Tamanho do texto

O ponto G existe mesmo? É possível aumentar o pênis? Em vez de consultar especialistas, é comum que as pessoas levem as dúvidas para a internet

Quando alguém tem uma dúvida a respeito de coisas estranhas que aparecem pelo corpo e de como ele funciona, elas vão a um especialista que possa responder a tudo com propriedade, certo? Não necessariamente. Há muitas pessoas que – por vergonha ou praticidade –, preferem tirar esse tipo de dúvida no Google. Mesmo que esse caminho só faça as pessoas acharem que estão grávidas ou em estado terminal, é um hábito comum, inclusive para perguntas sobre sexo.

Leia também: Veja cinco coisas que acontecem no pornô, mas não fazem parte da realidade

Por vergonha de consultar um especialista ou praticidade, é comum que as pessoas levem perguntas sobre sexo ao Google
Shutterstock
Por vergonha de consultar um especialista ou praticidade, é comum que as pessoas levem perguntas sobre sexo ao Google

Um levantamento da Durex, marca de produtos eróticos, mostra quais as perguntas sobre sexo mais comuns no Google. Veja as respostas, de acordo com informações de reportagens que já foram publicadas no Delas. 

1. Onde fica o ponto G?

De acordo com a especialista em sexualidade Cátia Damasceno, o ponto G não se apresenta como uma espécie de “botãozinho” como muitas pessoas imaginam. A especialista afirma que essa zona erógena é localizada na parte anterior do canal vaginal, entre 5 a 7 centímetros da entrada da vagina. A área é caracterizada por uma textura rugosa diferente do restante do canal e, por ter mais terminações nervosas, gera prazer para a mulher quando estimulado.

2. Como fazer uma mulher gozar?

Ao contrário do que é mostrado em filmes pornô, grande parte das mulheres não consegue chegar ao orgasmo apenas com penetração. De acordo com Cátia Damasceno, o orgasmo pela estimulação clitoriana é mais simples, já que o clitóris – ao contrário do ponto G – possui uma parte externa, além de mais terminações nervosas.

Segundo com um estudo publicado no periódico “Archives of Sexual Behaviour”, 35% das mulheres consultadas afirmaram chegar ao ápice do prazer apenas com penetração, enquanto a combinação de sexo oral, estimulação genital e beijos profundos (sem penetração), fez com que a porcentagem saltasse para 80%.

Cada mulher tem desejos e preferências sexuais diferentes umas das outras, então o melhor a se fazer é caprichar nas preliminares e conversar com ela a respeito de como ela gosta de ser tocada durante o sexo.

3. Dá para se livrar da herpes?

Não. A herpes genital é uma doença sexualmente transmissível que se manifesta em forma de feridinhas. Uma vez infectada pelo vírus da herpes, a pessoa conviverá com ele para sempre, já que ele se integra ao material genético do corpo. No entanto, é possível controlar os sintomas e as crises da doença com medicamentos.

4. Como acabar com as verrugas genitais?

O responsável pelo surgimento de verrugas na região genital é o vírus do papiloma humano, o HPV, outra doença sexualmente transmissível. É possível removê-las tanto na mulher quanto no homem, mas apenas com procedimentos especiais, nunca com remédios caseiros, tratamentos contra verrugas convencionais e jamais sem um médico.

5. Como aumentar o pênis?

De acordo com um estudo recente realizado pela Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos, 45% dos homens gostariam que o pênis fosse maior. No entanto, o tamanho do membro só pode ser alterado cirurgicamente (e, em geral, só nos casos em que o homem tem um micropênis, ou seja, um órgão com menos de 10 centímetros) ou com procedimentos não tão confiáveis.

O tamanho, no entanto, não é tudo. Para muitas mulheres , a performance do parceiro importa muito mais do que o comprimento do pênis. No sexo, penetração não é tudo, principalmente para mulheres, então a dica é caprichar em vez de se se desesperar.

6. Como medir o pênis?

Apesar de o tamanho não ser o aspecto mais importante do sexo, alguns homens têm interesse em saber qual é a medida do membro. Não é à toa, portanto, que esta é uma das perguntas sobre sexo mais frequentemente feitas ao Google.

Levando em consideração que o pênis muda de tamanho quando está ereto, haverá duas medidas de comprimento e, para tirá-las, basta usar uma fita métrica ou uma régua e fazer a medição da base do órgão até a ponta dele. Com a fita, também é possível medir a grossura, posicionando-a em torno do pênis (evitando enroscar-se nela, é claro).

No entanto, é seguro dizer que ninguém nunca vai tirar uma régua ou fita métrica da bolsa na hora do sexo, medir o pênis do parceiro e, com base nisso, ponderar se quer ou não fazer sexo com ele, então saber as medidas não é algo de muita utilidade.

7. Com qual idade se pode comprar camisinhas?

No Brasil, não há restrições. Qualquer pessoa pode ir à farmácia e comprar camisinhas e, além disso, é possível adquirir tanto a masculina quanto a feminina em postos de saúde gratuitamente.

8. Como inserir o órgão sexual masculino no feminino?

Em primeiro lugar, o sexo não se resume só a esse momento e, para que chegue nele, algumas coisas são necessárias. Em primeiro lugar, é preciso se certificar de que a relação é consensual, ou seja, de que todos os envolvidos querem participar daquilo e não estão sob a influência de substâncias que alteram o estado mental ou, é claro, dormindo.

Após certificar-se de que há consenso, o caminho está livre, certo? Errado. Para a maior parte das pessoas, as preliminares se fazem necessárias, principalmente no caso das mulheres, cujo nível de lubrificação da vagina depende do quão excitada ela está. Com o pênis ereto, a camisinha deve ser inserida. Para isso, é necessário posicioná-la na ponta do pênis, segurando a pontinha do preservativo e desenrolando-o na direção da base.

Quando todos estiverem prontos, deve ser fácil inserir o pênis na vagina, mas é preciso ter certeza de que está tudo confortável para ambos (e um lubrificante à base de água pode ajudar bastante).

9. Quanto tempo dura o sexo?

No mundo da pornografia, relações sexuais parecem ser infinitas e, se acabam, os filmes dão a entender que é bastante simples recomeçar tudo imediatamente como se as pessoas não precisassem de um descanso após o orgasmo. No entanto, nada disso acontece no mundo real e não é surpreendente que esta seja uma das perguntas sobre sexo mais frequentes.

Muitos estudos  já foram feitos a respeito desta pergunta sobre sexo, mas os dados levantados são bastante divergentes. Enquanto um estudo realizado pela Universidade de Queensland (Estados Unidos) em 2016 estabeleceu que a média de tempo que as relações sexuais duram é de 5,4 minutos, sem contar as preliminares. Para outro estudo, promovido pela revendedora britânica de brinquedos eróticos Lovehoney, a média encontrada foi de 19 minutos, sendo 10 deles destinados às preliminares.