Tamanho do texto

Nutróloga Ana Luisa Vilela lista hábitos e coisas simples do dia a dia que são verdadeiras ciladas para a dieta e te ajuda a reverter tudo isso

Sim, você segue uma alimentação saudável. Não, você não abusa de doces, industrializados ou produtos congelados. E você ainda faz um pouco de atividade física. Mesmo assim, os resultados na balança não te agradam. Por que não consegue emagrecer? 

Leia também: 12 melhores dicas de nutricionistas quando a pergunta é "como perder peso"

Emagrecer também envolve mudar hábitos e ajustar a rotina, defende nutróloga
shutterstock
Emagrecer também envolve mudar hábitos e ajustar a rotina, defende nutróloga


Segundo a nutróloga da capital paulista Ana Luisa Vilela, a culpa por não emagrecer está em uma lista de fatos e hábitos que te acompanham no dia a dia, como horário errado das refeições, mesmo que saudáveis, ou noites mal dormidas. Ela dá detalhes dessa lista de erros da dieta e viloões do emagrecimento e também fala como arrumar tudo isso. 

1. Noites mal dormidas

É provável que já escutado que o ideal seja dormir 8 horas por noite, mas com a correria do dia a dia, cuidados com casa, família, estudo e trabalho, nem sempre isso é possível. Mas saiba que além de prejudicar sua disposição para as tarefas da rotina, as noites mal dormidas também atrapalham os resultados da dieta. 

Dormir bem ajuda a regularizar níveis de hormônios e o metabolismo
shutterstock
Dormir bem ajuda a regularizar níveis de hormônios e o metabolismo

A privação do sono pode resultar em mudanças até no apetite, já que a pessoa pode ficar mais ansiosa e, com isso, com mais vontade de comer, principalmente besteiras e guloseimas. Outro ponto é que as noites mal dormidas podem fazer com que aumente no corpo a taxa de um hormônio chamado grelina, o que faz com que a pessoa sinta mais fome. Por outro lado, diminiu a liberação de leptina, que traz a sensação de saciedade na alimentação. Para completar, ainda há quem diga que os distúrbios do sono aumentam a resistência à insulina  e incentivam o corpo a armazenar mais calorias em gordura. 

A qualidade do sono também influencia na balança. "É importante dormir bem durante o sono acontece a regularização da produção hormonal e, assim, o metabolismo funciona melhor, diminuindo o estresse", resume Ana Luisa. 

O que fazer?

A dica da nutrógola é estabelecer uma rotina para diversos aspectos da vida, inclusive os horários de dormir e acordar. 

No final de 2017, uma pesquisa feita no Reino Unido pela empresa Sleep escutou 2.000 pessoas e reuniu dicas práticas para uma boa noite de sono. Segundo os dados, uma boa ideia é deixar o quarto completamente escuro e a uma temperatura na casa dos 16ºC. Também foi notado que desligar o celular 37 minutos antes de ir para cama ajuda a também se desligar do mundo e relaxar. E muitos defenderam que para dormir bem é preciso estar sozinho na cama - nada de conchinha com o parceiro. Até uma posição foi apontada como a ideia: de lado, deitado sobre o lado direito do corpo, e com as pernas levemente curvadas. 

2. Não fazer todas as refeições

Na opinião da médica da capital paulista, pular refeições é um grande erro das dietas. Há quem siga programas como o jejum intermitente, no qual a pessoa restringe o horário de alimentação para um período do dia e fica várias horas sem alimentar. A atriz Deborah Secco, por exemplo, fez a dieta e chegou a passar 23 horas em jejum para recuperar a boa forma depois do nascimento da filha Maria Flor, em 2016. Na época, o Delas conversou com Ana Luisa, que disse que esse tipo de comportamento poderia ser uma "bomba no futuro". Relembre todo o caso e repercussão. 

Leia também: 23 horas de jejum - riscos e benefícios da dieta da Deborah Secco

Fazer jejum não é a melhor alternativa para emagrecer, segundo a médica
shutterstock
Fazer jejum não é a melhor alternativa para emagrecer, segundo a médica

Mais uma vez, a nutróloga se mantém contra esse tipo de plano alimentar e diz que o melhor para quem quer perder peso é mesmo não pular refeições ou ficar muito tempo sem comer. "Não se deve fazer isso, já que o organismo fica sem energia e funciona mais devagar, o que faz com que falte pique para prosseguir a dieta e para manter as atividades regulares daquele dia", explica Ana Luisa. Ao ficar sem alimento, o organismo tende a diminuir o metabolismo e estocar gordura como uma defesa, já que não sabe quando será bem alimentado novamente. 

O risco de engordar com essa atitude não para por aí. "Além disso, quando uma refeição não é feita a pessoa chega com mais fome na próxima e acaba comendo ainda mais", alerta a nutróloga. 

O que fazer?

O caminho é mais uma vez estabelecer uma rotina e se programar para não pular refeições, mesmo com a correria do dia a dia. Ao fazer refeições balanceadas ao longo do dia, o metabolismo segue no ritmo adequado e há mais chances de emagrecer de maneira saudável e duradoura. 

