplo, é comum que ela fique  mais ressecada e áspera por causa do ar seco e frio. Já nos dias quentes, a radiação solar intensa exige uma atenção extra na hora de usar determinados tipos de cosméticos . Assim, se está pensando em fazer tratamentos de beleza no verão, é preciso conhecer os riscos. 

É importante cuidar da pele em todas as épocas do ano, mas certos tratamentos de beleza no verão não são indicados
shutterstock
É importante cuidar da pele em todas as épocas do ano, mas certos tratamentos de beleza no verão não são indicados



Enquanto nos dias frios cosméticos com ácidos são altamente recomendados para renovar a pele, para os tratamentos de beleza no verão é preciso ficar de olho nas embalagens. Ácidos  são bastante agressivos para a pele e, por isso, os especialistas explicam que não é muito bom usá-los em um momento que a pele precisa de uma camada protetora.

Os ácido retinoico e retinoides, dos alfa e beta-hidroxiácidos e da tretinoína, por exemplo, são as principais recomendações quando o assunto é rejuvenescimento, referência em esfoliação e poderosa atividade secativa. Porém, esses ingredientes devem sair de cena nos dias quentes para dar espaço para outros ácidos, com atuação antioxidante, protetora e anti-inflamatória.

Assim, a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica quais são os principais cosméticos "proibidos" nos tratamentos de beleza no verão: 

1. Retinóides/Ácido retinóico: os retinóides geralmente são usados para tratamentos rejuvenescedores, de acne e, também, manchas durante o inverno. “Nunca prescrevemos de maneira contínua porque a pele vai ficando mais fina, avermelhada, com aspecto muito mais delicado e isso faz com que ela tenha uma maior sensibilidade aos agressores ambientais — o que significa: mormaço, calor, luz visível e especialmente o sol”, explica a especialista. 

2. Alfa-hidroxiácidos: de acordo com a médica, o ácido glicólico, por exemplo, é um alfa-hidroxiácido e torna a pele mais sensível. Dessa forma, o ideal é não expor a pele ao sol após seu uso ou isso pode causar alguns efeitos, como irritação, descamação, vermelhidão e até mesmo o surgimento de manchas. "O ideal, nesse caso, é buscar esfoliantes mais suaves ou evitar a exposição solar — e reforçar a fotoproteção", recomenda. 

3. Beta-hidroxiácidos: o ácido salicílico, por exemplo, faz parte do grupo dos beta-hidroxiácido e, de acordo com Claudia Marçal, tem uma ação importante no controle da acne, principalmente daquela que forma pequenos microcistos. Como o ácido salicílico afina a pele, deixando-a mais suscetível aos danos causados pela radiação ultravioleta,  seu uso deve ser feito apenas com orientação médica. “Por isso, é recomendado usar protetor solar de FPS 30, no mínimo, e evitar exposição ao sol”, diz a dermatologista.

Da mesma forma que esses ácidos não são recomendados para os tratamentos de beleza no verão, também é importante prestar atenção nos rótulos e embalagens de cosméticos que indiquem ter ácidos. Uma consulta prévia ao dermatologista também é essencial para que o profissional possa fazer uma avaliaçao de quais produtos estão liberados para a sua pele. 

7 opções seguras de cosméticos para tratamentos de beleza no verão

Apesar das contraindicações, existem cosméticos para os cuidados com a pele e tratamentos de beleza no verão
shutterstock
Apesar das contraindicações, existem cosméticos para os cuidados com a pele e tratamentos de beleza no verão

Apesar de existir certas contraindicações, algumas substâncias ainda podem ser usadas para os tratamentos de beleza no verão. Apesar de não oferecerem a mesma potência rejuvenescedora, os ácidos mandélico, ferúlico, kójico, azelaico, maslínico, ascórbico e  hialurônico fazem parte das prescrições nos climas quentes, por oferecerem resultados eficientes. Confira abaixo: 

1. Ácido Mandélico: “É um alfahidroxiácido com moléculas grandes, que consegue equilibrar o processo de renovação epitelial e tem indicação anti-aging, ou seja, age diminuindo o fotoenvelhecimento. Por isso, o tratamento deve ser mantido por meses ou até anos para as rugas e marcas de expressão desaparecerem gradualmente", afirma a médica.

2. Ácido Ferúlico: esse ácido pode ser encontrado nas folhas e sementes de muitas plantas, especialmente nos farelos de milho e arroz, e serve para suavizar rugas e linhas de expressão. “Ele fornece hidrogênio para a neutralização dos radicais livres, compostos estes relacionados com o envelhecimento das células, portanto é um potente antioxidante”, comenta. 

3. Ácido Kójico: “Esse ácido inibe a ação da tirosinase (enzima responsável pela produção de melanina) como quelante de íons, promovendo a diminuição da formação de melanina, promovendo uma ação clareadora na pele que não causa danos durante o verão”, destaca.

4. Ácido Azelaico: encontrado no trigo, o ácido pode ser usado no controle do melasma. “Assim como o ácido kójico, eo azelaico também inibe a tirosinase, então consegue prevenir ou controlar a formação do melasma”, explica dermatologista. 

5. Ácido Maslínico: “O ácido reduz a vermelhidão de peles irritadas, principalmente após exposição solar e outros agressores ambientais. A substância age diretamente sobre a hidratação e aparência da pele, deixando-a mais macia e radiante. Por isso, é considerado um poderoso antioxidante com ação anti-inflamatória considerável”, comenta a médica. 

6. Ácido Ascórbico. “O Ácido L-Ascórbico é a famosa Vitamina C e funciona como um poderoso antioxidante, cuja aplicação tópica permite alcançar níveis que não seriam possíveis com a ingestão de frutas ou de suplementação oral", diz. Além disso, é o ácido responsável por frear a ação dos radicais livres, estimular a formação de novo colágeno e ajudar a proteger a pele dos efeitos do sol, na medida em que uniformiza o tom de pele e melhora sua textura.

7. Ácido Hialurônico: esse ácido é uma glicosaminoglicana e faz parte da matriz extracelular, onde ficam as fibras do colágeno e elastina. “Com o avanço da idade, a produção de ácido hialurônico diminui, reduzindo também a hidratação e elasticidade da pele. Então, quando existe falta de ácido hialurônico, há desidratação da pele, tendência à flacidez, formam-se rugas, sulcos e perda de luminosidade”, explica a dermatologista.

Mesmo com a indicação, é preciso ter atenção ao utilizar qualquer um desses produtos em tratamentos de beleza no verão . “A indicação e a dosagem devem ser feitas por dermatologista, assim como a orientação do modo de uso. Independente se o ingrediente é fotossensibilizante, a proteção solar é regra básica e deve ser seguida diariamente com FPS 30, no mínimo, e reaplicado de duas em duas horas”, finaliza Claudia. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.