Tamanho do texto

Nutrólogos e nutricionista falam sobre a prática cada vez mais popular para perder peso e esclarecem se ela é prejudicial ou não ao organismo

Jejum intermitente é uma alternativa cada vez mais escolhida por quem deseja emagrecer rápido, mas a ideia de ficar determinados períodos sem se alimentar ainda assusta muita gente. Para ajudar a esclarecer as dúvidas relacionadas ao método, o Delas conversou com especialistas, que dizem se essa opção é, de fato, saudável.

Leia também: Com método próprio, empreendedora consegue emagrecer 24 kg em 3 meses

jejum intermitente arrow-options
shutterstock
O jejum intermitente é um dos métodos mais populares para emagrecer. Especialistas alertam para os benefícios e riscos


Edvânia Soares, nutricionista da clínica Estima Nutrição, diz que " jejum intermitente é uma estratégia nutricional onde é feita a restrição parcial (consome-se no máximo 25% das necessidades calóricas diária) ou total de alimentos por um período específico ".

Durante o período sem se alimentar, de acordo com a médica nutróloga Ana Luisa Vilela, o corpo provoca um tipo de cetose no organismo, e isso proporciona a queima de gordura . Diogo Simão, nutrólogo do Espaço Volpi, lembra que o jejum se aplica apenas a alimentos e, portanto, café, chás e água estão liberados para consumo .

Riscos e benefícios

jejum intermitente: tire suas dúvidas sobre o método arrow-options
shutterstock
Especialista garante que o método é "muito eficaz para o emagrecimento", mas pode gerar desconfortos no início


Simão destaca que essa estratégia é "muito eficaz para o emagrecimento", mas é importante ter foco antes e depois de aderir ao método. Ana Luisa enfatiza que os benefícios e os riscos variam de acordo com quem faz essa dieta.

"Não adianta nada fazer jejum intermitente, começar a queimar [gordura] e depois comer [algo] super calórico quando estiver no horário livre para alimentação. Então, o jejum tem que vir junto com uma dieta bem equilibrada", explica ela.

Já para Edvânia, as vantagens vão além do emagrecimento. " Outro benefício do jejum é o controle da insulina e aumento da secreção de GH . Além de melhorar os problemas e saúde como resistência à insulina, prevenção de diabetes do tipo 2, diminuição do colesterol e triglicérides, melhora na esteatose hepática", salienta.

Segundo a nutricionista, estudos também declaram que esse tipo de jejum pode contribuir com a melhora da cognição e favorecer a prevenção de doenças como o mal de Alzheimer, que causa perda de memória e afeta outras funções mentais.

Ela alerta que fazer o jejum, entretanto, é seguro desde que seja orientado e acompanhado por especialistas. "Pode causar efeitos adversos como desidratação, aumento do nível de stress, queda na qualidade do sono e episódios de compulsão alimentar", conta. Além disso, ele é contraindicado para usuários de medicamentos relacionados à insulina, pessoas hipertensas, crianças em fase de crescimento e mulheres grávidas ou lactantes.

Ainda há inconveniências que podem ocorrer com qualquer um, como destaca Ana Luisa. "Um grande risco das dietas, principalmente do jejum e da low-carb, é perder muita musculatura nesse período", diz a médica.

Leia também: Kelly Key conta segredos para ter o corpo definido e revela rotina de exercícios

Padrões do jejum intermitente

A prática possui padrões para determinar o período de alimentação e o tempo sem comer. Diogo Simão explica cada um deles:

  • 5:2: cinco dias comendo a quantidade de calorias necessária diária e, durante dois, ingerir apenas 500 calorias;
  • 16:8: fazer as refeições numa janela de oito horas e jejuar por 16 horas;
  • 23:1: Se alimentar num período de uma hora e jejuar por 23 horas.

A nutricionista Edvânia recomenta consumir, na refeição pós-jejum, alimentos com baixa caloria, com proteína e pouco carboidrato. Além disso, é aconselhável excluir produtos industrializados e se hidratar bastante.

O jejum pode causar mal-estar?

Os especialistas afirmam que essa alternativa para perder peso pode gerar desconfortos no início, principalmente caso a pessoa não esteja acostumada a ficar longos períodos sem comer. É comum que ocorra, por exemplo, queda de pressão e mal-estar no estômago.

"Quando já se tem gastrite os sintomas podem reaparecer, por que a acidez do estômago não está regulada", diz Simão. De acordo com o nutrólogo do Espaço Volpi, esses sintomas passam na medida em que a qualidade da alimentação melhora.

Leia também: Jejum intermitente, low-carb... Dietas da moda são eficazes para perder peso?

Posso praticar exercícios em jejum?

posso praticar exercício enquanto faço jejum intermitente? arrow-options
shutterstock
Praticar exercícios enquanto faz o jejum intermitente ainda é objeto de estudos por poder gerar mal-estar


Praticar exercício enquanto faz o jejum intermitente ainda é objeto de muitos estudos na área. "Pode apresentar tontura, mal-estar e até desmaio se não tiver acostumado a jejuar. Depois que estiver adaptado sente-se bem treinado em jejum", conta Diogo Simões.

Edvânia Soares apresenta preocupação com a questão nutricional do organismo. "Para quem malha diariamente, ficar em jejum por longos períodos e ainda por cima ao longo do dia não se nutrir corretamente, pecando com a falta de nutrientes e proteínas e severa restrição calórica, é péssima ideia. Além de não ter o estimulo para ganho de massa magra, ainda pode perder massa muscular", pontua ela.

Apesar de ser uma boa alternativa para emagrecer , os especialistas não aconselham que o jejum intermitente dure muito. "Pode ser perigoso devido à baixa ingestão de nutrientes. Em casos mais extremos, pode causar atraso no metabolismo", diz Edvânia, que também chama a atenção para o risco de desenvolver compulsão alimentar. Por isso, eles recomendam um acompanhamento profissional na jornada para perder peso.