Tamanho do texto

Condição já foi motivo de bullying contra Evita, mas, hoje, ela quer se tornar inspiração para outras mulheres em um mundo que preza pela perfeição

Evita Delmundo, de 20 anos, já teve muitos problemas em aceitar quem é. A jovem tem uma condição que deixa seu corpo coberto por manchas escuras, e já sofreu muito preconceito por isso. Felizmente, após uma reviravolta nos últimos anos, ela aceitou sua pele e, hoje, é uma das candidatas a representar a Malásia no concurso de beleza mais popular de todos: o Miss Universo.

Leia também: “Me chamavam de dálmata”, diz jovem com manchas pelo corpo que se tornou modelo

Candidata a representar a Malásia no Miss Universo pediu ajuda do pai para repreender colegas que faziam bullying
Instagram/evita_delmundo/Reprodução
Candidata a representar a Malásia no Miss Universo pediu ajuda do pai para repreender colegas que faziam bullying

Em entrevista ao site da revista “Elle” da Malásia, Evita conta que mesmo que não consiga participar do Miss Universo não vai desistir e continuará se inscrevendo em concursos de beleza.

Leia também: Quantos anos você acha que ela tem? Modelo exibe beleza por trás de síndrome

Nascida no estado de Sabá, a jovem atualmente trabalha em um “cat cafe”, um espaço para amantes de café e gatos, mas o que quer mesmo é se tornar referência em um universo que preza tanto pela perfeição. “Sempre foi um sonho tentar participar do concurso. Acredito que seja uma boa forma de mostrar minha singularidade e a recém-descoberta confiança. Espero também poder inspirar outras pessoas.”

Preconceito

A escola nunca é fácil. De uma forma ou outra, todas as crianças acabam sofrendo bullying. A diferença está na gravidade e intensidade dos ataques. No caso de Evita, ela chegou a ser chamada de monstro e comparada com um cookie com gotas de chocolate.

“Foi muito difícil aguentar tudo isso sendo uma pequena menina. Eu era muito tímida e tentava evitar as situações porque não sabia lidar com tudo”, explicou a jovem. Quando ela passou para o ensino médio, sua mãe também lecionava no local e conseguiu ajudar a filha. A autoestima de Evita ficou maior ainda ao 16 anos, após participar de um acampamento de igreja.

Leia também: Jovem com deficiência chamada de feia faz tutorias de maquiagem contra bullying

“Eu realmente aprendi como me amar e me comunicar com outras pessoas. Esta, provavelmente, foi a primeira vez que eu realmente comecei a me aceitar como era, como aparentava.”

A jovem chegou a pensar em remover as manchas , mas os médicos alertaram isso poderia causar estragos a sua saúde. Hoje, ela é grata por nunca ter passado por qualquer tipo de procedimento e aguarda ansiosa pelo resultado de sua audição no Miss Universo, que deve sair no final de julho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.