conceição Evaristo
Reprodução/Instagram
conceição Evaristo






A literatura brasileira tem sofrido mudanças significativas com o reconhecimento e visão crítica das autoras negras. Conceição Evaristo, de 72 anos, é uma escritora brasileira, mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, doutora em Literatura Comparada pela UFF, ganhadora de vários prêmios e reconhecida no Brasil e no mundo. Em entrevista exclusiva ao iG Delas, ela conta sua trajetória, literatura e militância e desafios para mulheres negras no Brasil.

Nascida em uma comunidade da zona sul de Belo Horizonte, ela vem de uma família muito pobre, com nove irmãos e sua mãe. Quando jovem ela precisou conciliar os estudos trabalhando como empregada doméstica, até concluir o curso normal, em 1971, já aos 25 anos. Mudou-se então para o Rio de Janeiro, onde passou num concurso público para o magistério, estudando mais tarde Letras na UFRJ.

“O grande compromisso da minha mãe era que todos nós terminássemos o primário. A gente não tinha luz elétrica, então às vezes ler à noite significava muitos gastos nesta realidade. A busca pela leitura em si foi uma busca muito minha’, relembra a autora.

Suas obras abordam temas como a discriminação racial, de gênero e de classe. Seu primeiro romance, "Ponciá Vicêncio", é fruto de uma pesquisa acadêmica produzida em 2007. A obra foi traduzida para o inglês e publicada nos Estados Unidos, também em 2007. Atualmente leciona na UFMG como professora visitante. 

Conceição lembra que, durante a  infância, foi marcada por muita oralidade, ouvindo história de familiares próximos como a tia e a mãe e, mais tarde, com materiais impressos que começaram a entrar em casa. Desde o início do período escolar, a escritora afirma que se sobressaía na escrita e criava composições. 

"Quando eu terminei o primário eu ganhei um prêmio de redação que eu falo que é o meu primeiro prêmio da literatura. O título era “por que me orgulho de ser brasileira?” Essa possibilidade da escrita me dada pela vida desde cedo. O grande compromisso da minha mãe era que todos nós terminássemos o primário", conta.

Como o racismo se apresentava naquela época?

A escola que eu estudava, Grupo Escolar Barão do Rio Branco, em Belo Horizonte, era muito segregada e era composta por dois andares. A parte de cima pertencia às crianças brancas e com alto poder econômico, enquanto que as classes do porão, formada pela grande maioria, era composta por alunos negros e pobres. A segregação racial e o racismo estava dada naquela realidade.

Como foi o processo de se tornar uma autora publicada? Como é o mercado no Brasil para autoras e autores negros?

Meu primeiro livro eu publiquei por conta própria, em 2003, mas desde os anos 80 a gente se reunia fazendo saraus de poesia. Somente em 2013, eu tive uma obra publicada por uma editora maior. Hoje, sem dúvidas, o processo é mais fácil, não é ainda como almejamos, mas hoje várias editoras se voltam para a autoria negra. 

No passado era impossível a literatura negra ser publicada em grandes editoras. Hoje todos os manuscritos de Maria Carolina de Jesus estão sendo publicados, mas desde sempre os autores negros se lançam no mercado editorial a partir de editoras pequenas. 

Você viu?


Como a escrita seria uma forma de fala e de resistência a toda opressão que os negros passam? 

É por isso que eu falo com tanta veemência ou afirmativa que hoje ela tem o valor, inclusive de uma concepção de escrita, que é a escrevivência.  “A nossa escrevivência não é para adormecer os da casa grande, mas sim para acordá-los dos seus sonhos injustos”. A escrevivência é a tomada da palavra, da escrita, do mecanismo de poder, pois escrever é uma forma de poder. Uma forma de resistência é cuidar para criarmos nossos personagens com toda a dignidade humana, se afastando da literatura tradicional que nos trata com estereótipos. Eu penso muito na Maria Carolina de Jesus, ela se permitiu escrever, pois todos ou não queriam que ela escrevesse ou queriam ditar o que ela deveria escrever. 

Você concorreu ao prêmio de indicação ABL (Academia Brasileira de Letras), que foi fundado por um homem negro, cuja negritude foi apagada para que ele se tornasse um “autor universal”. Na literatura brasileira há uma invisibilização da origem negra nos autores, tais como Machado de Assis, Lima Barreto. Como é para você ser devidamente reconhecida como uma mulher negra escritora?

Minha candidatura ao prêmio foi por meio de uma campanha de fora para dentro e isso de certa forma incomodou a academia brasileira de letras. É um direito não só para mim, mas da própria autoria negra, o direito de também ser reconhecida como uma escritora brasileira. 

Hoje quando eu insisto em ser reconhecida como uma escritora brasileira eu também não perco esta perspectiva negra. Estamos presentes em todos os setores da sociedade como a culinária, na religião, na língua. Se muitas vezes nós estamos presentes como objetos da escrita, porque não poderíamos ser protagonistas da escrita?

Geralmente somos colocados no papel excepcionalidade ou colocados no papel de invisibilidade e isso me causa um certo estranhamento. Quando eu estava em um auditório em Paris dando uma palestra eu fui muito parabenizada, mas eu sabia que parte destas felicitações era o estranhamento de ver uma mulher negra como escritora e não da forma com o que o folclore nos escreve, ou no Carnaval. Sempre somos vistas como invisibilidade ou com estranhamento. 

Você falou para um auditório lotado, tem participado de várias lives, debates e recebeu inúmeras homenagens. O espaço público e o ambiente intelectual foi pensado para os homens, fazendo com que muitas mulheres negras tenham dificuldades em se expressar e falar em público. Como mudar esta realidade? Há avanços?

Acredito que cada vez mais os jovens estão tomando consciência que todos os espaços são nossos, da fala, da escrita, espaços como se fossem seus. Na literatura e na academia estamos cada vez mais em um processo que não tem retorno.

O que eu acho interessante é nós não perdermos a nossa perspectiva histórica de coletividade, é preciso nos fortalecer conjuntamente. Não deixar também que cada conquista nossa vire uma possibilidade ou um exercício de prepotência. O interessante é não sermos “a primeira a ganhar tal prêmio ou estar em algum espaço”, isso é significativo, mas o mais importante é abrir caminhos para outros além de nós. 


Quem me colocou em visibilidade e legitimou a minha escrita primeiramente foram os movimentos negros. Não foram os prêmios jornalísticos, não foi a academia, nenhum um projeto, primeiramente foi o movimento negro.

Recentemente foi lançado um livro chamado “E se as cidades fossem pensadas por mulheres?”, para você, como seria uma cidade pensada por e para mulheres negras?

Uma cidade pensada por e para mulheres negras é uma cidade planejada para todos/as/des, uma cidade onde a martenagem, que não significa maternidade, mas a forma de dar acolhimento e de receber o outro em si, seja com respeito e amorosidade. Uma cidade que deveria ter a marca do acolhimento de todas as pessoas. A fome ainda é uma realidade brasileira que precisa ser combatida.

Ler Carolina Maria de Jesus, por exemplo, é nos depararmos com uma realidade brasileira ainda permanente e da falta de condições de vida. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários