Tamanho do texto

O projeto do Erótika Land começou a ser desenvolvido em 1998 e está saindo do papel com atrações experimentais em evento erótico em São Paulo

Um ambiente interativo, divertido, gostoso e inclusivo; essa é a ideia do empresário Evaldo Shiroma para o parque de diversões erótico que, em breve, sairá do papel. Shiroma é um dos maiores empresários do setor erótico no Brasil e após anos submerso no universo da Erótika Fair – principal feira do segmento no País com 23 edições executadas –, teve o sonho de construir um ambiente de entretenimento adulto repleto de tecnologia.

Leia também: Fãs de literatura erótica contam como eles ajudam na sexualidade e na relação

O projeto do parque de diversões erótico Erótika Land nasceu em 1998 e, aos poucos, começa a se tornar realidade
Divulgação
O projeto do parque de diversões erótico Erótika Land nasceu em 1998 e, aos poucos, começa a se tornar realidade

Hoje, o sonho começa a tomar forma; de acordo com o empresário, o projeto do Erótika Land, que será o primeiro parque de diversões erótico do mundo, tem atraído atenção positiva de todos os lados. “As pessoas se encantam com o projeto, abraçam a causa e nós montamos um time muito forte para ele”, conta o empresário, reforçando que o time em questão tem profissionais do marketing, da tecnologia, construtoras, arquitetos e paisagistas.

Pensando em focar mais em questões de saúde, bem-estar e inclusão, a Erótika Fair foi repaginada e estreia entre os dias 9 e 11 de junho deste ano como Erótika Exxxperience. “Entramos em uma era na qual o consumidor exige do mercado um perfil alinhado com seus valores e crenças. É um momento de transformação e de valorização do que realmente importa”, comenta Shiroma.

De acordo com Shiroma, quem for ao evento terá o primeiro gostinho do que será a Erótika Land, que funcionará como um laboratório para testar as ideias do empresário, com shows de artistas internacionais, brincadeiras eróticas envolvendo shibari (amarração erótica) e swing (troca de casais e sexo em grupo) e exposições de arte para, segundo ele, quebrar preconceitos e mostrar que o erotismo existe desde sempre.

Outra atração da feira é o que parece ser o futuro da pornografia: as experiências de realidade virtual. “A gente vai lançar a ideia, mas não vai ser nem 5% do que vai ter no parque”, diz ele.

Leia também: Descubra quais foram os produtos eróticos mais vendidos em 2016

De acordo com Shiroma, o Erótika Land contará com teatros, museus, exposições, shopping, piscinas, centro de convenção, suítes de motel, atrações gastronômicas e outras experiências que prometem surpreender. “Estamos trabalhando com tecnologias 50 anos à nossa frente”, conta, enfatizando que ele mesmo está atuando como produtor de conteúdo adulto especial para a realidade virtual utilizada no parque.

De acordo com o empresário idealizador do projeto, o parque terá piscinas, suítes de motel, área gastronômica e mais
Divulgação
De acordo com o empresário idealizador do projeto, o parque terá piscinas, suítes de motel, área gastronômica e mais

O empresário afirma que as negociações a respeito da compra do espaço onde o parque será construído ainda estão em andamento, mas Shiroma tem o desejo de que o projeto bilionário tome forma em São Paulo e acabe se espalhando pelo mundo.

Erotismo sim, mas com princípios

Curtir atrações eróticas em um parque pode soar como uma ideia bastante descontraída e ousada, mas o empresário deixa claro que o projeto está sendo desenvolvido com seriedade e tem objetivos que vão muito além do prazer. Da mesma forma que a Erótica Exxxperience busca ser um evento mais inclusivo (em que idosos e pessoas com deficiência não pagam entrada, por exemplo), Shiroma quer que o parque siga a mesma premissa.

Leia também: Conheça dez jogos eróticos para incorporar na rotina e apimentar a relação

De acordo com ele, há planos de organizar projetos educativos no parque, com campanhas de prevenção às DSTs, contra pedofilia e assédio sexual. Ele afirma também que o parque de diversões será um ambiente respeitoso com todos, incluindo fetichistas e pessoas LGBT. “O erotismo é para todos, a gente enxerga dessa forma”, finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.