Tamanho do texto

Boa parte das mulheres têm dificuldades em chegar ao ápice em uma relação sexual, mas fique sabendo que o prazer não está somente ligado ao orgasmo

Diferente dos meninos, a maior parte das meninas cresce sem o incentivo à descoberta do próprio corpo, o que acaba transformando o prazer feminino em tabu. O mesmo também acontece com o orgasmo, que é considerado um mistério pelos homens e até mesmo entre as próprias mulheres, que não sabem como atingir o clímax em uma relação sexual. 

Leia também: 5 dicas que toda mulher deve saber para encontrar prazer na masturbação

O orgasmo não é obrigatório para o prazer, mas algumas dicas podem te ajudar a
shutterstock
O orgasmo não é obrigatório para o prazer, mas algumas dicas podem te ajudar a "chegar lá" com mais facilidade

Uma pesquisa publicada na revista "Socioaffective Neuroscience & Psychology" mostra que uma a cada três mulheres têm dificuldade em alcançar o orgasmo . Os resultados também indicam que a questão não é a sensação ou os diferentes tipos de orgasmo que existem, mas, na realidade, os níveis do que uma mulher compreende ser um "clímax completo". 

Jim Pfaus, autor do estudo e professor de psicologia na Universidade de Concordia, em Montreal, Canadá, explica que as mulheres experienciam diferentes tipos de prazer, gerados através de diferentes sensações. Assim, essa "experiência completa" depende, primeiramente, da estimulação de algumas partes do corpo, como clitóris, vagina e cérvix, mas também está ligado à excitação e pistas que leva ao orgasmo, como conhecer o padrão de movimentos de estimulação, por exemplo. 

"Ao contrário dos homens, as mulheres podem ter uma variedade notável de experiências orgásticas que evoluem ao longo da vida. O mapa erótico do corpo de uma mulher é um processo contínuo de experiência, descoberta e construção", diz.

Para te ajudar a descobrir o próprio corpo, o Delas separou algumas dicas que podem ser úteis na hora de atingir o ápice: 

Como ter orgasmo com o parceiro

De acordo com a Sociedade de Obstetras e Ginecologistas do Canadá, apenas 30% das mulheres gozam regularmente com a penetração, enquanto as demais necessitam de estimulação adicional do clitóris para o clímax. Além disso, ainda existe um terceiro grupo de mulheres que nunca "chegou lá" durante a relação sexual, apenas por meio de masturbação e sexo oral.

Mas pode ficar tranquila se você se identifica com essas estatísticas, porque gozar por outros meios que não seja a penetração ou o sexo é considerado totalmente normal. Sendo assim, a ideia é apostar em posições que ajudam a estimular o clitóris ou outras zonas erógenas femininas para complementar a penetração e fazê-la sentir mais prazer.

O que é considerado “ponto principal” no sexo pode variar de pessoa para pessoa e pode incluir beijos profundos, sexo oral e estimulação genital, mas não necessariamente apenas a penetração. De acordo com especialistas, é, sim, possível fazer sexo de forma prazerosa focando em outras práticas capazes de satisfazer tanto o homem quanto a mulher..

Leia também: Não consegue chegar ao orgasmo? Veja 7 posições que podem ajudar

Com chegar ao prazer sozinha

Um estudo de 2016, realizado pelo Projeto Sexualidade (ProSex) da Universidade de São Paulo (USP) , mostra que quase 20% das 1470 mulheres entrevistadas nunca se masturbaram, enquanto, entre os homens, esse número cai para 2,2%. 

Em entrevista ao Delas, Débora Padua, educadora sexual e fisioterapeuta íntima, afirma que muitos dos problemas com a falta de orgasmo se deve à falta de conhecimento sobre o próprio corpo. “Muitas mulheres só precisam de orientação. Elas precisam estar disposta a explorar a vagina, mas, muitas vezes, não foram ensinada que podem fazer isso”, explica.

Assim, explorar o próprio corpo pode ser a melhor forma de saber o que você gosta na hora do sexo e o que te deixa excitada para "chegar lá" — principalmente porque isso muda de mulher para mulher. Assim, procure  variar e inovar as técnicas : estimular o clitóris, explorar o ponto G, tentar posições diferentes e usar brinquedos eróticos podem te ajudar nessa missão. 

Outras influências para o orgasmo

Segundo informações do portal “Women’s Health”, alguns fatores externos ao corpo podem desempenhar um papel importante no sexo e aumentar ou diminuir as chances de você gozar. Entre esses itens, está sua habilidade de comunicação, foco e satisfação no relacionamento.

Dessa forma, saber como falar de forma explícita e direta também desempenha um papel importante na hora de chegar ao clímax, seja na hora de expressar o que você quer na cama ou a forma como você se comunica no próprio relacionamento. Por isso, não é preciso medo de revelar suas fantasias e ter uma conversa franca com seu parceiro, porque no fim das contas, isso pode te ajudar e tornar toda a relação muito mais prazerosa. 

Outro aspecto — que pode ser influenciado pela comunicação —, é que a mulher precisa estar satisfeita na relação que possui. Dois estudos publicados no "Archives of Sexual Behavior" mostram que se você encontrar uma ótima conexão com um parceiro ou parceira sexual, as chances de você chegar ao clímax aumentam, ou seja, sua satisfação ou insatisfação no relacionamento será, sim, refletida na cama.

Além de todas essas questões ligadas às relações com parceiros, também é importante relaxar em um momento pessoal. Esvaziar a mente, tirar todas as preocupações com trabalho, casa, família e tudo mais antes do sexo pode te ajudar a "chegar lá" com maior facilidade. Concentre-se e deixe a imaginação rolar solta estando sozinha ou acompanhada. 

Leia também: 5 dicas para estimular o clitóris para alcançar o prazer sozinha ou acompanhada

Gozar não é o mais importante

Talvez pela facilidade que os homens têm de chegar ao ápice, muitas mulheres se sentem “fracassadas” quando não conseguem "chegar lá". Porém, se você está tendo dificuldade em gozar, seja sozinha ou acompanhada, não fique achando que você é a errada da história. 

Na realidade, esse é um problema que pode acontecer com diversas mulheres e muitos fatores podem influenciar isso, como a falta de lubrificação, por exemplo.  Além disso, muitos especialistas afirmam que o estado mental da mulher também está ligado ao nível de prazer que ela sente durante o sexo, e preocupação em gozar pode ser algo bastante inconveniente.

O orgasmo , porém, não é o único momento em que se sente prazer no sexo. Uma segunda publicação, também do veículo norte-americano "Women's Health", afirma que boa parte das mulheres não goza todas as vezes que transam e a tendência é a de que elas apreciem o sexo por mais fatores além do ápice do prazer. Por isso, aproveite cada sensação, experimente novas técnicas e descubra o seu corpo e o que funciona melhor para você. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.