Tamanho do texto

Bebida está cada vez mais popular e entre seus benefícios está ajudar a desinchar. Mas a kombucha não pode ser consumida por qualquer um

Women's Health

Você já se pegou olhando para umas garrafinhas desconhecidas nas geladeiras dos supermercados? Provavelmente nesse momento acabou se perguntando: “o que é kombucha e para que serve?”.

tipos de kombucha arrow-options
shutterstock
Kombucha é uma bebida fermentada que pode ser feita em casa ou encontrada pronta em supermercados

Leia também: Dieta saudável: afinal de contas, qual você deve fazer no seu dia a dia?

Vamos começar com o básico. Existente há mais de dois mil anos, ele é uma bebida fermentada feita a partir de bactérias e leveduras misturadas com açúcar e chá preto ou verde.

Com isso, ela vira o kombucha com a ajuda de “uma colônia de bactérias e leveduras”, que parecem um cogumelo flutuando no líquido. É este processo de fermentação das bactérias e leveduras que separa o kombucha de outras bebidas.

Apesar de ter essa origem um tanto quanto diferente, a bebida oferece muitos benefícios à saúde . Alguns deles, segundo a nutricionista Lisa Moskovitz (EUA), são a melhora da digestão e da função imunológica . Além disso, o processo de fermentação faz com que o kombucha se torne repleto de probióticos, bem como vitaminas B e enzimas, e ajuda a desinchar o corpo – o que é sempre uma coisa boa!

Leia também: O inchaço apareceu? Entenda por que isso acontece mesmo comendo direito

Cuidados com a kombucha

Antes de decidir adicioná-lo ao cardápio, contudo, há duas coisas importantes que você deve saber:

1. Não beba demais

Enquanto consumir um pouco de kombucha é bom para a saúde, muito pode causar problemas como azia. Além disso, não é indicado para gestantes ou quem tem sistema imunológico comprometido. Como é feito com bactérias, há sempre o risco de contaminação que pode deixá-lo doente.

“Algumas versões podem ser não pasteurizadas, especialmente versões caseiras, que resultam em reações tóxicas e podem ser prejudiciais para o feto”, explica Lisa.

Se você está com a saúde em dia, não precisa se preocupar muito com as versões compradas nos mercados, mas consumir uma versão caseira pode ser mais arriscado.

2. Evite versões alcoólicas

Fermentação, caso você não se lembre das aulas de química, é também o processo pelo qual o álcool é produzido. Então, tecnicamente, todo kombucha é um pouquinho alcoólico. “Algumas versões passam tempo suficiente em fermentação para conter tanto álcool como uma cerveja light”, aponta a nutricionista. A dica para garantir um kombucha o mais saudável possível é sempre checar o rótulo antes de beber e optar pelas versões de baixo teor alcoólico.