Tamanho do texto

Vista como essencial por muita gente, a prática não é retratada de forma muito fiel pela pornografia, o que pode trazer certa decepção na hora H

De acordo com psicólogos, a pornografia não é – nem de longe – a melhor maneira de se aprender sobre sexo. Para Carla Zeglio, psicóloga especialista em sexualidade, o pornô pode, sim, servir como forma de estimular a fantasia e ajudar o casal a testar coisas novas na cama, mas, por retratar situações irreais (como ereções sem fim e sexo com horas e horas de duração), tentar reproduzir as coisas do jeito que são mostradas pode ser um tiro no pé . Ah, e isso não vale apenas para o sexo com penetração ou o sexo anal; o sexo oral e outras práticas das preliminares também não escapam de um retrato infiel.

Apesar de ser uma prática considerada essencial para muita gente, o sexo oral (principalmente na mulher) não é retratado de forma muito fiel pela pornografia, e isso pode fazer com que as pessoas se decepcionem na hora H
Reprodução
Apesar de ser uma prática considerada essencial para muita gente, o sexo oral (principalmente na mulher) não é retratado de forma muito fiel pela pornografia, e isso pode fazer com que as pessoas se decepcionem na hora H


De acordo com um estudo recente, o sexo oral é uma prática considerada quase essencial até em relações casuais e extraconjugais . Buscar inspiração na pornografia para arrasar nesse momento tão crucial do sexo é aceitável, mas é preciso ter em mente o que é real e o que é mentira para não haver decepção nem na hora de dar prazer, nem na hora de recebê-lo. Confira seis aspectos do oral (tanto no homem quanto na mulher) que cansamos de ver nesse tipo de filme, mas que não devem ser trazidos para a prática: 

1. A saliva é o melhor lubrificante

O sexo oral frequentemente vem acompanhado de uma mãozinha aqui ou ali, principalmente quando é a mulher fazendo no homem. Porém, tocar o órgão genital do parceiro ou da parceira sem que haja lubrificação pode ser bastante desconfortável e, no pornô, é comum ver os atores literalmente cuspindo nas pessoas com quem estão fazendo sexo.

Por ser escorregadia, a saliva realmente ajuda no processo,  mas ela está longe de ser o lubrificante ideal e, se não for abundante, pode rolar um desconforto. Nessa hora, não há problema algum em apelar para um lubrificante artificial do tipo comestível. Além de prevenir que haja qualquer toque “a seco”, alguns deles têm um sabor agradável que melhora ainda mais a experiência.

2. Todas as mulheres conseguem fazer a “garganta profunda”

Na pornografia, não é raro ver cenas em que a mulher faz oral no homem usando a técnica popularmente conhecida como “garganta profunda”. De acordo com alguns homens, a sensação (e a visão) de ter o pênis quase inteiro na boca da parceira pode, sim, ser algo bem prazeroso, mas será que toda mulher tem capacidade de fazer isso sem passar mal?

Todas as pessoas, tanto homens quanto mulheres, têm reflexos na garganta. Alguns têm a região mais sensível que outra, mas não há problema algum em não conseguir fazer essa técnica. Se você não se sente confortável com a ideia ou é do tipo que sente ânsia quando escova os dentes ou quando tem a garganta examinada, o melhor é deixar para lá e não se sentir mal com isso.

3. A mulher fica satisfeita em pouquíssimos minutos

É claro que não dá para colocar todos os filmes pornô em uma caixinha, mas, na pornografia heterossexual, é bastante comum que as cenas de sexo oral na mulher durem pouquíssimo tempo se comparadas às cenas em que elas fazem nos homens. Agora, se engana quem pensa que isso é tempo suficiente para que elas sintam prazer.

Por questões socioculturais, as mulheres crescem menos familiarizadas com a pornografia do que os homens. Apesar de elas estarem demonstrando cada vez mais interesse nesse tipo de material , boa parte dos filmes ainda foca no público masculino, retratando mais situações do gosto deles e frequentemente negligenciando o prazer feminino.

Na vida real, porém, as coisas são bem diferentes. De acordo com um estudo publicado em 2017 no “Archives of Sexual Behaviour”, a presença do oral antes ou depois do sexo com penetração dobra as chances de a mulher chegar ao orgasmo, mas isso com certeza não é algo que acontece com poucos minutos de estímulo como é retratado. Sendo assim, não sinta vergonha de se expressar caso queira que o ato dure mais tempo.

4. Pele de bebê em todo canto do corpo

Bom, caso você não saiba, seres humanos são mamíferos, e mamíferos têm pelos.


Nos filmes pornô, é comum que os atores sejam completamente depilados (tanto homens quanto mulheres) e tenham pele de bebê em toda parte do corpo, sem manchinhas ou áreas escurecidas. Pois saiba que, na vida real, isso raramente acontece. Apesar de as pessoas cismarem em achar que pelos são anti-higiênicos, eles fazem parte da proteção natural do corpo e nem todo mundo gosta de retirá-los de forma dolorosa usando cera quinzenalmente.

5. Língua sem "mira"

Uma das melhores partes do sexo é que nem todo mundo gosta dos mesmos tipos de estímulo. Ainda assim, há certas “técnicas” cuja rejeição é unânime. Na hora de receber oral, mulheres não costumam gostar de lambidas descontroladas em toda a vulva (e às vezes até dentro da vagina), mas cenas assim são realmente comuns no pornô.



Nessa hora, é importante saber de quais estímulos a mulher gosta, mas, na dúvida, focar no clitóris (mantendo a língua relaxada) é um caminho inteligente.

6. Sexo oral é apenas uma preliminar

Normalmente, o sexo oral – tanto no homem quanto na mulher – é visto como parte das preliminares , e a pornografia reforça essa noção, normalmente reservando alguns minutos para a prática e muito, mas muito tempo para o sexo com penetração no estilo “britadeira”. No entanto, não deixe que os filmes pornô te enganem: não há problema album em curtir mais o oral do que qualquer outra prática e considerá-la o “prato principal”, afinal ele pode realmente ser mais prazeroso e satisfatório do que o resto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.