Moda de aproveitar a pausa do serviço para dançar começou em Estocolmo e já se espalha por outros países da Europa

Associated Press
Lunch Beat começa sempre ao meio-dia e tem duração de uma hora
Há dois anos, alguns trabalhadores suecos, descobriram um jeito pouco comum de passar a hora do almoço: suando a camisa na pista de dança ao som de música eletrônica pulsante. A ideia virou moda em Estocolmo e, aos poucos, vai se espalhando por outras cidades europeias.

“É absolutamente fantástico!”, exclama Asa Anderson, 33, que havia saído do trabalho em uma cafeteria para chacoalhar o esqueleto na pista. “É a minha primeira vez aqui. Estou muito feliz, extasiada. Estou coberta de suor e cheia de energia. É impossível ficar melhor do que isso”, exagera.

A primeira Lunch Beat , nome que virou a marca do evento, aconteceu em junho de 2010 em um estacionamento subterrâneo da capital sueca. Apenas 14 pessoas compareceram. Apesar do movimento baixo, no entanto, aqueles que participaram se divertiram tanto que logo marcaram outro encontro. A notícia se espalhou e agora a cidade tem festas todo mês acontecendo na hora do almoço, sempre com público garantido.

O sucesso fez com que eventos similares começassem a aparecer em outros países como Finlândia e Sérvia. Em abril deste ano acontece a primeira Lunch Beat de Portugal, na cidade do Porto.

A festa começa sempre ao meio-dia e tem duração de uma hora. Segundo um dos organizadores, Daniel Odelstad, 31, a não disponibilização de bebidas alcoólicas gera um clima bastante diferente das baladas noturnas.

Preço das entradas, R$ 27, é usado para pagar o aluguel e o lanche. Festa não gera lucros
Associated Press
Preço das entradas, R$ 27, é usado para pagar o aluguel e o lanche. Festa não gera lucros
“As pessoas estão sóbrias e a festa acontece durante um dia de trabalho. É muito curta e intensa”, diz Daniel. “Você tem que entrar lá e dançar. Uma hora passa muito rápido”.

É com esta recomendação em mente que cerca de 500 pessoas pagam 100 coroas suecas (R$ 27) para entrar no Kulturhuset, um centro cultural localizado na região central de Estocolmo.

Odelstad explica que qualquer um pode organizar uma Lunch Beat , desde que sejam seguidas algumas regras básicas. “A primeira regra é que você tem que dançar”, disse enquanto checava alguns convites na entrada. “Se você não quer dançar durante o intervalo de almoço, é melhor ir passar esse tempo em outro lugar”, recomenda.

E a festa não pode demorar horas para animar porque o tempo é curto. Mesmo os suecos, um povo tradicionalmente reservado, se animam assim que o DJ solta as primeiras batidas. Secretários e assistentes se misturam a executivos de terno. Jovens e pessoas na meia-idade dançam todos juntos.

O preço das entradas é usado para pagar o aluguel e os sanduíches – a garantia de que ninguém voltará ao trabalho faminto. As festas não visam o lucro.

Mas será que não é desagradável voltar ao escritório depois de uma hora dançando? Aparentemente não. “É maravilhoso”, diz Ellen Bengtsson, 29, que comparecera à festa com um grupo de mais de dez colegas. “Depois todos voltamos juntos e suados”, diverte-se.

Qual a sua opinião, a "balada do almoço" teria futuro no Brasil? Deixe seu comentário!

Continue lendo:
- A importância do contexto
- Que tal contratar prestadores de serviço que trabalham nus?
- Viagem para encontrar amigos do Facebook

>>> Assine a Newsletter , curta nossa página no Facebook e siga o @Delas no Twitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.