Novo estudo mostra que andadores não ajudam nem atrapalham o desenvolvimento motor das crianças. Pediatras não recomendam o uso

Andador infantil tradicional
Reprodução
Andador infantil tradicional
Os andadores infantis são sempre polêmica entre pais, médicos e fisioterapeutas. Aflitos e cheios de dúvidas, os pais se dividem entre os que acreditam que o equipamento estimula o desenvolvimento da criança e, no lado oposto, aqueles que vêem no instrumento um perigo tanto para a coordenação motora dos bebês como para os riscos de queda.

Não recomendado por pediatras – eles acreditam que o equipamento atrapalha o desenvolvimento do equilíbrio e da marcha das crianças – os andadores foram estudados por uma professora da Faculdade de Fisioterapia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Paula Silva Carvalho Chagas pesquisou os efeitos do uso do andador durante o doutorado no programa de pós-graduação em Ciências da Reabilitação da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

As conclusões de Paula reacendem a polêmica. Ela não encontrou nenhum dado que comprove prejuízos ao desenvolvimento dos bebês por causa do equipamento. A pesquisadora também concluiu que não há evidências sobre benefícios às crianças. Fisioterapeuta há 12 anos, Paula conta que, antes de começar o próprio estudo, procurou referências na literatura científica sobre o tema. Segundo ela, as pesquisas não recomendavam o uso, mas não apresentavam embasamento científico nas justificativas.

Ela acompanhou durante nove meses 40 famílias: 20 que decidiram usar o equipamento e 20 que optaram por não utilizá-lo. O andador não foi recomendado pela fisioterapeuta a nenhuma delas. As famílias começaram a ser analisadas pela pesquisadora quando os bebês estavam com nove meses, em média. Além de observar o desenvolvimento motor das crianças, Paula fazia avaliações para verificar como as crianças estavam andando. Durante seis meses após começarem a andar sozinhas, os bebês passavam por testes.

Paula conta que foram observadas a maneira de andar das crianças, a habilidade em subir rampas e o relato dos pais. O resultado é que não houve diferenças no processo entre os grupos. “Todos os bebês apresentaram desenvolvimento normal, aprendendo os movimentos corretamente em um tempo adequado”, afirma Paula, que foi orientada pela professora Marisa Mancini, do Departamento de Terapia Ocupacional da UFMG.

Segundo a pesquisadora mitos foram desfeitos com os resultados: as crianças não andavam na ponta dos pés, com pernas mais ou menos abertas, não se jogavam para frente ao caminhar e nenhuma das crianças andou mais cedo ou mais tarde por conta do uso do andador. “A verdade é que o equipamento não faz mal ou bem para as crianças. A única coisa divergente no estudo era a opinião dos pais que defendiam ou criticavam o uso do andador”, diz Paula.

A pesquisadora ressalta que o grupo que optou pelo andador não deixava as crianças muito tempo no equipamento. No máximo, uma hora por dia. Além disso, as famílias possuem boas condições socioeconômicas. “Não sabemos as implicações de uso mais prolongado do andador pelas crianças, por exemplo”, destaca. Paula ressalta que uma das ideias mais difundidas contra o andador era a que ele aumentaria as chances de queda das crianças. “Percebemos que isso acontece muito mais por negligência dos pais do que por causa do equipamento”, diz.

Na opinião da fisioterapeuta, os resultados poderão contribuir para que a decisão clínica de optar pelo uso do andador ou não seja feita com base em dados científicos.

Contra o andador

A Sociedade Brasileira de Pediatria não recomenda o uso do equipamento. Aramis Lopes Neto, presidente do Departamento Científico de Segurança da Criança e do Adolescente da entidade, afirma que o andador não traz benefícios para o desenvolvimento da criança. Ele lembra que, com o aparelho, a criança apoia muito a ponta dos pés para se locomover e não tem controle preciso do movimento. “Ele circula sem controle ou direção e a possibilidade de acidentes é muito grande”, opina.

Andador infantil tipo carrinho
Reprodução
Andador infantil tipo carrinho
Cristina dos Santos Cardoso de Sá, integrante da Associação de Fisioterapeutas do Brasil (AFB) e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), argumenta ainda que o fato de a criança ficar sentada no equipamento atrapalha o desenvolvimento dos ossos. “Há estudos qualitativos, mas feitos com poucas crianças, então não podemos dizer que eles não causam problemas. Em muitos países, como o Canadá, a venda deles é proibida”, afirma.

A professora da Unifesp reconhece, no entanto, que um modelo mais recente disponível no mercado poderia ser recomendado. É o que a criança fica completamente em pé e parece um carrinho (como os usados por quem tem dificuldade de locomoção). Segundo ela, eles deixam a criança mais livre. “Ela pode abaixar e pegar um objeto no chão, por exemplo. Treinar o equilíbrio e o refinamento dele também é importante para o bebê”, garante.

Aramis complementa que o ideal é deixar um espaço livre de obstáculos e objetos para as crianças que estão engatinhando. “Um bom estímulo que os pais podem dar é espaço com segurança, um local estável em que ela possa usar as habilidades que for adquirindo durante o desenvolvimento natural do seu corpo”, diz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.