Pesquisa mostra violência contra mulher durante o parto

Mulheres associam experiência ruim a sentimento de angústia nas primeiras semanas com o bebê em casa

Danielle Nordi - iG São Paulo |

Thinkstock/Getty Images
38% das mulheres se sentiram angustiadas nas primeiras semanas após o parto

Uma pesquisa divulgada no final de maio avaliou o atendimento obstétrico em quase dois mil partos realizados em todo o país. As mulheres compartilharam suas experiências e os resultados mostram os maus tratos mais comuns sofridos por elas. O “Teste da Violência Obstétrica” englobou mães que tiveram filhos por cesárea, parto normal, em casa e em hospitais privados e públicos, e foi feito coletivamente por mais de 70 blogs.

Veja também: Dor de parto é ironizada nas maternidades 

O resultado enfoca a conduta dos profissionais de saúde que atendem as gestantes no momento do parto. “Tivemos relatos de todo tipo de violência obstétrica, como negligência, abuso verbal, físico e sexual”, afirma a jornalista e mestranda de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) Ana Carolina Franzon, uma das coordenadoras da pesquisa.

“Cheiro de churrasco”

A pesquisa mostra que 21% das parturientes ouviram comentários irônicos em tom depreciativo por parte da equipe médica que as assistiam. Uma das participantes relata que os profissionais fizeram comentários “sobre o cheiro de churrasco da minha barriga durante a cesárea”. Em outro relato, a mulher afirma que uma das profissionais da equipe médica reclamou por ter que auxiliar o parto no momento do jogo de futebol do seu time. Segundo Ana Carolina, a violência verbal foi apontada como a mais cometida pelos médicos.

Leia mais sobre os principais tipos de parto:
Parto normal: “É tocante contribuir para o bebê nascer”
Parto Cesáreo: “Não me considero menos mãe”
Parto natural: “Você se sente como um bicho, mesmo”

“Não temos dúvida de que alguns profissionais desrespeitam as mulheres no momento do parto. Infelizmente isso acontece, mas não deveria. Na maioria das vezes falta um acolhimento da gestante, que passa por um momento importante e único da sua vida”, afirma Coríntio Mariani Neto, obstetra diretor da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) e diretor técnico de saúde da Maternidade Leonor Mendes de Barros.

Angústia

A pesquisa também revela que 38% das mulheres se sentiram angustiadas nas primeiras semanas após o parto. Metade delas acredita que os sentimentos que tiveram logo depois de ir para casa com o bebê foram influenciados pela maneira como o parto ocorreu.

ASSINE A NEWSLETTER DO DELAS E RECEBA AS NOTÍCIAS EM SEU E-MAIL 

A psicóloga Karla Rapaport Goldenberg atende gestantes e mulheres no pós-parto e afirma que as mulheres que sofrem violência obstétrica se sentem vítimas e não protagonistas de um momento especial em sua vida. “Ela fica insegura para cuidar de uma criança, já que sente que não conseguiu cuidar de si mesma. A violência sofrida pode contribuir para que ela se sinta angustiada e triste. Além disso, pode surgir aversão a médicos, hospitais ou mesmo ao ato sexual, já que partes íntimas da mulher são manipuladas durante o parto com relativa frequência.”

“A parturiente não espera ser recebida em um ambiente cheio de amores, onde todos a parabenizem e sorriam para ela. Mas ela espera ser tratada com respeito, como uma mulher em trabalho de parto que em alguns minutos será mãe”, ressalta a psicóloga perinatal Rafaela Schiavo.

Thinkstock/Getty Images
As primeiras semanas com um bebê em casa são propícias para mudanças de humor das mães

A primeira semana

Apesar das participantes da pesquisa terem estabelecido uma relação direta entre os sentimentos negativos na primeira semana com o bebê e o tratamento recebido na maternidade, outros fatores devem ser considerados como possíveis estopins para essa situação.

Aline Melo, psicóloga especialista em psicologia social, diz que muitas gestantes têm uma grande expectativa com relação ao momento do parto e não se preparam para o pós-parto. “Cerca de 80% das mulheres apresentam o que se chama de ‘tristeza materna’, causada pela alteração hormonal própria do pós-parto.”

Leia ainda:
Veja as últimas notícias sobre violência contra a mulher
Verdades e mentiras sobre parto normal
Quando é necessário fazer cesariana?

As primeiras semanas com um bebê em casa são propícias para mudanças de humor por conta não só da alteração hormonal, mas também porque as mães enfrentam noites em claro e passam por um período de adaptação com a amamentação, lembra Aline.

“Existe um fenômeno de depressão no pós-parto que é um processo fisiológico, mesmo que o parto tenha sido excelente. Mas não há dúvidas de que não ter uma boa assistência no parto tem consequências ruins para a mulher”, afirma Corintio Mariani Neto.

Outros dados revelados pela pesquisa “Teste da Violência Obstétrica”:

- 82% das mulheres estavam respondendo a pesquisa com base no parto do primeiro filho

- 56% tiveram seus filhos em hospitais particulares através do convênio; 26% em hospitais públicos; 12% em hospitais particulares; 4% em casa; 3% em casas de parto

- 35% das mulheres entrevistadas tinham de 25 a30 anos; 27% de 20 a25 anos; 23% de 30 a35 anos

- 53% das gestantes declararam ter sido compreendida, amparada e tratada com respeito

- 12% das entrevistadas disseram que os profissionais de saúde fizeram piadas sobre o comportamento delas

- 9% disseram que os médicos e enfermeiros mandaram a parturiente parar de gritar

- 43% das mulheres se sentiram seguras e à vontade durante todo o processo de internação para o parto

- 37% das gestantes sentiram medo pela sua própria saúde ou a do bebê

- 45% das parturientes foram informadas e consultadas sobre todos os procedimentos realizados

- 24% disseram não ter conhecimento prévio ou não ter consentido a necessidade da realização da episiotomia (corte na vagina no momento que o bebê está nascendo)

- 23% declararam não ter conhecimento prévio ou não ter consentido com a administração de ocitocina (remédio usado para acelerar o trabalho de parto

Veja a pesquisa completa no blog “Cientista que virou mãe”.

Leia também:
Tudo que a grávida pode ou não fazer na gestação 
Seis dicas para quem quer engravidar 
Gravidez Semana a Semana

Leia tudo sobre: partogravidezcesáreaparto normalparto naturalviolêncianascimentoangústiadepressão

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG