Tamanho do texto

A mulher conta como conseguiu aceitar sua barba e fala de relacionamentos

Little Bear Schwarz, de 36 anos, temia ficar solteira para sempre por conta da sua barba. No entanto, quando ela fez uma publicação em seu Facebook sobre seus medos , em 2017, Tobias Bradick, de 45, fez um comentário e a convidou para sair. Agora, os dois se casaram em uma cerimônia cristã-satanista para celebrar suas religiões, em Washington, nos Estados Unidos. 

mulher com barba ao lado do marido
Arquivo pessoal
Little Bear Schwarz é uma mulher com barba cristã que se casou com um satanista; ela dá detalhes da relação do casal

O casal se conheceu através de um grupo de poliamor online em 2014, mas foi somente após alguns anos que ele se aproximou e os dois passaram a se ver como mais do que amigos. Little Bear, que sofre com a síndrome do ovário policístico desde os 14, condição que pode gerar ganho de peso e excesso de pelos no corpo, temia que não encontrasse ninguém por conta da sua barba

“Eu tive relacionamentos no passado, mas todos acabaram. Eu estava me sentindo muito para baixo e preocupada em nunca achar uma pessoa que pudesse me ver além da minha barba. Então, fiz um post no Facebook e, uma hora depois, recebi uma mensagem de Tobias dizendo que não queria parecer oportunista, mas que adoraria sair comigo”, conta ao portal  metro.co.uk

Os pombinhos se apaixonaram rapidamente , noivaram e, em fevereiro deste ano, se casaram em uma cerimônia com amigos e familiares. “Tobias é satanista e eu sou cristã, o que pode parecer que estamos em conflito um com o outro. Mas, na verdade, temos os mesmos códigos éticos e apenas os expressamos de jeitos diferentes”, diz. 

Apesar de estarem juntos, os dois ainda são praticantes do poliamor. “Da mesma forma que você pode amar vários de seus filhos ou amigos, acreditamos que você pode se apaixonar por vários parceiros. Isso não diminui em nada o amor que sinto por ele. Tobias é o primeiro homem com quem me sinto confortável e me ama pelo que eu sou”, afirma. 

Aceitação da barba e mais detalhes do relacionamento

mulher com barba
Arquivo pessoal
Mulher fala sobre aceitação da barba e traz mais detalhes do relacionamento. Antes, ela estava se sentindo para baixo

Little Bear - cujo nome original era Renée, mas aos 31 anos mudou a maneira de ser chamada para "Ursinha", em tradução livre - começou a fazer sua barba diariamente aos 14 anos.

Os cortes feitos na pele eram cobertos com maquiagem. No entanto, após conhecer seu ex-namorado, em 2013, e se mudar da Flórida para viver com ele em Seattle, ela finalmente se sentiu pronta para deixar seus pelos faciais crescerem ao sentir que seu novo ambiente seria mais tolerante. 

E assim segue até hoje. Inclusive, ela tem orgulho do seu rosto peludo – e até participou de uma competição local para mulheres barbadas, que chegou a ganhar em 2014. Por outro lado, sua relação com o ex não estava indo bem e, no início de 2016, ficou solteira mais uma vez e, com isso, achou que seria difícil entrar em outro relacionamento. 

"É difícil encontrar alguém, pois ele tem que estar realmente confiante e orgulhoso de estar comigo, pois, inevitavelmente, ele será conhecido como a pessoa que sai com a mulher barbada. Por outro lado, sempre desconfiei de pessoas que criam fetiche com minha barba, pois quero alguém que goste de mim por quem eu sou e não apenas uma característica específica”, ressalta. 

Felizmente, Tobias foi a exceção. No primeiro encontro, em Seattle, eles já sabiam que a relação ia dar certo. “A partir daquele momento, soubemos que éramos as pessoas certas um para o outro. Ele respeitava o fato de eu não ter medo de mostrar minha barba e que eu a abraçava como parte da minha vida e da minha feminilidade”, expõe.

“Da minha parte, reconheci imediatamente que ele era um cara gentil e bonito”, continua. Em seguida, eles ficaram inseparáveis. Eles conversavam diariamente e Tobias, que morava em Tacoma e a visitava todo o fim de semana em Seattle, acabou pedindo sua mão um ano depois. 

No dia do casamento, em Tacoma, os dois queriam representar suas respectivas heranças culturais e  usaram roupas próprias para isso. “Tendo um satanista e uma cristã se casando, você pode pensar que teria problemas. Mas não. Trouxemos nossas crenças e valores e respeitamos um ao outro. No final do dia, é a união de duas pessoas e é isso que importa”, finaliza a mulher com barba .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.