Tamanho do texto

Será que tudo o que você sabe sobre o assunto é verdade? Confira na lista

Seja para dar ou receber prazer , o sexo oral é parte obrigatória na relação sexual  para algumas pessoas. Se esse é o seu caso, provavelmente sabe muito sobre o assunto, incluindo técnicas, posições e truques para deixar o momento mais prazeroso. Mas será que tudo o que você sabe é mesmo verdade?

Leia também: 7 mitos sobre doenças sexualmente transmissíveis que precisam ser quebrados

Quebrar os mitos sobre o sexo oral é essencial para garantir uma relação sexual mais prazerosa e saudável para ambos
shutterstock
Quebrar os mitos sobre o sexo oral é essencial para garantir uma relação sexual mais prazerosa e saudável para ambos

Pois é, quando o assunto é sexo, todo mundo parece saber um pouco. No entanto, entre tantas informações compartilhadas, não faltam mitos e, quando entendidos como verdades, eles podem acabar com o prazer e até causar graves consequências para a saúde. Pensando nisso, o site norte-americano "Romper" separou 7 mitos sobre o sexo oral  que precisam ser quebrados já. Veja a lista:

1. Oral não é sexo

Algumas pessoas consideram o oral apenas como uma preliminar, como a masturbação, e até afirmam que o sexo mesmo é apenas o ato que envolve a penetração. No entanto, não é bem assim. O oral pode ser o principal em uma relação sexual (lésbicas e bissexuais sabem bem disso!) e, inclusive, dar mais prazer à mulher do que apenas a penetração.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Kinsey, da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, questionou adultos com vida sexual ativa sobre o que pode ser considerado sexo e prova exatamente isso.  De acordo com os dados, mais de 70% dos entrevistados definiram o oral como sexo no sentido mais comum da palavra.

2.  Ele pode urinar

"E se ele fizer xixi em mim?". Esta frase já deve ter passado pela cabeça de algumas mulheres durante o oral, mas não é preciso se preocupar. As chances de o seu parceiro urinar enquanto você faz sexo oral nele são mínimas. Isso porque há um mecanismo no corpo masculino que facilita a saída de urina, e não de sêmen, quando o pênis está flácido. Mas o mesmo não acontece quando o órgão está ereto. Nesse caso, apenas a saída de sêmen torna-se mais fácil. 

Leia também: Confira algumas dicas de como deixar as preliminares melhores que o sexo com penetração

3. Sexo oral é uma coisa nova

Será que nossos antepassados praticavam oral? Sim, a História nos mostra que a prática é mais comum do que imaginamos. Alguns registros apontam que os primeiros vestígios de oral estão ainda no Egito antigo e que a prática era recorrente entre os romanos. Pois é, o sexo oral é menos moderno do que você pensava. 

4. É anti-higiênico

Você toma banho regularmente? E a pessoa com quem você se relaciona? Se as duas respostas forem “sim”, não há motivos para considerar colocar a boca “lá” como algo anti-higiênico. No caso das mulheres, lavar a vagina diariamente apenas com água é tudo o que a região precisa para se manter limpa e saudável. O uso de sabonetes íntimos não é exatamente necessário, afinal o órgão sexual feminino possui fluidos que fazem o papel de limpar a região, mantendo ali bactérias saudáveis para a saúde da mulher. São esses mesmos fluidos que fazem com que a região tenha um odor específico. 

Sabendo disso, não se preocupe! A pessoa que vai se relacionar com você não espera que a região tenha cheiro de rosas. Afinal, estamos falando de uma genitália, não é?  Mas, claro, se você perceber alterações na região, não hesite em procurar a sua ginecologista.

5. Mulheres não tem orgasmo com oral

Um dos maiores mitos! Na verdade, o oral é extremamente importante para as mulheres quando estamos falando de uma relação sexual. Uma pesquisa recente descobriu que 73% das mulheres continuaram em um relacionamento com um homem por ele ter boas habilidades orais. Ou seja, o oral é mais relevante que a penetração para algumas mulheres. 

É muito comum, por exemplo, encontrar mulheres que já tiveram um orgasmo com sexo oral, mas nunca tiveram com a penetração. Inclusive, outro estudo aponta que mais de 80% das mulheres têm dificuldades em atingir o orgasmo apenas com a penetração. É aí que entra a estimulação oral e manual para dar mais prazer para essas mulheres. 

Leia também: Confira curiosidades, mitos e verdades a respeito da vagina

6. Suco de abacaxi altera o sabor do sêmen

Há uma crença comum de que tomar suco de abacaxi pode fazer o sêmen ficar mais “saboroso”, mas a ideia não passa de um mito. É fato que os fluidos corporais, como suor, saliva, secreções vaginais e sêmen pode ser influenciados pela dieta e hábitos de vida do indivíduo. No entanto, não há nenhum estudo ou pesquisa científica que comprove que comer determinados alimentos, principalmente abacaxi, pode fazer com que o sêmen seja mais doce ou saboroso.

Uma dieta saudável e equilibrada pode ajudar a tornar o sêmen menos concentrado, mas nenhuma quantidade de abacaxi no mundo vai fazer com que ele se pareça um drinque com gosto de fruta. 

7. Você não pode contrair DST no oral

Este item acabou como o último da lista, mas ele não é o menos importante, longe disso. Doenças sexualmente transmissíveis não se dão apenas com a penetração e você pode, sim, contrair uma DST durante o oral. Por isso, a proteção é tão importante. Especialistas afirmam que o risco de transmissão é maior quando quem está fazendo o ato possui pequenos cortes ou arranhões na boca (muitas vezes imperceptíveis). O risco também é grande quando há sangue menstrual envolvido. Então, proteja-se sempre! E se você tiver alguma doença e for fazer sexo enquanto estiver menstruada, converse com o parceiro e redobre o cuidado!

Mas, como se proteger? É comum ouvir que o sexo oral desprotegido é mais prazeroso, confortável ou então que não existem formas de proteção. No entanto, os preservativos estão aí para isso. As camisinhas com sabor são grandes aliadas nesse momento. Além da proteção, a experiência torna-se mais agradável com um gostinho diferente. Já no caso das mulheres, a proteção é realmente mais difícil, mas não impossível. Além das camisinhas femininas, é possível recorrer a pedaços de plástico no formato da região.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.