Há alguns meses o satisfyer, um tipo de sex toy que suga o clitóris e tem vários níveis de intensidade na sucção, fez a cabeça de muitas mulheres com a promessa de fazê-las atingirem o orgasmo em menos de dois minutos. As redes sociais foram tomadas por relatos de mulheres que compraram o brinquedinho e tiverem um resultado incrível.


Brinquedos sexuais muito potentes não devem ser usados com uma frequência tão alta
Divulgação
Brinquedos sexuais muito potentes não devem ser usados com uma frequência tão alta


Por conta de todos esses relatos e " reviews " positivas do produto, a professora de inglês Jéssica*, de 22 anos, decidiu investir seu dinheiro no seu primeiro sex toy, um satisfyer. "Quando o aparelho chegou e eu testei, eu gostei bastante, tive um resultado bem surpreendente", conta a professora.

Jéssica se deu tão bem com seu brinquedo que passou a ter um momentinho com ele diariamente, algumas vezes mais de uma vez por dia. "Até que eu fiquei meio viciada e eu comecei a usar mais, até três vezes ao dia, sempre que eu não tinha o que fazer, usava", relata.

Você viu?

Depois de mais de um mês de pura felicidade e prazer com o seu novo companheiro, a jovem começou a perceber que a relação já não era mais a mesma do começo. Começou a sentir que a potência do aparelho não a satisfazia como antes. Ela chegou a cogitar ser questões suas, seus hormônios ou uma fase. Então parou de tomar seu anticoncepcional e decidiu deixar o sex toy um pouco de lado.

"Mas mesmo depois de três meses sem o remédio continuava igual. Daí comecei a pensar se não era a bateria que estava mais fraca... Até que fui conversar com outras pessoas e descobri que a culpa poderia ser da frequência com que eu estava usando, mesmo", diz.

Quebrei o meu clitóris?

Com essa descoberta, a professora decidiu esquecer o satisfyer por um tempo e investir em outras formas de prazer e voltar a se estimular com os próprios dedos. "Aí eu percebei que o problema não era eu, porque eu ainda sentia prazer, só tinha esse problema com o aparelho".

Felizmente não foi nada definitivo. Depois de um mês sem utilizá-lo, Jéssica testou ele novamente e relata que sentiu o prazer que sentia no início. "Depois de entender que é natural que o corpo se acostume com um estímulo tão intenso e acabe dessensibilizando, vou usar o vibrador com menos frequência e continuar buscando outros tipos de estímulo", conclui.

*foi usado um nome falso para proteger a identidade da entrevistada.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários