Tamanho do texto

Sommelier brasileira Guiomar de Freitas se casou na França, mas suas irmãs, Graziela e Gisele, que vivem no Brasil, não puderam comparecer à cerimônia

O casamento é sempre um momento especial na vida das pessoas. Quando o casal vai oficializar a união, é normal que queira a família e os amigos presentes. Infelizmente, nem sempre isso é possível. A sommelier brasileira Guiomar de Freitas, de 34 anos, mora em Béthune, na França, desde março e se casou no país em 24 de junho. A família, que mora aqui no Brasil, não conseguiu comparecer à cerimônia. O jeito foi transmitir via Messenger para que as irmãs pudessem acompanhar todos os detalhes.

Leia também: O amor e suas diversas formas

As mais de 16 horas de distância entre as irmãs durante o casamento não foram suficientes para impedir a emoção
Arquivo pessoal
As mais de 16 horas de distância entre as irmãs durante o casamento não foram suficientes para impedir a emoção

“Eu estava bem chateada porque minha família não ia participar. Já tinha um grupo no Messenger com minhas duas irmãs, e uma delas deu a ideia de fazer a transmissão”, conta Guiomar em entrevista ao Delas . No grande dia, além da cerimônia, as irmãs também puderam acompanhar a preparação da sommelier para o casamento .

Tudo foi muito bem preparado. O casamento foi só no civil, mas Guiomar e o marido, o francês Thomas Bruno Carlier, tiveram o cuidado de pedir permissão para a prefeitura da cidade para fazer a transmissão ao vivo. No dia, uma amiga de Guiomar ficou com o celular na mão durante toda a cerimônia para que as irmãs pudessem se ver.

Leia também: Festa de casamento sem convidados é nova tendência para economizar

“Elas viram desde a entrada até o último momento da cerimônia. Foi uma forma de quem estava longe participar pelo menos um pouquinho. Fez toda a diferença”, explica a Guiomar. Ela conta que é esse o contato que tem agora com a família, uma forma de matar a saudade. Se hoje existe essa possibilidade de aproveitar a tecnologia, seria uma pena não fazê-lo.

“Na verdade, foi como se elas estivessem participando aqui comigo. Eu olhava, dava tchauzinho. Elas realmente estavam participando comigo, sentiram a emoção junto comigo. Seria diferente se eu simplesmente mandasse algumas fotos e vídeos para elas. A emoção seria diferente.”

Da Béthune para Santos

O dia 24 de junho foi um sábado, dia que muitos tiram para dormir até mais tarde após uma semana de trabalho. Entretanto, às 6h as irmãs Graziela e Gisele já estavam de pé acompanhando a preparação de Guiomar.

Leia também: Homem faz "pedido de casamento" para enteada para conquistar namorada

Graziela compartilhou imagem com prints da cerimônia no Facebook e emocionou amigos
Arquivo pessoal
Graziela compartilhou imagem com prints da cerimônia no Facebook e emocionou amigos

A administradora Graziela Strobel, de 36 anos, mora em Santos, litoral de São Paulo, e conta que por questões financeiras não pôde viajar para França e acompanhar o casamento da irmã de perto. Sendo assim, a conferência pelo Facebook se transformou em uma maneira de reaproximá-las.

“Por conta do fuso, também tinha diferença de horários. Lá a cerimônia foi 11h30, então aqui era 6h30. Mas acompanhamos tudo desde antes. Ela se arrumando, fazendo o cabelo, pondo o vestido. Só no percurso da casa até o cartório que ela desligou a transmissão”, explica Graziela.

A experiência um tanto quanto inusitada foi muito legal, segundo a administradora. Ela conta que o juiz até mesmo anunciou, durante o casamento, que ela e a irmã estavam acompanhando tudo do Brasil. As mais de 16 horas de distância entre Béthune e Santos não foram suficientes para impedir o choro de emoção entre as irmãs.

A história foi compartilhada por Graziela em sua página no Facebook. Os amigos acharam o máximo. “Eu coloquei fotos que tirei da conferência por vídeo. Nem ficaram tão boas, mas quem viu falou que chorou.”

Tanto Guiomar quanto Graziela aconselham outros casais que passarão pela mesma situação com a família a fazer a conferência em vídeo. "Pode reunir a família inteira em casa, quem quiser assistir", brinca a sommelier. "Faz diferença para a gente. Estava triste de não ter ninguém da família e de amigos. Apenas uma amiga brasileira que está morando na França compareceu. Estava ali representando, para mim, o Brasil e minha família." 

Amor internacional

Brasileira Guiomar e o francês Thomas precisaram amadurecer antes de se comprometerem oficialmente um com o outro
Arquivo pessoal
Brasileira Guiomar e o francês Thomas precisaram amadurecer antes de se comprometerem oficialmente um com o outro

Guiomar conheceu o marido quando ele veio passar férias no Brasil no ano de 2008. Na época, não rolou nenhum romance, mas o contato foi mantido. No ano seguinte, foi a vez da sommelier passar um tempo na França. Foi quando o coração falou mais forte.

Ela já voltou de lá namorando Thomas. Como na época Guiomar trabalhava como comissária de voo, conseguia ver o amado com certa frequência. O francês também vinha para o Brasil quando ela não passava pela Europa.

A relação durou quatro anos, mas as diferenças culturais começaram a criar problemas entre o casal. “Nós não entendíamos nossas diferenças e passamos quase três anos separados. Ano passado foi o nosso reencontro, e aí foi tudo muito rápido", explica a sommelier.

Em julho de 2016 eles reataram. Em março deste ano ela já estava partindo para a França para fixar residência. “Ele é o amor da minha vida. Nós já estávamos mais maduros e conseguimos nos entender melhor. Para quem tem um relacionamento com uma pessoa de outra nacionalidade, saber respeitar as diferenças é essencial.”

Mas se de um lado Guiomar estaria mais próxima do amado, também ficaria longe das irmãs. Graziela conta que no início ela e Gisele acreditam que a distância seria um impeditivo, mas, quando passaram a entender o sentimento dividido entre Guiomar e Thomas, sabiam que uma hora teriam que ver a irmã sair do país.

Leia também: Namoradinhos da pré-escola se casam depois de 20 anos, e história conquista web

“Apesar da gente aqui ser mais próxima, e lá ele só ter uma irmã e uma tia, economicamente falando era melhor ela ir para França do que ele vir para o Brasil O país está desgastado. E a gente tem que apoiar. Por mais que seja doído, ela tem de seguir a vida dela."

Felizmente, hoje, existe a tecnologia para aproximá-las não só no casamento, mas na vida como um todo. Claro que isso não substitui o contato físico, mas as três sabem como faz diferença conseguir ver quem se ama. Ainda assim, a ansiedade está grande para setembro, quando Graziela vai visitar a irmã na Europa, e para dezembro, vez de Gisele dar “um pulinho” na França. “Já estou aqui planejando, fazendo roteiro e tudo”, brinca Guiomar.

    Leia tudo sobre: Amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.