Tamanho do texto

Enquanto a maior parte das mulheres justificam uma traição dizendo que o parceiro deixou de prestar atenção nela, a maior parte dos homens que traíram afirmam que o fizeram porque a outra pessoa era muito atraente

De acordo com um estudo realizado pelo Illicit Encounters – rede social para pessoas que buscam relacionamentos extraconjugais –, as manhãs das segundas-feiras são o momento em que as pessoas mais entram em contato  com seus amantes. Outra pesquisa realizada no Reino Unido mostra que a desculpa que as pessoas mais dão  quando estão traindo é a de que estavam com os colegas praticando algum esporte. Mas, afinal, o que leva uma pessoa a cometer uma traição?

Enquanto a maior parte das mulheres justificam uma traição dizendo que o parceiro deixou de prestar atenção nela, a maior parte dos homens que traíram afirmam que o fizeram porque a outra pessoa era muito atraente
Shutterstock
Enquanto a maior parte das mulheres justificam uma traição dizendo que o parceiro deixou de prestar atenção nela, a maior parte dos homens que traíram afirmam que o fizeram porque a outra pessoa era muito atraente

A tendência de boa parte das pessoas quando descobrem uma traição por parte do parceiro ou parceira é a de ficar se perguntando o que fez de errado ou o que havia de ruim no relacionamento para que a vontade de ter um affair existisse. Segundo dados de um estudo recente realizado pela rede varejista britânica Superdrug, os motivos principais que levam as pessoas ao adultério nem sempre têm algo a ver com o relacionamento em si.

Detalhes da pesquisa

O estudo coletou dados de 2 mil norte-americanos e europeus a respeito de seus hábitos amorosos e levantou as principais justificativas que as pessoas dão para as traições que cometem. A justificativa apresentada com mais frequência tanto pelas mulheres europeias quanto pelas norte-americanas foi “meu parceiro parou de prestar atenção em mim”, enquanto a maioria tanto dos homens europeus quanto dos norte-americanos afirma que o principal motivo que os levou a trair é o de que “a outra pessoa era realmente atraente”.

Outro dado interessante levantado pela pesquisa é o de que os homens norte-americanos são os que mais se mostram arrependidos pela infidelidade. 71% deles afirmam ter se arrependido, enquanto 56,5% dos homens americanos dizem o mesmo. As mulheres também se arrependem menos que os europeus; 58,6% das europeias e 57,8 das americanas afirmam ter se arrependido.

A pesquisa também perguntou aos infiéis onde eles conheceram a pessoa com quem traíram o parceiro e os resultados apontam que, na maior parte das vezes (tanto para 32,9% dos homens quanto para 40,6% das mulheres), o amante era uma amiga ou um amigo. Em segundo lugar vêm colegas de trabalho e, em terceiro, pessoas conhecidas aleatoriamente.

Leia também: Pessoas que frequentaram uma universidade são mais propensas a trair

Outra diferença encontrada entre americanos e europeus é a de que, na Europa, as mulheres traem mais que os homens, enquanto nos Estados Unidos, a situação se inverte. Mas, afinal, o que é considerado traição? Para quase 100% dos participantes, sexo vaginal, oral, anal e beijos são práticas que podem configurar infidelidade, mas a lista também reúne coisas como sair com um amigo (e permanecer como tal) e dormir na mesma cama.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.