Para especialista esse é um momento de liberdade feminina e corporal da cantora.
Reprodução/Instagram
Para especialista esse é um momento de liberdade feminina e corporal da cantora.

"Para, isso não é normal", "Essas fotos me parecem estranhas", "Fabulosa", "Gosto do seu estilo". A ambiguidade que dá o tom dos comentários em fotos nas quais Britney Spears aparece seminua, no Instagram, é o retrato de um debate complexo acerca da autonomia feminina sobre o próprio corpo. Há quem acredite ser uma autêntica atitude de empoderamento, mas também existem mulheres que veem a nudez como um exagero e até mais uma ferramenta de manutenção do machismo e da objetificação da mulher.

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram.  Clique no link para entrar no grupo.

Na quinta-feira (21), a eterna princesa do pop publicou um vídeo e uma sequência de nove fotos nas quais aparece só de calcinha num quarto de hotel, em Londres. E não é a primeira vez que Britney posa seminua num clique sensual postado em sua página da rede social.

Doutora em Comunicação e pesquisadora de socialização feminina, Maria Carolina Medeiros pondera sobre os efeitos do discurso que associa empoderamento das mulheres à exposição do corpo na luta coletiva pelos seus direitos.

Siga também o perfil geral do Portal iG.

"É claro que a mulher deve ter o direito de expor o próprio corpo sem que isso a diminua, difame ou se torne uma brecha para um tipo de assédio. Agora, ao meu ver, isso não muda em nada numa questão que é coletiva, estrutural e patriarcal", comenta a especialista. "É possível que uma mulher que poste uma foto nua tenha um ganho, mas é um ganho de um olhar que a objetifica e que a mantém nesse círculo vicioso, de que ela só vale algo quando mostra o próprio corpo."

Para a antropóloga Mirian Goldenberg, "ainda não conseguimos compreender as próprias ambiguidades do que é ser uma mulher livre". Ela ainda afirma que a preocupação dos seguidores em interpretar os seminudes publicados pela cantora nas redes sociais falam muito mais sobre a visão de mundo alheia, calcada no machismo, do que sobre as próprias atitudes de Britney pós-tutela.

"O que, afinal, nós, mulheres, esperamos de uma mulher livre? E por que a nudez incomoda tanto? Ela está vivendo a vida dela, depois de ficar como uma prisioneira da carreira e da família por tantos anos. O machismo está dentro de nós, não só nos homens. Nosso olhar pode nos libertar e, ao mesmo tempo, ter dificuldade em sair dessa bolha patriarcal em alguns casos", considera.


Para alguns fãs, paira a suspeita de que Britney ainda não tenha tomado controle de seu Instagram —mesmo após o fim do período em que esteve sob a tutela do pai —, o que torna mais difícil a compreensão do comportamento da cantora. O professor de Comunicação Alan Mangabeira, que transformou a ídola em objeto de pesquisa em sua tese de doutorado, conta que Jamie Spears ainda detém os direitos da página da filha.

"O corpo é dela, mas a marca e o Instagram não são. Não tem como saber se é ela que posta. Se for, ótimo que esteja se sentindo empoderada. Do contrário, precisamos refletir sobre o quão problemático isso é", opina Mangabeira. "Britney também foi privada do acesso à internet ao longo dos anos. Não acompanhou a evolução das redes sociais, as regras de etiqueta. Não vai ter o comportamento que a sociedade espera que ela tenha. Só peço que as pessoas tenham o mínimo de empatia com alguém que passou 13 anos nessa situação."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários