Tamanho do texto

Quando o parceiro "brocha", é frequente que a mulher sinta que tem algo de errado com ela, mas, segundo especialistas, os fatores que normalmente levam um homem a perder uma ereção não têm nada a ver com isso

Em um mundo ideal, nossos corpos sempre responderiam naturalmente à excitação, deixando tudo “pronto” para nos envolvermos sexualmente com alguém sempre que quiséssemos. Muitas vezes, porém, há algumas “surpresas” no caminho. Para mulheres, por exemplo, pode haver baixa produção de lubrificação vaginal  e  anorgasmia (mesmo que ela esteja excitada)   e, para homens, pode acontecer de a ereção não acontecer ou de ele simplesmente “brochar”.

Quando o homem tem dificuldades de ter ou manter a ereção, é normal que, além dele, a mulher também se sinta culpada
Shutterstock
Quando o homem tem dificuldades de ter ou manter a ereção, é normal que, além dele, a mulher também se sinta culpada

Como homens normalmente são criados sem grandes restrições à descoberta da própria sexualidade e são até incentivados a se envolver sexualmente com frequência, “brochar” ou não conseguir fazer o amiguinho subir bem na hora H não é algo que está nos planos. Enquanto isso, segundo Thais Plaza, terapeuta sexual e colunista do grupo Afrodites , mulheres têm uma relação íntima com a culpa, e, quando o parceiro não consegue ter uma ereção , acabam tomando a responsabilidade da “falha” para si.

O que pode causar a perda da ereção?

É importante que, antes de atribuir a “culpa” de um ocorrido assim ao homem ou à mulher, ambos tenham consciência dos fatores que podem levar isso a acontecer, que, de acordo com Alex Meller, urologista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), são diversos.

O processo de excitação começa no cérebro que, quando o homem é estimulado sexualmente, libera uma série de hormônios. Esses hormônios ativam a liberação do óxido nítrico, substância vasodilatadora que, ao chegar à artéria que passa pelo pênis , o faz ficar ereto.

Ainda que esse processo seja uma reação fisiológica relativamente simples, Meller explica que até fatores emocionais podem bagunçar esse processo – e que eles são as causas mais comuns da perda de ereção. “O homem muitas vezes fica estimulado no início da relação, só que aí outras coisas que estavam incomodando ele ao longo do dia vêm à tona e a perda da excitação acaba levando a uma diminuição da ereção”, afirma o urologista.

De acordo com o especialista, qualquer fonte de estresse ou ansiedade pode ser motivo para uma “brochada”. Sendo assim, algo do gênero pode acontecer, por exemplo, após um dia especialmente difícil no trabalho, por algum acontecimento triste que esteja dominando os pensamentos do homem ou até problemas psicológicos como depressão e distúrbios de ansiedade.

Outro fator que pode levar à dificuldade de ter ou manter o pênis ereto é a presença de problemas vasculares. Esse tipo de problema impede que as substâncias responsáveis por manter o pênis ereto após a estimulação sexual cheguem ao membro. “Se ele tem um problema vascular, pode ter uma ereção que não chega a 100%, e, assim, perde-la com certa facilidade caso diminua um pouco a excitação”, explica Meller.

Além de questões psicológicas e questões vasculares, a ingestão abusiva de álcool também pode, a longo prazo, desencadear problemas como esse e até de ejaculação precoce. Segundo o médico, há ainda a possibilidade de uma situação como essa acontecer por influência de certos medicamentos. 

O especialista ressalta ainda que “brochar” uma ou duas vezes não significa necessariamente que o homem tem disfunção erétil, mas, segundo ele, a decisão de procurar um médico deve acontecer no momento em que a questão trouxer muito incômodo e insatisfação a ele.

Culpa da mulher? Nada disso

Apesar de ser algo que acontece no corpo do homem – e que, muitas vezes, afeta a autoestima dele – a mulher também pode ser afetada pela situação, principalmente se ela não tiver muitas informações de por que coisas desse tipo ocorrem. Foi assim para Heloísa* que, após sair algumas vezes com um rapaz, aceitou um convite para ir à casa dele, mas o "encontro" não saiu como planejado.

Entre beijos, mão aqui, mão ali, os dois perceberam que nada estava acontecendo e decidiram esperar alguns minutos para tentar de novo. Ele acabou não conseguindo ter uma ereção nas próximas duas tentativas e, segundo Heloísa, ficou bastante chateado. “Ele disse que isso nunca tinha acontecido, ficou muito envergonhado, abraçou o travesseiro e quase chorou”, conta.

Apesar de ter sido convidada à casa do rapaz e de ter visto a chateação dele com a situação, a moça conta que se sentiu estranha. “Achei que tinha algo de errado comigo porque, na verdade, isso nunca tinha acontecido”, comenta. Como ficou com isso na cabeça, levou a questão para alguns amigos e só assim entendeu que nada em sua aparência ou atitude desencadeou a situação.

“A mulher tem de tirar algo que está muito presente em sua vida: a culpa. É muito normal ela se sentir culpada quando algo sai diferente do programado, porém o homem ter ou não uma ereção não é algo que ela possa controlar”, afirma Thais.

*Nome fictício

Como agir na hora?

Segundo os especialistas, ter em mente que isso é normal e retomar os estímulos podem fazer tudo voltar a fluir
Shutterstock
Segundo os especialistas, ter em mente que isso é normal e retomar os estímulos podem fazer tudo voltar a fluir

Mesmo sabendo que era algo normal, após o climão entre Heloísa e o rapaz, eles não voltaram a tentar fazer sexo e, eventualmente, pararam de sair juntos. Afinal, existe alguma forma de não deixar situações como essa tão desconfortáveis ou fazer o pênis voltar a ficar ereto? De acordo com os especialistas, sim.

Conforme explica Meller, além de o estresse poder causar essa perda da ereção, a ansiedade gerada pela situação pode prejudicar ainda mais o homem. “Se o homem perde a ereção e aquilo deixa ele estressado, preocupado ou chateado, ele dificilmente a recupera”, afirma o urologista, ressaltando que o melhor a se fazer é tentar manter a tranquilidade e ter em mente que coisas assim acontecem.

Thais afirma ainda que a mulher deve embarcar junto dele nessa ideia. “Caso o homem tenha uma dificuldade e ambos se culparem ou se envergonharem nessa situação, as coisas só irão piorar”, comenta. Caso os dois ainda estejam no clima, o urologista afirma que retomar a estimulação pode fazer com que ele volte a ficar ereto, e Thais dá as dicas do que fazer.

“O melhor a se fazer é voltar para a parte gostosa das preliminares , para os beijos e carícias. Se essa dificuldade de manter a ereção for recorrente, é importante buscar ajuda para entender a causa”, comenta, reforçando que nem tudo se resume à penetração. “O grande problema da relação sexual é começar algo com a necessidade de chegar ‘aos finalmentes’. O mais importante deve ser curtir cada momento. O sexo é uma grande viagem, e é melhor curtir a paisagem no caminho do que necessariamente chegar logo ao destino final”, finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.