Tamanho do texto

É isso mesmo: um grupo de mulheres com unhas assustadoramente longas decidiu criar uma irmandade para conversar sobre a vida e ter as mãos feitas

Acredite se quiser, mas, nos EUA, um grupo de mulheres fundou uma irmandade para se reunir e discutir as dores e delícias de se uma manicure diferenciada, para dizer o mínimo. O nome da comunidade é Deusas das Unhas Longas (Long Nail Godesses) e elas se reúnem mensalmente.

Leia também: Unhas com temática de vagina viram tendência e nós não estamos sabendo lidar

Na irmandade Deusas das Unhas Longas, as mulheres falam sobre suas vidas e fazem as mãos
Reprodução/Facebook
Na irmandade Deusas das Unhas Longas, as mulheres falam sobre suas vidas e fazem as mãos


A irmandade foi fundada por Maria Ortiz, uma manicure transgênero que começou a deixar as unhas crescerem há 15 anos e acabou se especializando em fazer as mãos de mulheres com "extensões" com mais de 20 cm.

Durante os encontros das Deusas, Maria faz a mão das outras participantes - tarefa que pode demorar até sete horas para ser concluída -, por US$ 100 (aproximadamente R$ 373) cada, mas elas também conversam sobre diversos assuntos e compartilham experiências de vida.

Leia também: Como passar o esmalte perfeito e mais 12 dicas para unhas lindas e saudáveis

Em entrevista à “Barcroft TV”, Maria conta que o grupo é tão próximo que acabou se tornando sua família. “Quando eu estava com dificuldades e precisava de alguém para conversar, as meninas eram essas pessoas - e vice-versa. Nós compartilhamos coisas íntimas que não falaríamos nem para os nossos pais.”

Gostos inusitados

As longas unhas, sempre feitas e perfeitamente decoradas, rendem olhares diversos para as mulheres da irmandade. Elas contam que algumas pessoas as encaram, reprovando seu estilo e fazendo perguntas inconvenientes.

“As pessoas nem nos conhecem e já querem saber como nos limpamos depois de ir ao banheiro e coisas desse tipo. Com papel, por sinal, nos limpamos com papel - estou cansada de responder isso”, relata Maria, que admite que a escolha traz suas dificuldades e foi preciso que ela e as outras participantes reaprendessem a fazer diversas tarefas, como se vestir e cozinhar.

Leia também: Jovem fica quatro anos sem cortar as unhas e resultado é, no mínimo, chocante

Por outro lado, há quem tenha fetiche pela manicure das integrantes do Deusas. “Existem homens que amam tudo, desde apenas segurar um cigarro ou uma caneta, até o som de bater as unhas na mesa, qualquer coisa”, revela Maria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.