3. Comer rápido demais

Em quanto tempo você almoça? Será que não está comendo rápido demais? Isso pode resultar em aumento na balança porque, como explica Ana Luisa, o fato de comer muito apressadamente suprime a sensação da saciedade e não traz aquela coisa boa, do prazer com a comida, o que faz com que muitas vezes o organismo nem se lembre que consumiu aquele alimento. O ato de mastigar e o processo de alimentação enviam sinais ao cérebro de que está satisfeito e que já pode parar de comer, portanto, preste atenção a esse ato. 

Lembre-se de ter calma ao comer e de mastigar bem os alimentos
shutterstock
Lembre-se de ter calma ao comer e de mastigar bem os alimentos


O que fazer?

Além de desacelerar no momento das refeições, vale lembrar que a comida é, sim, algo reconfortante. "Comer também precisa ser prazeroso para suprir as nossas necessidades", lembra Ana Luisa. 

4. Fugir da atividade física

Sedentarismo não combina com saúde e boa forma. "Sedentários perdem musculatura, ganham gordura, aumentam o estresse, aumentam o risco de doenças como depressão. Pode faltar força muscular até no coração para poder sair de vez do sofá, estar em movimento e gastar calorias", fala a médica. 

Exercícios devem fazer parte da rotina de fato e não ser algo apenas esporádico
shutterstock
Exercícios devem fazer parte da rotina de fato e não ser algo apenas esporádico


E ainda há outro caso. Você até está matriculada na academia, mas tem semanas que pratica atividade dois dias, na outra faz quatro e depois não vai nenhuma vez para as aulas. Dessa forma os resultados podem demorar ou nem aparecer. 

O que fazer?

Sim, a resposta é mais uma vez rotina. Se vale seguir a rotina ao se alimentar e para regular o sono, vale também na hora dos exercícios, para que isso se torne um hábito e faça parte do dia a dia. "Um corpo regrado é sinônimo de metabolismo funcionando melhor e, consequentemente, mais ganho de saúde e perda de peso”, afirma a médica.

5. Ganhar peso de repente

Emagrecer um pouco, depois engordar novamente ou exagerar e ganhar alguns quilos a mais em períodos como festas de final de ano, nada disso faz bem. O aumento do peso está relacionado a doenças, perda de musculatura e falta de energia. 

É preciso cuidado com a variação de peso também
shutterstock
É preciso cuidado com a variação de peso também


O que fazer?

"Manter peso não é estética, é necessidade para uma vida saudável", afirma Ana Luisa. Para isso, o ideal é apostar em mudanças que tenham resultados no longo prazo, como aprender a se alimentar de maneira mais saudável - mastigar mais, diminuir as quantidades de sal e de açúcar, adicionar fibras e deixar mais tempo para se alimentar - e fazer disso um hábito, não apenas seguir a dieta da moda. Estudos indicam que a chance de ganhar até mais peso do que tinha antes depois de uma dessas dietas malucas e restritivas é grande. 

Leia também: 5 bons motivos para você desistir agora das dietas da moda

6. Não cuidar da barriga

Acumular gordura na região abdominal também é uma questão que vai além da estética. "Esse acúmulo leva à síndrome metabólica, que está associada a doenças cardíacas, vasculares e alterações hormonais, por isso que não acumular gordura no abdômen ajuda a evitar infartos, diabetes e arterosclerose, que são doenças muito graves", explica a nutróloga. 

Acúmulo de gordura abdominal é sinal de alerta para a saúde
shutterstock
Acúmulo de gordura abdominal é sinal de alerta para a saúde


O que fazer?

Para eliminar gordura abdominal não há segredo ou milagre, é preciso investir na combinação alimentação equilibrada e exercícios físicos. Com isso, o corpo receberá a energia e os nutrientes necessários para seu bom funcionamento e ainda vai gastar calorias com a atividade física, sem que ocorra o acúmulo de gordura em diversas partes do corpo, inclusive na região abdominal, que como lembra a médica é, de fato, um sinal de perigo para a saúde. 

7. Não cuidar do intestino

Intestino preguiçoso não é nada bom nem para a saúde e nem para a dieta. Quando ele não está funcionando, há formação de edema - inchaço no abdômen - e piora na digestão. Se estiver notando, por exemplo, a barriga mais inchada e dificuldade para ir ao banheiro, é indicado rever a alimentação e também procurar orientação médica. "O organismo saudável tem que receber e excretar normalmente", comenta Ana Luisa. 

Preste atenção ao funcionamento de seu intestino para cuidar da saúde e também da dieta
shutterstock
Preste atenção ao funcionamento de seu intestino para cuidar da saúde e também da dieta


O que fazer?

Segundo a nutróloga, começar a comer fibras e tomar agua é um dos primeiros passos para ter saúde completa e também cuidar do intestino preguiçoso. Vale ressaltar que é preciso seguir essa dupla, já que o consumo isolado de fibras, sem a ingestão de água, pode até dificultar a digestão e o trânsito intestinal. 

Dica final

A nutróloga também ressalta que é preciso ter calma e paciência quando o assunto é emagrecer com saúde. Os resultdos não são tão rápidos quanto em uma dieta da moda, mas serão mantidos no longo prazo. E importante comemorar cada passo do processo, ou cada item resolvido dessa lista. "Toda melhora, por menor que seja, já é uma conquista. Cada um tem um ritmo diferente de vida, de facilidades e dificuldades, então, por menor que seja a mudança já será um lucro para a saúde", afirma Ana Luisa. 

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.